Nos bastidores: Obama nunca se foi

Por Lee Smith

O lançamento das novas memórias de Barack Obama na terça-feira foi programado para impulsionar o ciclo de notícias, independentemente do resultado da eleição. As opiniões expressas em “A Promised Land” – sobre os Estados Unidos, a corrida presidencial, Donald Trump, etc. – são mais vívidas do que qualquer coisa que o candidato democrata tenha dito em seu último ano de campanha.

Portanto, mesmo depois que Joe Biden se proclamou presidente eleito e foi declarado presidente eleito pela mídia, ele continua a caminhar na sombra de seu ex-chefe.

Isso é intencional. Obama quer que fique claro que Biden é um avatar para um terceiro mandato do ex-presidente. Agora ele pode completar o trabalho de “transformar fundamentalmente a América”, como disse dias antes da eleição de 2008. Esperava-se que Hillary Clinton pelo menos protegesse o que herdou de Obama. Mas a vitória de Trump, que fez campanha para desfazer as iniciativas de política interna e externa de Obama, deixou o presidente cessante com apenas duas opções: ver seu sucessor desmantelar seu legado ou detê-lo.

O golpe é prova de sua escolha. Altos funcionários dos EUA, pessoal operacional do Partido Democrata e personalidades da mídia que atacaram o círculo de Trump por quatro anos não estavam simplesmente defendendo os privilégios do “Deep State”. Eles são burocratas, auxiliares e cortesãos que não ousariam uma tentativa tão ousada a menos que fosse aprovada de cima.

O objetivo do golpe era evitar que Trump destruísse o legado de Obama até que pudesse encontrar uma abertura para seu retorno.

Em certo sentido, Obama nunca saiu. Ele foi o primeiro presidente em um século a permanecer em Washington após o final de seu mandato. Woodrow Wilson havia sofrido um derrame e não poderia deixar a capital com facilidade. Obama explicou que ele e a primeira-dama queriam que sua filha mais nova se formasse em sua escola particular antes de seguir em frente. Sua filha ingressou na Universidade de Michigan no outono passado, mas com o ciclo eleitoral de 2020 em andamento, o líder de fato do Partido Democrata não foi a lugar nenhum.

Nos círculos políticos, não era segredo que Obama havia endossado Kamala Harris. Ela é ambiciosa e atraente e, sem ideias ou opiniões próprias, não representa uma ameaça para ele. Ela era a herdeira ideal de Obama, mas os eleitores das primárias consideraram-na falsa e inadequada, então ela estava fora da disputa no início de dezembro. Ele encontraria uma maneira de recuperá-la, mas enquanto isso precisava de um cavalo para cavalgar nas primárias.

Seu ex-vice-presidente divagou incoerentemente, desistiu e terminou em quarto lugar na corrida de Iowa. Na primeira semana de março, no entanto, o establishment de Obama empurrou Amy Klobuchar, Pete Buttigieg e Elizabeth Warren de lado para consolidar suporte para Biden. Na era do coronavírus, um político que estava obviamente desorientado refletia o estado do país.

Um lockdown voluntário era o modelo perfeito para os americanos forçados a ficar em casa, e Obama garantiu que isso acontecesse.

Em abril, ele disse aos prefeitos democratas em uma teleconferência que não reabrissem suas cidades até que o teste e o monitoramento do coronavírus estivessem disponíveis em todo o país. O fechamento da atividade econômica nas principais cidades dos Estados Unidos colocaria limites em qualquer recuperação econômica e, portanto, prejudicaria as chances de reeleição de Trump. A COVID-19 também se tornou a plataforma para a campanha massiva de voto por correio, que Obama promoveu no mesmo mês em uma sucessão de postagens no Twitter que também alertaram os eleitores democratas de que a mão que estava conduzindo a campanha de Biden era a dele.

Quando os detalhes do golpe começaram a vazar pelo blecaute da mídia, Obama jogou na defesa. Em maio, ele vazou parte de um telefonema com autoridades democratas expressando consternação pelo fato de o Departamento de Justiça ter retirado as acusações contra o primeiro conselheiro de segurança nacional de Trump, Michael Flynn. Ele disse que Flynn deveria ser acusado de perjúrio, recomendação que logo foi escolhida pelo juiz no caso Flynn, que nomeou um ex-promotor para apresentar um argumento para acusar o general três estrelas aposentado de perjúrio.

Durante a primavera e o verão, os registros mostrando evidências do papel direto de Obama na operação contra Trump foram desclassificados. Isso mostrou que, em janeiro de 2017, ele contratou James Comey para continuar a investigação do FBI sobre Flynn. Eles documentaram que John Brennan disse a ele em julho de 2016 que Clinton deu luz verde para uma operação para denegrir Trump como um agente russo. Meses depois, Obama ordenou que Brennan produzisse uma avaliação da comunidade de inteligência que reproduzisse a campanha de difamação de Clinton, na qual ele deslegitimou não apenas a presidência de Trump, mas também uma eleição.

O “Russiagate” levou à investigação do conselho especial, que se tornou um impeachment, que foi substituído pelo uso do coronavírus como arma pelos democratas e o subsequente nivelamento e saque de cidades nos Estados Unidos.

Independentemente de Obama consolidar ou não seu legado, é fato que ele já conquistou um lugar único na história dos Estados Unidos: é o primeiro presidente a interferir na transferência pacífica do poder, há quatro anos, e é em seu nome que um golpe de Estado em curso empurrou uma nação à beira do abismo para refazê-la à sua imagem e semelhança.

Lee Smith é o autor do livro publicado “The Permanent Coup: How Enemies Foreign and Domestic Targeted the American President” (O Golpe Permanente: Como Inimigos Estrangeiros e Domésticos almejaram o Presidente Americano).

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
 
 

Ex-oficial da CIA alega que irregularidades eleitorais podem fazer parte de um grande plano

Ex-oficial da CIA alega que irregularidades eleitorais podem fazer parte de um grande plano
Gary Berntsen, ex-oficial de carreira da Agência Central de Inteligência (CIA) que trabalhou em várias missões de contraterrorismo, ...
Leia Mais >
 

Por que a China teme Trump?

Por que a China teme Trump?
Por NTD Notícias As observações de uma professora chinesa estão causando controvérsia, ela afirma que a pandemia trouxe ...
Leia Mais >
 

Pequim anuncia novo salário mínimo que não é suficiente para cobrir custo de vida

Pequim anuncia novo salário mínimo que não é suficiente para cobrir custo de vida
A cidade de Pequim anunciou recentemente um novo salário mínimo, mas o valor não é suficiente para cobrir ...
Leia Mais >
 

Trump: “Meu discurso mais importante”

Trump: “Meu discurso mais importante”
Por NTD Notícias O presidente Trump discursou durante quase uma no que chamou de “o discurso mais importante ...
Leia Mais >