Mentiras e manobras calculadas da China comunista

Por Austin Bay

A China sabe como obter favores invisíveis de figuras políticas internacionais, burocratas e líderes de opinião; então, quando surgir um problema que ameace os interesses do Partido Comunista Chinês, ela usa uma influência encoberta para abafar as críticas ou atrasar uma resposta.

O exemplo mais pernicioso da influência encoberta chinesa em ação é a falha da Organização Mundial da Saúde em janeiro e fevereiro de 2020 em exigir que Pequim fornecesse uma contabilidade completa e precisa da epidemia do vírus COVID-19 / Wuhan na China, incluindo sua origem. Em vez disso, a OMS lançou panacéias médicas e aceitou as evasivas (mentiras) da China.

A China acariciou os funcionários da OMS e criou simpatizantes ao financiar “viagens de pesquisa” A tática é chamada de “captura de elite”. Pequim desenvolveu um relacionamento próximo com o Diretor-Geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, e apoiou sua indicação, embora ele não seja médico. No final de janeiro de 2020, Tedros ainda elogiava “o compromisso da China com a transparência”.

A captura da OMS pela elite da China deu ao PCC tempo para desviar a culpa e cruelmente deixar a doença se espalhar globalmente para que a China não sofresse suas consequências sozinha.

Washington, DC é agora o cenário de uma operação de influência chinesa aberta que complementa as operações secretas do PCC. Sua franqueza nos dá a oportunidade de fazer duas coisas: primeiro, parar a operação aberta e penalizar a China, depois demonstrar o amplo alcance e integração das operações de “influência” do PCC.

Câmeras Hikvision em um shopping eletrônico em Pequim em 24 de maio de 2019 (Fred Dufour / AFP via Getty Images)

Fazer lobby em Washington, DC é como jogar em Las Vegas: um grande negócio que gera muito dinheiro para figurões, geralmente às custas de pequenos jogadores (Vegas) ou dos contribuintes americanos (DC).

A Hikvision está pagando muito dinheiro abertamente para nomes poderosos e conectados porque o governo dos EUA está reprimindo duramente suas operações altamente suspeitas, por vários motivos.

Um é humanitário: Hikvision enfrenta acusações de ajudar a campanha genocida do PCC visando a minoria étnica uigur na província de Xinjiang, no oeste da China.

Impedir a penetração da inteligência chinesa é outro motivo. No início de junho, o governo Biden confirmou e ampliou uma ordem do governo Trump proibindo o investimento americano em empresas chinesas que apoiem ​​o setor de defesa chinês. Essa proibição afeta a Hikvision, que fabrica tecnologia de vigilância, e empresas como a Huawei Technologies, que fabrica equipamentos de comunicação e vigilância.

Durante anos, as agências de segurança dos EUA advertiram que a inteligência chinesa pode usar tecnologia digital fabricada na China para espionar em todo o mundo. O governo Trump acusou abertamente os funcionários corporativos da Huawei de atividades de espionagem e tentou remover a tecnologia da Huawei das redes de comunicação.

Embora banido dos contratos federais em 2018, o artigo do Washington Post citou uma fonte que estima que “centenas de milhares” de dispositivos Hikvision continuam operando em redes de câmeras nos Estados Unidos.

Câmeras de reconhecimento facial Hikvision monitoram uigures oprimidos em Xinjiang. A cidade de Nova Iorque tem cerca de 20.000 câmeras Hikvision. Pequim monitoraria os turistas no Central Park? Talvez não, mas talvez os ativistas uigures, os cidadãos chineses que o PCC considera desleais e os estudantes chineses em Nova Iorque sejam de seu interesse.

O artigo 7 da Lei de Inteligência Nacional da China de 2017 afirma que as organizações e os cidadãos “devem apoiar, ajudar e cooperar com o trabalho de inteligência do estado de acordo com a lei”.

Por lei, Huawei e Hikvision são parte do aparato de espionagem e influência do PCC.

Espere que o esforço de lobby da Hikvision inclua uma campanha de relações públicas, bem como campanhas de arrecadação de fundos para legisladores (suborno legal?). As “fazendas de conteúdo” digitais chinesas podem espalhar informações favoráveis ​​ao Hikvision que, como um vírus, se espalham pela mídia mais convencional. Os think tanks da Beltway oferecerão análises atenuantes; professores universitários de elite falarão em nome de Hikvision.

O afago do ego, as viagens de pesquisa e o dinheiro moldaram as análises e as opiniões? O público americano merece divulgação completa.

Austin Bay é coronel (aposentado) da US Army Reserve, autor, colunista sindicalizado e professor de estratégia e teoria estratégica na University of Texas – Austin. Seu livro mais recente é “Cocktails from Hell: Five Wars Shaping the 21st Century”.

As visões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também:

 

 
 
 

COVID-19, uma pandemia do medo ‘fabricada’ pelas autoridades, afirma epidemiologista de Yale

COVID-19, uma pandemia do medo ‘fabricada’ pelas autoridades, afirma epidemiologista de Yale
A pandemia da COVID-19 tem sido uma pandemia do medo, fabricada por indivíduos em cargos nominais de autoridade ...
Leia Mais >
 

RISCO: 52% dos americanos vê China como principal ameaça

RISCO: 52% dos americanos vê China como principal ameaça
Os americanos parecem estar, drasticamente, mudando de ideia sobre o Regime comunista chinês. Pela primeira vez, metade dos americanos ...
Leia Mais >
 

EUA: Comunismo na educação

EUA: Comunismo na educação
Maduro vira desenho animado. A União Soviética e a China promoveram o culto à personalidade de tiranos como ...
Leia Mais >
 

EUA: Compromisso “inabalável” com defesa de Taiwan

EUA: Compromisso “inabalável” com defesa de Taiwan
Os EUA reiteraram seu compromisso “inabalável” com a defesa de Taiwan, e o ex-primeiro-ministro japonês disse que o ...
Leia Mais >