Moeda digital da China representa riscos à segurança que o Ocidente não pode ignorar

Por Fan Yu

O regime de Pequim concluiu recentemente o teste do yuan digital de uma maneira aparentemente inócua. Na cidade de Shenzhen, ao sul, o Partido Comunista Chinês (PCC) distribuiu 10 milhões de yuans digitais para 50.000 residentes na forma de “envelopes vermelhos” virtuais, uma referência caprichosa a presentes em dinheiro recebidos no Ano Novo Lunar.

O fato do “Pagamento Eletrônico de Moeda Digital”, ou DCEP, ser a versão chinesa da moeda digital emitida pelo banco central, é algo simplesmente algo lunático.

Em um sistema tradicional de pagamentos eletrônicos, as transações podem ocorrer apenas entre duas contas bancárias, ou duas contas em uma plataforma de pagamento que estão vinculadas a contas bancárias. Com o DCEP, as transações ocorrem entre duas carteiras DCEP e nenhuma das carteiras precisa estar vinculada a um banco ou empresa de pagamentos.

O DCEP parece servir a dois propósitos principais: um é aumentar o alcance internacional do yuan e se tornar uma moeda líder global, substituindo potencialmente o dólar, enquanto o outro é permitir que Pequim extraia dados financeiros de pessoas que fazem transações com a moeda.

Com relação ao primeiro objetivo, os esforços da China para expandir a adoção global do yuan não tiveram sucesso. Em setembro, a participação do yuan como moeda de pagamento internacional ficou abaixo de dois por cento, de acordo com dados da SWIFT (Society for Worldwide Interbank Financial Telecommunication). Esse número quase não mudou em relação ao ano anterior, sinalizando que a “participação de mercado” internacional do yuan estagnou.

É improvável que uma tecnologia inovadora que sustente a moeda yuan aumente sua popularidade. Os países não usaram o yuan não porque fosse tecnicamente inferior a qualquer outra moeda em circulação; eles preferem negociar em moedas que sejam líquidas, livremente conversíveis e apoiadas por uma economia estável. Quaisquer que sejam as deficiências que o yuan tenha, o DCEP não as altera.

E a conveniência digital?

Um equívoco comum é que o DCEP é uma criptomoeda, mas é centralizado e não funciona em blockchain. Tem pouca semelhança com criptomoedas populares como o Bitcoin. É uma forma digital de pagamento. Mas o mundo já possui plataformas de pagamento digital como PayPal e Venmo. Já existem soluções de pagamento móvel em yuans altamente sofisticadas, como o Alipay e o WeChat.

Da perspectiva do usuário final, não parece haver uma vantagem em usar o DCEP, o que traz à mente uma questão central – que problema o DCEP está tentando resolver?

O DCEP acabou por ser a resposta a uma pergunta que ninguém fez, pelo menos ninguém fora de Zhongnanhai.

Chega-se rapidamente à conclusão de que o problema era falta de controle. Soluções de pagamento legadas – papel ou digital – não dão ao PCC o nível de controle e dados que ele deseja. A oferta monetária M0, que representa a quantidade de dinheiro físico em circulação, não pode ser rastreada e é candidata a ser substituída pelo DCEP. Até mesmo o Alipay e o WeChat – que podem ser rastreados por Pequim – são, antes de mais nada, controlados por empresas de negócios, não pelo PCC.

As supostas metas da China de internacionalização do yuan e conveniência digital parecem ser uma pista falsa. Ou, na melhor das hipóteses, são secundárias. O controle de dados – primeiro dos consumidores chineses, depois dos internacionais – parece ser o objetivo principal.

O DCEP poderia “criar oportunidades sem precedentes para vigilância”, de acordo com um estudo recente publicado pelo International Cyber ​​Policy Center do Australian Strategic Policy Institute (ASPI).

O relatório ASPI reconhece que o DCEP da China não é um obstáculo para se tornar uma plataforma de pagamentos global dominante. Mas os governos ocidentais não podem simplesmente ignorar a ameaça.

“O impacto inicial de um projeto DC / EP bem-sucedido será principalmente doméstico, mas pouca atenção foi dada ao longo prazo e às implicações globais”, afirma o relatório. “DC / EP poderia ser exportado para o exterior por meio de carteiras digitais de turistas, estudantes e empresários chineses. Com o tempo, não é exagero especular que o Partido-Estado chinês irá incentivar ou mesmo exigir que os estrangeiros também usem DC / EP para certas categorias de transações RMB transfronteiriças como uma condição de acesso ao mercado chinês”.

Isso deve fazer os líderes ocidentais hesitarem. Pense na atual preocupação com a gigante chinesa das telecomunicações Huawei, no hemisfério ocidental. O debate sobre a Huawei é amplamente impulsionado pelos riscos de segurança – que a Huawei concederia ao PCC uma grande quantidade de dados estrangeiros.

Na verdade, a Huawei anunciou em uma postagem recente do WeChat que o novo Huawei Mate 40 é o primeiro smartphone que permite uma carteira de hardware para o DCEP da China.

Portanto, o DCEP da China é uma forma audaciosa de coleta de dados. Cada xícara de café, transação bancária ou pagamento ponto a ponto é registrado sem permissão e pode ser aproveitado pelo PCC. E da perspectiva da China, isso é uma característica, não um bug.

“Um DC / EP bem-sucedido poderia expandir muito a capacidade do Partido-Estado de monitorar e moldar o comportamento econômico muito além das fronteiras da República Popular da China”, conclui o relatório ASPI.

Os bancos centrais ocidentais devem despertar para os riscos de segurança e dados da nova moeda digital do banco central da China. Uma solução global de moeda e pagamentos, uma vez amplamente adotada, será difícil de reverter.

É uma caixa de Pandora que os bancos centrais internacionais não podem abrir inadvertidamente.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
 
 

Diplomatas dos EUA na Colômbia sofrem da ‘síndrome de Havana’, segundo o WSJ

Diplomatas dos EUA na Colômbia sofrem da ‘síndrome de Havana’, segundo o WSJ
A embaixada dos Estados Unidos na Colômbia está investigando vários casos da chamada " síndrome de Havana " ...
Leia Mais >
 

Taiwan: não nos curvaremos à China

Taiwan: não nos curvaremos à China
Mais de uma dúzia de pessoas estão mortas na China. Severas enchentes no país causaram o transbordamento de ...
Leia Mais >
 

Huawei: entenda preocupações acerca da empresa

Huawei: entenda preocupações acerca da empresa
Durante a 1ª Guerra Mundial, a Grã-Bretanha fez do seu conhecimento de uma tecnologia chave uma arma formidável ...
Leia Mais >
 

Quem realmente foi Che Guevara?

Quem realmente foi Che Guevara?
Um ex-chefe da inteligência venezuelana foi preso na Espanha. À ocasião, uma jornalista espanhola acusou laços de partidos ...
Leia Mais >