Milhares de argentinos protestam contra o aumento da inflação no país

Por Alicia Marquez 

Milhares de argentinos em Buenos Aires protestaram na quarta-feira contra o aumento da inflação, após um aumento de 6,7% em março, o valor mais alto dos últimos 20 anos.

O Índice de Preços ao Consumidor teve um aumento homólogo de 55,1 por cento em março, o que representou 2,8 pontos percentuais a mais que em fevereiro, segundo o que foi publicado pelo Instituto Nacional de Estatística e Censos (INDEC) em 13 de abril.

Segundo o relatório, educação (23,6%) e vestuário e calçados (10,9%) foram as categorias com maior alta em março. Foram seguidas por habitação, água e eletricidade (7,7%) e alimentação e bebidas não alcoólicas (7,2%).

Durante o protesto, os manifestantes exigiram aumentos salariais e de empregos, de acordo com informações da Associated Press.

“Vou ao mercado e só levo iogurte e cereais, não posso levar macarrão nem arroz. Já não tenho o suficiente para carne”, disse Mallumi Carrazco, mãe solteira de três filhos que participou do protesto.

Carrazco disse à agência que recebe 18.000 pesos argentinos (cerca de 750 reais) do “Alimentar”, um programa social para ajudar no acesso à cesta básica, mas isso não é suficiente para o mês inteiro.

No entanto, o salário mínimo para uma família de quatro pessoas é de 33.000 pesos (cerca de 1550 reais).

Mónica Sulle, líder social, disse que os números da inflação são “aterrorizantes”, porque há mais de três milhões que não poderão manter suas casas, já que seu salário não aumentou.

Essa foto de arquivo de 13 de janeiro de 2022 mostra uma loja com os preços dos produtos à vista, em Buenos Aires, na Argentina (EFE/ Enrique García Medina)
Essa foto de arquivo de 13 de janeiro de 2022 mostra uma loja com os preços dos produtos à vista, em Buenos Aires, na Argentina (EFE/ Enrique García Medina)

Com este último número de março, a Argentina continua na lista mundial dos países com maior inflação. Com base em sua taxa mensal, a Argentina ocupa o segundo lugar, depois da Rússia. A Espanha está em quinto lugar, o Chile em oitavo e o Brasil em décimo.

Nas últimas semanas, o governo de Alberto Fernández tomou medidas contra o aumento dos preços, aumentando os subsídios alimentares para pessoas vulneráveis, reduzindo os preços dos supermercados e iniciando negociações para acordos salariais entre os sindicatos.

Algumas medidas que se somam às já acordadas no programa com o FMI são: redução do déficit fiscal, restrição da emissão monetária e fortalecimento das reservas do Banco Central (BCRA), ações que contribuiriam para conter a inflação na “frente” macroeconômica.

Por sua vez, o Banco Central da Argentina (BCRA) elevou a taxa de juros da política monetária depois de conhecer os últimos dados da inflação de março passado, de acordo com um comunicado da instituição.

O BCRA decidiu aumentar a taxa de juros nominal anual das Letras de Liquidez de 28 dias (Leliq) em 250 pontos base, passando de 44,5% para 47%, o que representa uma Taxa Anual Efetiva de 58,7%.

A instituição disse que a aceleração da inflação em março foi em maior medida “o resultado de um choque internacional que afetou especialmente os preços dos alimentos e da energia, causado pela guerra na Ucrânia”. Além da “concentração de aumentos de preços de bens e serviços regulados”.

Com informações da EFE. 

Siga Alicia Marquez no Twitter: @AliceMqzM

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha
Um ex-membro de uma gangue criminosa japonesa disse que testemunhou o comércio de órgãos na China, tendo visto ...
Leia Mais >
 

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA
O presidente Jair Bolsonaro discursou a uma multidão em Santa Catarina no sábado. Ele falou em “luta do ...
Leia Mais >
 

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL
Um impasse para o Brasil? Ocorreu a cúpula do BRICS. China e Rússia falam em uma expansão do ...
Leia Mais >
 

ABORTO DEIXA DE SER DIREITO CONSTITUCIONAL NOS EUA; VEXAME DE BIDEN

ABORTO DEIXA DE SER DIREITO CONSTITUCIONAL NOS EUA; VEXAME DE BIDEN
O aborto agora não é mais um direito protegido pela constituição nos EUA. Isso depois que a Suprema ...
Leia Mais >