Mundo enfrenta hostilidade no aniversário da fundação do Partido Comunista Chinês

Por Epoch Times

Pouco antes de 1º de julho, aniversário da fundação do Partido Comunista Chinês, o Departamento de Estado dos Estados Unidos emitiu o Relatório de Liberdade Religiosa Internacional de 2018. Na conferência de imprensa que divulgou o relatório em 21 de junho, o secretário de Estado, Mike Pompeo, falou sobre como a norma na China é a “intensa perseguição de muitos credos – praticantes do Falun Gong, cristãos e budistas tibetanos entre eles”.

“O Partido Comunista Chinês exibiu extrema hostilidade a todas as religiões desde a sua fundação”, disse Pompeo. “O partido exige que só ele seja chamado de Deus”.

Desde a sua criação, o Partido Comunista Chinês (PCC) tem lutado com várias religiões. Essa luta contra a religião é uma parte essencial do regime do PCC. Esse regime não pode permitir a existência de livre arbítrio e pensamentos livres, e assim a tentativa de eliminar todas as religiões e crenças é inevitável.

Os “Nove Comentários sobre o Partido Comunista”, publicados pelo Epoch Times, explicam que o Partido Comunista é um “culto maligno”.

No início do Partido Comunista, conforme explicado nos “Nove Comentários”, eles “consideravam o marxismo a verdade absoluta do mundo. Adorava piedosamente Marx como seu Deus espiritual e exortava as pessoas a se empenharem por toda a vida com o objetivo de construir um “céu comunista na Terra”.

“O PCC promove o ateísmo e afirma que a religião é‘ o  ópio espiritual ’ que pode intoxicar as pessoas”.

O PCC também destruiu a cultura tradicional, erradicando a tradição e a moralidade em nome da revolução.

Um sistema de propriedade estatal, hoje vivo, mesmo quando se acredita que o PCC tenha adotado o capitalismo, confere ao Partido o controle sobre toda a sociedade. Esse controle tem uma dimensão psicológica e espiritual, pois o povo chinês está constantemente saturado com as doutrinas e a propaganda do PCC.

Mas essas doutrinas desafiam a natureza humana. Um indivíduo em liberdade às rejeitaria.

Por essa razão, os “Nove Comentários” dizem que “eliminar os dissidentes é o meio mais eficaz para o culto maligno do comunismo disseminar sua doutrina. Como a doutrina e o comportamento desse culto malévolo são muito ridículos, o partido comunista precisa obrigar as pessoas a aceitá-los, contando com a violência para eliminar os dissidentes ”.

Essa violência pode assumir a forma de tortura ou pode envolver assassinato ou até assassinato em massa.

Em uma carta ao Politburo de elite do PCC, circulada na noite de 25 de abril de 1999, o então ditador Jiang Zemin perguntou: “O marxismo, o materialismo e o ateísmo que nossos membros do Partido Comunista sustentam não vencem a batalha com o que o Falun Gong promove? ”

Esse medo de que o povo chinês preferisse os princípios morais tradicionais do Falun Gong – verdade, compaixão e tolerância – às doutrinas do PCC, ajuda a explicar a campanha de 20 anos de duração para erradicar essa prática.

Os ensinamentos espirituais do Falun Gong, ou os ensinamentos das diferentes religiões que lutam para sobreviver na China, fornecem uma alternativa ao que o PCC chama de “senso de natureza partidária”.

Os “Nove Comentários” escrevem que a natureza do Partido exige que um membro “esteja pronto a qualquer momento para desistir de todas as crenças e princípios pessoais e para obedecer absolutamente à vontade do Partido e à vontade do líder”.

George Orwell alertou sobre isso em seu romance “1984”.

Depois que o protagonista Winston Smith é preso, ele é repetidamente torturado pelo “Departamento de Benevolência”. Um dos propósitos é forçá-lo a desistir da lógica matemática de “2 mais 2 é igual a 4”.

No final, Winston finalmente abandona a lógica racional e aceita o resultado de “2 mais 2 é igual a 5” imposto pelo Ministério da Misericórdia. Ele então deixa a prisão para retornar ao seu trabalho, enganando as pessoas no “Departamento da Verdade”.

Orwell entende a essência do culto totalitário do Partido Comunista. O resultado da lógica racional não é importante. A chave do sistema é forçar todos a aceitarem a “verdade” completamente ilógica do partido.

Da mesma forma, na guerra contra a religião do PCC, o objetivo final é forçar todos a desistir de sua liberdade e aceitar as conclusões absurdas do PCC.

Apesar desse esforço de culto para controlar as mentes e almas de uma nação inteira, um grande número de chineses tem lutado contra o PCC: dissidentes que defenderam a democracia; advogados de direitos humanos que tentaram trazer o Estado de direito para a China; agricultores que procuraram manter suas terras; cristãos da igreja doméstica, budistas tibetanos, muçulmanos uigures e outros que lutaram por sua liberdade de crença; praticantes do Falun Gong que empreenderam uma campanha de desobediência civil sem precedentes, ensinando ao povo chinês sobre sua prática, sobre a perseguição que sofrem e sobre a necessidade do PCC se desintegrar.

Começando com o lançamento dos “Nove Comentários” em 2004, o Epoch Times pediu o fim do PCC. Os “nove comentários” terminam:

“Só sem o Partido Comunista Chinês, haverá uma nova China.

“Só sem o Partido Comunista Chinês, a China tem esperança.

“Sem o Partido Comunista Chinês, os chineses honestos e bondosos reconstruirão a magnificência histórica da China.”

O drama que se desenrola na China é a encruzilhada da história. O PCC só pode sobreviver eliminando aqueles que pensam de maneira diferente. Isso ameaça a liberdade e a segurança do mundo inteiro.

E assim, neste aniversário da fundação do PCC, o mundo inteiro enfrenta uma escolha: apoiar a liberdade religiosa daqueles na China, ou permanecer quieto diante do mal do PCC. Não há meio termo e o futuro está em jogo.

 
 
 

Jornal Epoch Times é removido de cadeia de lojas em Hong Kong, gerando preocupação sobre a pressão de Pequim

Jornal Epoch Times é removido de cadeia de lojas em Hong Kong, gerando preocupação sobre a pressão de Pequim
Os moradores de Hong Kong estão expressando suas preocupações depois que uma franquia local da popular cadeia de ...
Leia Mais >
 

Governo e empresários planejam campanha para estimular economia

Governo e empresários planejam campanha para estimular economia
Com o objetivo de movimentar a economia e estimular o turismo interno e o varejo, o governo brasileiro ...
Leia Mais >
 

EUA: Comitê Nacional Republicano aprova resolução contra extração forçada de órgãos na China

EUA: Comitê Nacional Republicano aprova resolução contra extração forçada de órgãos na China
O Comitê Nacional Republicano (RNC) dos Estados Unidos aprovou por unanimidade uma resolução em 2 de agosto de ...
Leia Mais >
 

Câmara aprova urgência para projeto que autoriza porte de arma para novas categorias profissionais

Câmara aprova urgência para projeto que autoriza porte de arma para novas categorias profissionais
O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou na tarde desta quarta-feira (14) o regime de urgência para o ...
Leia Mais >