O maior movimento anti-intelectualismo da história

Por Jack Phillips

Ao longo da história, os intelectuais têm sido alvo frequente de regimes tirânicos para reprimir a dissidência política. Mas o próprio líder comunista chinês Mao Tsé-Tung se gabou de ter dado um passo adiante.

Depois que o Partido Comunista Chinês assumiu o poder em 1949, Mao instilou um clima de medo e terror. Do final dos anos 1940 ao início dos anos 1950, ele mobilizou os camponeses chineses para matar a classe dos proprietários de terras, resultando em um número de mortos que várias estimativas apontam para centenas de milhares a vários milhões. Em algumas áreas, os julgamentos públicos tornaram-se a norma e os camponeses politizados de Mao tornaram-se juiz, júri e executor da classe dos proprietários de terra na China. Em meio ao clima repressivo, os intelectuais aparentemente não tinham voz para dizer qualquer coisa sobre o partido comunista.

Mas tudo mudou quando o líder soviético Nikita Krushchev denunciou seu antecessor totalitário, Joseph Stalin. A medida levou Mao a agir, já que a China vinha seguindo modelos econômicos semelhantes aos usados pela União Soviética de Stalin.

“Que flores de todos os tipos desabrochem, que diversas escolas de pensamento se enfrentem”, disse Mao citando um famoso poema chinês. Em 1956, o “Desabrochar de Cem Flores” foi assim cunhado, encorajando o público, especialmente os intelectuais, a criticar a liderança do Partido Comunista Chinês e a oferecer soluções para suas políticas nacionais.

“O governo precisa de críticas de seu povo”, disse o premiê chinês Zhou Enlai, de acordo com a revista Smithsonian. “Sem essa crítica, o governo não poderá funcionar como a Ditadura Democrática do Povo. Assim, a base de um governo saudável foi perdida. …Devemos aprender com os velhos erros, receber todas as formas de críticas saudáveis e fazer o que pudermos para responder a essas críticas”.

Mas longe de ser um esforço genuíno para retificar os excessos de seu regime sangrento, o movimento das “Cem Flores” se transformou no maior ataque aos intelectuais da história, já que centenas de milhares com vontade de falar se identificaram com o PCC.

Intelectuais de diferentes origens, incluindo advogados, acadêmicos, cientistas, escritores e outros, correram para participar da campanha. Eles criticaram as autoridades comunistas pelo baixo padrão de vida, por se intrometerem em seus assuntos, slogans, pôsteres, corrupção, o “seguimento escravista dos modelos soviéticos” e como “membros do partido comunista [desfrutavam] de muitos privilégios que tornando-os uma raça à parte” (que efetivamente trai um princípio central da doutrina marxista), de acordo com o historiador chinês Jonathan D. Spence, em seu livro “The Search for Modern China”.

Cartazes de parede foram pendurados pela China, denunciando todos os aspectos do regime comunista, e membros do partido foram criticados.

Em 1957, milhões de cartas chegaram ao escritório do premiê Zhou e aos escritórios de outras autoridades comunistas. Algumas pessoas organizaram manifestações, colocaram pôsteres e até publicaram artigos críticos.

“Os membros do Partido, por ocuparem cargos de liderança e por estarem situados favoravelmente, parecem gozar, em todos os aspectos, de privilégios excessivos”, dizia uma carta de um professor universitário.

De acordo com uma carta do editor do jornal Guangming Daily, depois de 1949, “os intelectuais apoiaram calorosamente o Partido e aceitaram a liderança do Partido. Mas nos últimos anos as relações entre o Partido e as massas não têm sido boas e se tornaram um problema de nossa vida política que precisa urgentemente de reajustes. Onde está a chave do problema? Em minha opinião … Acho que um partido que lidera uma nação não é o mesmo que um partido que possui uma nação; o público apoia o Partido, mas os membros do público não se esqueceram de que são os donos da nação”.

O crítico e historiador de Mao, Jung Chang, explicou a razão por trás do movimento:

“Passou-se um ano antes que os intelectuais ganhassem coragem para responder ao chamado [de Mao], primeiro com críticas fortemente expressas aos padrões impostos na educação, depois com críticas mais amplas ao sistema sócio-político geral. Em termos do sistema educacional, houve amargas reclamações sobre a cópia mecânica da União Soviética, a estreiteza dos programas de ensino, o abandono e a repressão das ciências sociais e o fato de que o marxismo-leninismo foi defendido como doutrina ortodoxa, para ser aceito sem questionar. … A crítica social mais ampla centrou-se no papel autoritário do partido em todas as tomadas de decisão, no crescente fosso entre os profissionais partidários e não partidários e os vários abusos de privilégio da nova elite política.”

A crítica fervorosa, em última análise, não foi um bom presságio para Mao e seus companheiros, que alegaram que os comentários violavam o nível de “crítica saudável”, sem entrar em detalhes. Mais tarde, ele denunciou as cartas como “prejudiciais e incontroláveis”.

Assim, em meados de 1957, as críticas não podiam mais ser toleradas.

Aqueles que colocaram suas críticas aos pés do PCC e de Mao foram denunciados como “direitistas”, e o Desabrochar de Cem Flores deu lugar ao movimento antidireitista, que começou no verão de 1957.

Mao então os prendeu, enviando-os para serem executados ou para realizar trabalhos forçados em campos de reeducação. Mao então proclamou o movimento uma vitória, alegando que a campanha “atraiu as cobras para fora de seus covis”. Entre 300.000 e 550.000 pessoas foram identificadas como direitistas, muitas delas intelectuais, artistas, cientistas e escritores.

O reinado de Mao atraiu comparações com o do Primeiro Imperador da China Qin Shi Huang, que enterrou vivos centenas de estudiosos e intelectuais, mais de 2.000 anos antes.

Mas Mao disse que deu um passo adiante durante um discurso aos oficiais do PCC em 1958, referindo-se a Qin: “Ele enterrou 460 acadêmicos vivos; enterramos quarenta e seis mil acadêmicos vivos… Vocês [intelectuais] nos insultam por sermos Qin Shi Huangs. Vocês estão errados. Superamos Qin Shi Huang cem vezes”.

Uma teoria foi desenvolvida sobre a verdadeira motivação de Mao. Jung e o historiador Clive James afirmam que sua campanha desde o início era uma mentira com a intenção de expor os chamados direitistas e contra-revolucionários, dando a Mao e ao PCC um novo inimigo para eliminar. O médico pessoal de Mao, Li Zhisui, também fez afirmações semelhantes, argumentando que o Desabrochar de Cem Flores era “uma aposta, baseada em um cálculo de que contra-revolucionários genuínos eram poucos … e que outros intelectuais seguiriam o exemplo de Mao, falando apenas contra o povo e as práticas que o próprio Mao mais queria submeter à reforma”.

Hoje, a discussão do Movimento Antidireitista é fortemente censurada na China. O China Media Project, da Universidade de Hong Kong, observou em 2009 que ele foi considerado um “tópico perigoso” porque aborda “os crimes de Mao Tsé-Tung e as graves falhas do sistema político da China”.

Um ano depois, Mao lançou o Grande Salto para a Frente, uma campanha desastrosa que resultou na perda de dezenas de milhões de vidas.

O Grande Salto para a Frente pressionou a China a aumentar sua produção de aço enquanto coletivizava a agricultura. O Grande Salto para a Frente levou a uma grande quantidade de produção de aço de baixa qualidade (os agricultores derreteram suas próprias ferramentas para atender às demandas do Partido Comunista), perseguição aos que resistiam e fome em massa.

Em 1959, o nascente Grande Salto para a Frente foi discutido durante a Conferência de Lushan, uma reunião dos principais líderes do PCC. Na conferência, o general Peng Duhai criticou os fracassos do Grande Salto para a Frente e foi posteriormente rotulado de direitista. Depois da conferência, qualquer crítica às políticas do partido era considerada o mesmo que criticar o próprio Mao, consolidando ainda mais seu poder sobre o partido.

Estima-se que o comunismo tenha matado cerca de 100 milhões de pessoas, mas seus crimes não foram totalmente compilados e sua ideologia ainda persiste. O Epoch Times procura expor a história e as crenças deste movimento, que tem sido uma fonte de tirania e destruição desde o seu surgimento.

Veja a série completa de artigos aqui.

As opiniões expressas neste artigo são pontos de vistas do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
 
 

China parou de fornecer empréstimos à América Latina e Caribe em 2020, primeira vez em 15 anos

China parou de fornecer empréstimos à América Latina e Caribe em 2020, primeira vez em 15 anos
Um relatório recente observou que em 2020 a China não concedeu novos empréstimos aos governos da América Latina ...
Leia Mais >
 

ONU: EUA retornam

ONU: EUA retornam
Por NTD Notícias O indicado do presidente Biden para a CIA está chamando o regime chinês de “um ...
Leia Mais >
 

EUA respondem China

EUA respondem China
Por NTD Notícias Washington responde diplomata máximo de Pequim. O oficial Chinês havia definido ‘linhas vermelhas’ que disse ...
Leia Mais >
 

China alerta Biden

China alerta Biden
Por NTD Notícias Pequim diz ao presidente dos EUA Biden sobre as chamadas "linhas vermelhas" que ele não ...
Leia Mais >