Mulher assistiu médicos salvarem sua vida de fora de seu corpo – depois de prever que ela morreria ao dar à luz

Por Epoch Inspired Staff

Stephanie Arnold já era mãe de duas meninas, mas quando engravidou do terceiro filho, teve um mau pressentimento.

Não era nervosismo de gravidez; não era medo do desconhecido — era uma premonição.

“Eu sabia 100 por cento que ia morrer ao dar à luz meu filho”, disse Arnold ao Today. Ela contou a todos – seus amigos, sua família, seus médicos. Ela fez postagens públicas – cartas de despedida – nas redes sociais e sabia meses antes da data prevista para o parto que ia morrer na mesa de operação.

“Eu disse à todos que quisessem ouvir.”

De onde veio isso? Por que ela estava sendo mórbida?

Amigos e familiares estavam preocupados com ela, e os médicos não acreditaram muito nela, descartando suas preocupações apenas como nervosismo.

Mas não era só isso; Arnold sabia muito especificamente que ela ia morrer na mesa de operação, sofrer insuficiência renal e até precisar de uma histerectomia (remoção do útero). Era como se ela tivesse uma visão precisa, mas horrível, do que estava por vir.

Uma das últimas pessoas a quem ela contou foi seu anestesista durante sua última consulta médica antes do parto.

Epoch Times Photo
(Cortesia de Stephanie Arnold e @stepharnold37)

Parecia um telefonema inútil em que Arnold não recebeu ajuda; o anestesista a havia orientado sobre como seria a recuperação, e então Arnold perguntou o que aconteceria no caso muito específico em que as coisas se desenrolassem como sua visão.

“Ela disse que ficou surpresa com isso”, disse Arnold.

Mas mesmo que Arnold tenha desligado sentindo que o anestesista não ajudou, acabou sendo o desempate crucial.

O anestesista acabou sinalizando o arquivo de Arnold e incorporando sangue extra e um carrinho de emergência em sua sala de cirurgia.

Acabou fazendo toda a diferença.

Arnold acabou dando à luz um menino saudável antes da data prevista. Ela começou a sangrar e teve que ser levada às pressas para o hospital. Ela se despediu de sua filha de 18 meses em meio às lágrimas, sabendo que seria a última vez que a veria.

E então as coisas acabaram acontecendo exatamente como sua visão. Três segundos depois que seu filho nasceu, ela morreu.

Epoch Times Photo
(Cortesia de Stephanie Arnold e @stepharnold37)

Epoch Times Photo
(Cortesia de Stephanie Arnold e @stepharnold37)

Arnold ficou “morta” por 37 segundos e, durante esse tempo, ela viu a equipe médica que entrou em ação, viu qual enfermeira estava fazendo RCP, viu o que estava acontecendo com sua filha no corredor em outra sala, viu seu anestesista ao pé de sua cama, e ela viu sua médica de pé ao lado dela dizendo repetidamente: “Isso não pode estar acontecendo. Isso não pode estar acontecendo.”

O sangue de Arnold não estava coagulando, ela teve um ataque cardíaco, seus rins estavam falhando e ela teve que fazer uma histerectomia exatamente como ela tinha visto em sua premonição. O corpo humano geralmente tem 20 unidades de sangue – ela recebeu 60 unidades.

Se o sangue extra e o carrinho de choque não estivessem à mão, Arnold não teria ressuscitado.

Acontece que ela teve uma embolia de líquido amniótico – onde o líquido amniótico entra na corrente sanguínea da mãe, uma ocorrência rara de 1 em 40.000, e Arnold era alérgica ao líquido, causando uma reação horrível.

Quando Arnold saiu do coma induzido, ela ficou traumatizada. Tudo o que ela temia que acontecesse aconteceu, e ela acabou procurando terapia para ajudar a superar isso.

‘Acordei… e chorei, chorei e chorei.’

Mas nessas sessões de terapia de regressão, Arnold descobriu que sabia muitas coisas que não deveria saber.

Mais tarde, quando ela perguntou ao médico se ela havia dito “Isso não pode estar acontecendo”, o médico ficou chocado. Ela disse a Arnold que sim, mas apenas em sua cabeça.

Arnold sabia o que seu marido estava vestindo, embora estivesse saindo de um avião e não estivesse perto dela; ela sabia o que sua filha estava fazendo no corredor; o que os médicos e enfermeiras estavam fazendo durante os 37 segundos em que ela estava tecnicamente morta. Não havia como ela estar consciente ou ciente de nada disso.

Epoch Times Photo
(Cortesia de Stephanie Arnold e @stepharnold37)

Ela teve uma experiência fora do corpo.

“Não tenho explicação para isso tudo”, disse um de seus médicos.

‘Não posso lhe dar uma explicação médica para tudo isso. Você precisa ir para o lado espiritual.’

O que realmente selou a crença de Arnold de que ela teve uma experiência espiritual de quase morte e fora do corpo foi um garotinho que ela viu durante esses segundos.

Havia um garotinho que se parecia muito com seu namorado de infância, e ela supôs que poderia ter sido seu irmão que havia falecido quando criança. Exceto que ela nunca conheceu esse garoto.

Durante esse tempo, o menino disse a Arnold: “Diga à minha irmã que sinto falta do jeito que ela enrolava meu cabelo”.

Não fazia sentido para ela, mas durante a recuperação de Arnold, ela ligou para a amiga para perguntar se isso significava alguma coisa para ela.

Quando ela o fez, sua amiga largou o telefone e começou a chorar.

Ela disse a Arnold: “Eu costumava fazer isso todas as noites para colocá-lo para dormir”.

Quando criança, Arnold era intuitiva a ponto de praticamente ter premonições, mas isso foi embora à medida que ela ficou mais velha. Mas os meses que antecederam sua terceira gravidez aumentaram sua sensibilidade.

Ela também fez sua pesquisa minuciosamente depois. Ela classificou muitas experiências de quase morte e leu o que outros especialistas tinham a dizer a favor ou contra essas teorias enquanto se decidia.

Epoch Times Photo
(Cortesia de Stephanie Arnold e @stepharnold37)

Seus próprios médicos haviam lhe dito que, normalmente, alguém em sua situação não teria sobrevivido, ou se sobrevivesse, havia uma grande chance de danos neurológicos duradouros, e nada disso aconteceu com Arnold.

Em seguida, ela compilou sua pesquisa e sua entrevista com seus médicos e escreveu um livro, intitulado “37 Seconds”, para contar sua história.

Arnold sabia que o que ela viu tinha que ser verdade.

Ela passou por uma experiência traumática e os meses que antecederam foram aterrorizantes, mas ela saiu do outro lado se sentindo abençoada.

“Não passa um dia que eu não me sinta abençoada. Não passa um dia que eu não aprecie a vida”, disse ela.

Saiba mais sobre Stephanie Arnold em seu site stephaniearnold.net, ou confira seu livro “37 Seconds” na Amazon.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha
Um ex-membro de uma gangue criminosa japonesa disse que testemunhou o comércio de órgãos na China, tendo visto ...
Leia Mais >
 

EUA e Japão anunciam manobras militares conjuntas; Polêmica com restaurantes de Taiwan

EUA e Japão anunciam manobras militares conjuntas; Polêmica com restaurantes de Taiwan
Pequim divulgou um importante documento sobre sua perspectiva quanto a Taiwan, o primeiro do tipo em duas décadas. ...
Leia Mais >
 

EXCLUSIVO: CDC admite que forneceu informações falsas sobre a fiscalização das vacinas de COVID-19

EXCLUSIVO: CDC admite que forneceu informações falsas sobre a fiscalização das vacinas de COVID-19
O Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA está admitindo que forneceu informações falsas sobre ...
Leia Mais >
 

Parlamento de ex-república soviética declara Rússia “Estado terrorista”

Parlamento de ex-república soviética declara Rússia “Estado terrorista”
O Parlamento da Letônia adotou nesta quinta-feira uma declaração que classifica a Rússia como patrocinadora estatal do terrorismo ...
Leia Mais >