O choque do ‘caráter do partido’ e da natureza humana no Tiananmen

Por Leo Timm

Trinta e dois anos atrás, a China—junto com o bloco soviético—parecia estar à beira de uma mudança política.

Começando com estudantes universitários e funcionários de universidades em todo o país, milhões de pessoas aderiram às manifestações nacionais—pelos direitos humanos, pelo fim da corrupção e pela reforma democrática—que foram desencadeadas pela morte de Hu Yaobang, o ex-líder liberal do Partido Comunista Chinês, em abril de 1989.

Apesar da simpatia generalizada pelo movimento entre os cidadãos e de quase uma década de mudança econômica e abertura social, o Partido declarou a lei marcial em Pequim. Em 4 de junho de 1989, soldados e tanques do Exército de Libertação do Povo entraram na capital e mataram centenas, talvez milhares, de manifestantes desarmados na Praça Tiananmen—o “portão da paz celestial”.

Nos últimos dias antes da imposição da lei marcial, Zhao Ziyang, o sucessor de Hu na liderança do Partido, falou aos estudantes em Pequim: “Chegamos tarde demais. Nos desculpe. Vocês falam sobre nós, nos criticam. Tudo é necessário”.

Vinte dias após o Massacre de Tiananmen, Zhao foi forçado a deixar o cargo e colocado em prisão domiciliar. De acordo com “The Tiananmen Papers”, uma reconstrução acadêmica dos eventos que ocorreram durante as manifestações e o massacre, enquanto Zhao nunca foi formalmente acusado de qualquer crime, ele foi acusado pela linha dura do Partido por supostamente arquitetar as manifestações pró-democráticas.

No lugar de Zhao, os líderes restantes do Partido nomearam Jiang Zemin, um homem cuja influência deletéria na política chinesa e legado brutal na supressão dos direitos humanos perduram até hoje.

O Paradoxo da Reforma

Após a morte do presidente do Partido, Mao Tsé-Tung, em 1976, a China iniciou sua era de “reforma e abertura”, liberando o potencial empreendedor de centenas de milhões de chineses. O fanatismo enlouquecido, o terror de estado e a fome do governo do presidente pareciam coisas do passado.

Marx, Lenin e Mao pareciam ficar em segundo plano na maré de prosperidade de mercado e reformas políticas emergentes. O secretário-geral do Partido Comunista Chinês, Hu Yaobang, aproveitou a abertura e chegou a dizer que nenhuma das ideias de Mao era relevante para as modernizações econômicas da China moderna.

Manifestantes perto do Monumento aos Heróis do Povo na Praça Tiananmen em Pequim, China, em junho de 1989 (Fornecido por Liu Jian / Epoch Times)
Manifestantes perto do Monumento aos Heróis do Povo na Praça Tiananmen em Pequim, China, em junho de 1989 (Fornecido por Liu Jian / Epoch Times)

E em 1987, o manto de liderança passou para Zhao Ziyang, um discípulo das liberalizações de Hu. Embora um burocrata de alto escalão e um membro dedicado do Partido, Zhao, nas palavras do estudioso Julian B. Gewirtz, “priorizou a substância em vez do estilo” e imaginou uma China rica e democrática. Em uma das propostas mais radicais de Zhao, ele pediu a independência do governo do Partido Comunista.

Se a liderança de Zhao tivesse continuado, “não é nada difícil imaginar que a sociedade chinesa seria muito mais pluralista, democrática, respeitadora da lei, justa e aberta ao mundo exterior”, disse Gewirtz, em um comunicado publicado no site de comentários ChinaFile.

O secretário-geral do Partido Comunista Chinês, Zhao Ziyang, fala aos estudantes em greve de fome na madrugada de 19 de maio de 1989.(AFP / Getty Images)
O secretário-geral do Partido Comunista Chinês, Zhao Ziyang, fala aos estudantes em greve de fome na madrugada de 19 de maio de 1989.(AFP / Getty Images)

Mas o Partido tinha sua própria lógica, que podia ser vista antes mesmo da morte de Hu e da tragédia no Tiananmen.

Os linha-dura do PCC, incluindo Deng Xiaoping, a verdadeira fonte de poder e patrocínio político na China da época, haviam agido anteriormente—como no exemplo da campanha para livrar a China da “poluição espiritual” ocidental—para conter a liberalização política. Hu era uma figura controversa e a segunda metade da década de 1980 viu sua queda.

Triunfo do ‘Caráter do partido’

O conceito de “caráter do partido”—“dang xing” em mandarim—foi constante em todo o governo do PCC e provou ser uma ferramenta formidável para assegurar a coesão do regime comunista e para obter a cooperação de seus membros individuais.

A luta de classes e a dialética materialista, o núcleo filosófico do marxismo-leninismo consagrado na doutrina do PCC, informaram os assassinatos em massa e a fome sem precedentes sob Mao, e permaneceram inalterados nos anos seguintes. O desenvolvimento econômico, a modernização jurídica e o afrouxamento das normas sociais poderiam tornar os chineses mais ricos e materialmente mais satisfeitos, mas o Partido Comunista manteve seu caráter ideológico básico.

Em uma época em que as reformas políticas na União Soviética levaram ao colapso total dos regimes comunistas do Leste Europeu, a força do caráter do Partido condenou Hu e Zhao até mesmo em sua capacidade de secretário-geral—o posto mais alto no PCC.

Zhao Ziyang não foi o primeiro líder do Partido a cair em desgraça. No caos da Revolução Cultural, provocada por Mao na década de 1960, o secretário-geral Liu Shaoqi foi perseguido pelos Guardas Vermelhos como um “perseguidor do capitalismo” e derrubado quando suas tentativas de se defender com a constituição chinesa foram simplesmente ignoradas. Ele foi torturado e mantido em condições desumanas até sua morte dois anos depois.

Chen Duxiu, fundador do PCC, se opôs ao uso da violência e favoreceu a cooperação com o governo republicano chinês no poder na época. Ele foi expulso de sua posição e eventualmente expulso do Partido como um “oportunista de direita” em 1929.

Depois de Tiananmen

Hoje, pouco resta do movimento social que varreu Pequim, Harbin, Shenyang, Guangzhou, Hefei, Chengdu e outras metrópoles chinesas na primavera de 1989. Zhao Ziyang viveu em prisão domiciliar até sua morte em 2005.

Com o sucessor de Zhao, Jiang Zemin, a China continuou sua marcha para o capitalismo sem democracia. Os objetivos da reforma—governo transparente, Estado de Direito, maior democratização e crescimento da sociedade civil—reverteram o curso à medida que o dinheiro e o clientelismo se tornaram os lubrificantes cáusticos de uma economia política chinesa afluente.

Policial chinês aborda praticantes do Falun Gong que viajaram pela China até a Praça Tiananmen para fazer apelos pacíficos contra a perseguição em 2001 (Cortesia de Minghui)
Policial chinês aborda praticantes do Falun Gong que viajaram pela China até a Praça Tiananmen para fazer apelos pacíficos contra a perseguição em 2001 (Cortesia de Minghui)

Embora revestido com ternos ocidentais e desfrutando dos frutos do capitalismo de compadrio, a organização do Partido sob o comando de Jiang manteve a máquina do comunismo de Tiananmen—e a cultura ideológica para seu uso. Desta vez, a ofensa não foi uma questão política, mas um choque de fé.

Em 1999, Jiang Zemin ordenou uma campanha abrangente para destruir o Falun Gong, uma prática espiritual chinesa adotada por mais de 70 milhões de pessoas desde seu primeiro ensino público em 1992.

O presidente chinês, Jiang Zemin (E) junto com o premiê Zhu Rongji durante uma cerimônia de partida no Grande Salão do Povo em Pequim, em 3 de junho de 2002. (Goh Chai Hin/AFP/Getty Images)
O presidente chinês, Jiang Zemin (E) junto com o premiê Zhu Rongji durante uma cerimônia de partida no Grande Salão do Povo em Pequim, em 3 de junho de 2002. (Goh Chai Hin/AFP/Getty Images)

“O Partido, sob Jiang Zemin, manteve a máquina de repressão comunista vista no Tiananmen—e a cultura ideológica para seu uso.”

E como o massacre em 1989, a perseguição ao Falun Gong foi prenunciada por sinais da crescente pressão do PCC—os artigos caluniosos de eruditos comunistas como He Zuoxiu, o banimento dos livros do Falun Gong em 1996—culminando nas prisões em abril de 1999 de mais de 40 Praticantes do Falun Gong em Tianjin, norte da China.

Os adeptos do Falun Gong protestaram, reunindo-se diante do complexo da liderança do PCC em Zhongnanhai, em Pequim. O primeiro-ministro Zhu Rongji recebeu vários representantes dentro do prédio, mas suas ações, como as de Zhao Ziyang 10 anos antes, significaram pouco.

Jiang Zemin, que subiu ao poder após a sangrenta resolução dos eventos em 4 de junho, viu uma situação semelhante na ascensão do Falun Gong na década de 1990. Ele chamou o Falun Gong de “o incidente político mais sério desde 4 de junho” em uma reunião do Politburo, de acordo com estudiosos.

A década de 2000 em diante veria o desenvolvimento da campanha de perseguição mais brutal da China contemporânea—completa com propaganda desumanizante, sentenças em campos de trabalho forçado e o assassinato cirúrgico de centenas de milhares por seus órgãos.

Estima-se que o comunismo tenha matado cerca de 100 milhões de pessoas, mas seus crimes não foram totalmente compilados e sua ideologia ainda persiste. O Epoch Times procura expor a história e as crenças deste movimento, que tem sido uma fonte de tirania e destruição desde o seu surgimento. Leia toda a série aqui.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 

 
 
 

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América
Hoje, as "plataformas de entretenimento" dos EUA estão tão "desesperadas pelo mercado chinês" que agora estão dispostas a ...
Leia Mais >
 

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.
Por NTD Notícias Evidências apontam que a catástrofe das enchentes na China vem das autoridades do Partido Comunista. ...
Leia Mais >
 

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição
O Epoch Times realizou um painel de discussão em 19 de julho entre os principais especialistas na Constituição ...
Leia Mais >
 

Enchentes mortíferas na China

Enchentes mortíferas na China
Por NTD Notícias O senador Marco Rubio na terça-feira disse em tuite que o fechamento do instituto Confúcio ...
Leia Mais >