A Nova Ordem Mundial da China

Por James Gorrie

Será que é uma boa ideia uma nova ordem internacional baseada na liderança econômica e política da China? Isso levará a um mundo mais livre e próspero?

Esta é a recomendação de acordo com os “especialistas” políticos e empresariais que participaram na semana passada da Conferência Mundial de Supertendências do Credit Suisse em Singapura. Eles salientam que a ascensão da China coincide com o declínio da influência econômica e militar americana e europeia em todo o mundo. Portanto, seu argumento é que a comunidade mundial deveria aproveitar esta oportunidade tanto para abraçar a ascensão da China como para restabelecer as regras do comércio mundial.

Quem realmente acredita nisso?

Supõe-se que as regras impedirão a China de trapacear. Este é o pensamento de pessoas como o ex-embaixador dos Estados Unidos na União Europeia, Anthony Gardner. Na melhor das hipóteses, esse pensamento é totalmente ingênuo e, na pior das hipóteses, contraproducente e muito mais.

Os supostos especialistas parecem esquecer que a China chegou onde está hoje quebrando todas as regras do sistema internacional nos últimos 40 anos. Por que parar de fazer o que funcionou por décadas? Aproveitando a abertura das economias ocidentais, a China destruiu indústrias inteiras nos Estados Unidos e na Europa, o que resultou na criação de empregos de trilhões de dólares e na realocação de fábricas na China, bem como no roubo em massa de propriedade intelectual e de tecnologia.

E agora aqueles que influenciam os negócios internacionais acham que a China deveria liderar o mundo para formar uma nova ordem mundial? Que tipo de ordem internacional eles acreditam que se estabeleceria? Na verdade, não precisamos fazer muito esforço para ver como seria uma ordem mundial liderada pela China.

O imperialismo neofascista chinês

Ao contrário de outros regimes comunistas, a China adotou a formação de capital de uma perspectiva de cima para baixo, ao mesmo tempo em que subsidiava a produtividade através de ciclos de empréstimo sem fim e absorvia os mais bem-sucedidos dentro da propriedade estatal. Em vez de adotar a abertura das economias ocidentais, tirou vantagem de seu enorme potencial de mercado e de sua vantagem comparativa como um fabricante de baixos salários, com relativamente poucas regulamentações trabalhistas ou ambientais para rapidamente se tornar um concorrente econômico e militar no cenário mundial.

Mas, em vez de o comércio levar a uma sociedade mais livre e aberta, como os especialistas supunham, isso teve o efeito oposto. O novo poder da China levou o Partido Comunista Chinês (PCC) a exercer uma maior exploração no exterior e uma maior repressão social em seu país. Em outras palavras, o PCC reinventou a China — com a imensa ajuda do Ocidente — em um poder expansionista neofascista.

Os sinais estão aí para todos verem. A exploração desenfreada realizada pela China do sistema internacional e a subjugação financeira que ela impõe aos parceiros comerciais mais fracos nos dizem exatamente como seria uma ordem mundial liderada pela China. Na verdade, eles estão construindo essa nova ordem neste exato instante.

Por exemplo, a iniciativa chinesa “Um Cinturão, Uma Rota” (OBOR, na sigla em inglês). Para todos os efeitos, trata-se de uma versão chinesa da Esfera de Coprosperidade do Japão dos anos trinta. As semelhanças entre o Japão do período entreguerras e a China atual são surpreendentes. Nos anos anteriores à Segunda Guerra Mundial, o Japão não dispunha das matérias-primas e recursos naturais necessários — incluindo o petróleo — para sustentar seu modelo econômico.

Além disso, sua forma social e política era baseada na adoração do imperador e na antipatia em relação ao Ocidente. Para apoiar seus objetivos expansionistas e dissipar seu medo de ser subjugado pelas potências ocidentais, o Japão seguiu uma política de colonização agressiva em todo o Sudeste Asiático. Claro, todos os benefícios foram unilaterais.

Como imperador de fato da China, o líder chinês Xi Jinping cultivou muitas das mesmas tendências culturais. No entanto, o mais importante são os efeitos do projeto OBOR da China em seus parceiros comerciais mais fracos. Mas ao contrário do Japão, a China invade economicamente em vez de militarmente.

Embora o processo varie, os resultados permanecem essencialmente os mesmos. A China promete infraestrutura e outros desenvolvimentos econômicos aos seus parceiros OBOR e depois deixa os países com dívidas que eles provavelmente não poderão pagar. Em seguida, a China apreende ativos influentes e arrasa o meio ambiente do país anfitrião, aproveitando os recursos naturais de que necessita desesperadamente.

Isso está acontecendo na África, Ásia e América do Sul, uma esfera de co-prosperidade muito maior do que o Japão Imperial poderia ter imaginado.

Um plano para o domínio da tecnologia

O projeto OBOR mostra como a China planeja lidar com os países mais fracos existentes no mundo, aqueles que não têm economias totalmente desenvolvidas e tecnologicamente avançadas. No entanto, para as economias avançadas, os planos de uma nova ordem mundial estabelecida pela China estão detalhados no programa “Made in China 2025”. Mais uma vez, trata-se de seguir alguns dos comportamentos passados do Japão, desta vez as estratégias de negócios conflitantes dos anos setenta e oitenta.

Em suma, o programa “Made In China 2025” envolve o roubo contínuo de tecnologia avançada de empresas ocidentais em dez níveis-chave. O objetivo é reverter o fluxo comercial do Ocidente para o Oriente, reduzindo a concorrência estrangeira através da competição de preços, o que dificulta a concorrência. O objetivo é a destruição das bases tecnológicas industriais europeias e americanas, deixando a China no topo da indústria de inteligência artificial, robótica, microprocessadores, produtos farmacêuticos e outras tecnologias.

Tratar o mundo como uma família

Em outras palavras, na visão chinesa de uma nova ordem mundial, o resto do mundo seria tratado como uma família. Quando a China estabelecer as regras, não haverá favoritismo na família global das nações. Soa extremamente razoável e repleto de possibilidades, não é?

Deixando o sarcasmo de lado, é fundamental entender que a ordem internacional liberal que trouxe tanta prosperidade ao mundo — incluindo a China — é exceção à regra na longa história do mundo. São as normas ocidentais de legalidade e abertura, juntamente com um grau de magnanimidade raramente praticado pelas grandes potências ao longo da história, que elevou o padrão de vida mundial. Direitos humanos, liberdade de expressão, troca de ideias e caridade são ideais ocidentais. Às vezes eles são defeituosos em sua execução, sem dúvida; mas eles são altamente preferíveis aos princípios que o PCC quer impor ao mundo.

O modelo de desenvolvimento da China é insustentável

O erro mais flagrante entre os especialistas é considerar que o “modelo” de desenvolvimento da China é um modelo a ser imitado por outros países em desenvolvimento. Mas a realidade é que a economia moderna da China não foi criada pelo brilhantismo intelectual do PCC — longe disso. Se tivesse sido deixado para as ideias dos comunistas, a China teria morrido de fome. Na verdade, ele fez isso por trinta anos, causando a morte de dezenas de milhões de pessoas.

O desenvolvimento da China se deve principalmente devido à forte participação das economias ocidentais em sua economia. Mas mesmo assim, a economia fascista chinesa é impulsionada por considerações políticas, não econômicas, tal como se manifesta na fraude, no suborno, no desperdício e na poluição generalizada. De fato, a China quase destruiu completamente sua capacidade de se alimentar e está entre as nações mais poluídas do planeta. Isso é o que impulsiona a China: suas próprias políticas transformaram uma grande parte do país asiático em um terreno baldio.

Todos esses são subprodutos dos atos de uma classe política corrupta que prejudica a eficiência econômica, a higiene ambiental e proíbe o amplo desenvolvimento econômico e social. Além disso, foi demonstrado que a distorcida economia chinesa é muito menor do que parece, sustentada por uma falsidade de informações profundamente enraizada e um nível de endividamento que, em algum momento, contribuirá para sua ruína.

A ironia da perspectiva de uma nova ordem mundial liderada pela China é que, à medida que a China cresce, ela também está caindo. Mesmo agora, ele luta para manter uma economia que não pode suportar sozinha. Tal nação é o ideal e o alicerce sobre o qual basear uma nova ordem mundial?

James Gorrie é escritor radicado no Texas. Ele é o autor de “A Crise da China”

O conteúdo desta matéria é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Epoch Times

 
 
 

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong
Os Estados Unidos e as autoridades europeias manifestaram alarme ao saber das detenções de vários ativistas pró-democracia de ...
Leia Mais >
 

Esconderijos na fronteira: um fenômeno oculto e deplorável

Esconderijos na fronteira: um fenômeno oculto e deplorável
As casas esconderijo são usadas há décadas para manter humanos e contrabando nos dois lados da fronteira sudoeste, ...
Leia Mais >
 

EUA anunciam medida para manter imigrantes ilegais detidos por mais tempo

EUA anunciam medida para manter imigrantes ilegais detidos por mais tempo
O governo dos Estados Unidos anunciou nesta quarta-feira (21) um plano destinado a permitir a detenção das famílias ...
Leia Mais >
 

“Polônia deve resistir ao ‘teatro viajante’ das marchas do orgulho gay”, diz partido governista do país

“Polônia deve resistir ao ‘teatro viajante’ das marchas do orgulho gay”, diz partido governista do país
A Polônia deve resistir ao “teatro viajante” das marchas do orgulho gay, disse neste domingo (18) o líder ...
Leia Mais >