Carrie Lam decepciona ao afirmar que lei de extradição está “morta”, mas se recusa a retirá-la

Por Frank Fang e Iris Tao

A líder de Hong Kong, Carrie Lam, continuou a manifestar sentimentos negativos em relação ao seu governo após uma coletiva de imprensa na manhã de 9 de julho, durante a qual ela disse que o controverso projeto de lei de extradição do governo está “morto”.

Em resposta aos comentários de Lam, a Frente Civil de Direitos Humanos (CHRF), que organizou as três marchas no mês passado com a presença de milhões de Hongkongers, disse que o grupo continuará a realizar protestos e assembleias enquanto a líder de Hong Kong continuar a ignorar as demandas da população, incluindo a retirada total da lei de extradição do conselho de maioria pró-Pequim.

Antes da declaração de Lam em inglês descrevendo o status do projeto, ela falou em cantonês, usando palavras ligeiramente diferentes para descrever o projeto de lei. Ela disse que o projeto agora é “shou zhong zheng qin”, no idioma chinês significa que algo chegou a uma morte natural.

Quando lhe pediram para elaborar seu significado, Lam prosseguiu repetindo um ponto antes que seu governo não tinha planos de debater o projeto de lei suspenso durante a atual sessão legislativa, antes dele expirar automaticamente em julho de 2020.

Mas em seus comentários, Lam foi um pouco mais longe para confirmar as implicações por trás de suas palavras cuidadosamente escolhidas, dizendo que ela não usou a palavra “retirar” porque membros do Conselho Legislativo (LegCo) ainda poderiam trazer de volta o projeto três meses depois.

O projeto de extradição permitiria que qualquer país, incluindo a China continental, procurasse a extradição de suspeitos. A proposta atraiu oposição generalizada, com muitos moradores de Hong Kong preocupados que se o projeto fosse aprovado, o Partido Comunista Chinês poderia pressionar o governo da cidade a entregar cidadãos de qualquer nacionalidade para serem julgados no sistema de tribunais opaco do regime, que muitas vezes desconsidera a lei e o Estado de Direito.

“Ela ainda se recusa a dizer a palavra ‘retirar'”, disse o CHRF à mídia local após as declarações de Lam. “O projeto de lei de extradição sendo colocado no Conselho Legislativo é um procedimento legal muito formal.

“No entanto, ela apenas disse que o projeto está ‘morto’. Não podemos encontrar a palavra ‘morto’ em nenhuma das leis de Hong Kong ou em qualquer processo legal no Conselho Legislativo.”

A CHRF acrescentou que irá anunciar em breve os detalhes de seus próximos protestos.

5 demandas

Por mais de um mês, a CHRF pediu repetidas vezes ao governo da cidade que cumprisse suas cinco exigências, que incluem a retirada completa do projeto, a renúncia de Lam, uma investigação independente sobre o uso da força pela polícia para dispersar os manifestantes em 12 de junho, a retração do governo de sua caracterização dos protestos de 12 de junho como “tumultos” e a libertação daqueles que foram presos, bem como a retirada das acusações contra eles.

Em 12 de junho, a polícia usou spray de pimenta, gás lacrimogêneo e balas de borracha em uma tentativa de remover manifestantes das ruas depois que alguns tentaram quebrar as linhas policiais fora da LegCo.

Lam disse durante a conferência de imprensa que não era aceitável não continuar com as investigações e processos de “infratores” dos recentes protestos. Ela reiterou que o órgão civil de Hong Kong deve investigar má conduta policial, o Conselho Independente de Reclamações Policiais (IPCC), estava investigando os incidentes de 9 de junho a 2 de julho.

Os manifestantes despejam água em uma bomba de gás lacrimogêneo durante um protesto em Hong Kong em 12 de junho de 2019 (Anthony Kwan / Getty Images)

O IPCC anunciou, em 2 de julho, que estaria compilando um estudo detalhado dos protestos contra a lei de extradição. 9 de junho foi a data da primeira marcha da CHRF que atraiu 1,03 milhão de pessoas.

Mas a CHRF disse que sua demanda por um inquérito independente sobre a ação policial permanece, acrescentando que tal inquérito teria poderes adequados, incluindo o poder de convocar testemunhas.

De acordo com o jornal diário de Hong Kong, o Apple Daily, houve pelo menos 67 detenções de manifestantes entre 12 de junho e 8 de julho.

O CHRF também afirmou que é “totalmente impraticável” que Lam agora queira ter um diálogo aberto com os representantes dos estudantes, uma vez que muitos jovens manifestantes já foram presos.

O presidente do Partido Democrata de Hong Kong, Wu Chi-wai, também realizou uma coletiva de imprensa após os comentários de Lam, dizendo que estava “muito desapontado” ao saber o que Lam tinha a dizer.

Enquanto apontava como Lam novamente falhou em atender às demandas dos manifestantes, Wu disse que evitou uma questão central: como reconstruir a confiança entre seu governo e os Hongkongers.

O partido pró-democracia de Hong Kong, Demosisto, emitiu uma declaração após a conferência de imprensa de Lam. Segundo a mídia de Hong Kong HK01, Demosisto disse que Lam deveria apenas dizer a palavra “retirar” para mostrar às pessoas que ela não está brincando com as palavras e que não há chance de o projeto ser revivido.

Além disso, convocou o governo da cidade a realizar duas eleições abertas para que as pessoas possam eleger diretamente os membros da LegCo e a posição do executivo-chefe – a posição agora detida por Lam.

Joshua Wong, a figura icônica do Umbrella Movement 2014, é o secretário geral do Demosisto.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

 
 
 

Câmara dos EUA aprova projeto de lei para apoiar manifestantes de Hong Kong

Câmara dos EUA aprova projeto de lei para apoiar manifestantes de Hong Kong
Por Eva Fu A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovou por unanimidade, em 15 de outubro, uma ...
Leia Mais >
 

Bolsonaro não vê justa causa para sair do PSL, diz porta-voz

Bolsonaro não vê justa causa para sair do PSL, diz porta-voz
Por Pedro Rafael Vilela, Agência Brasil O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, afirmou nesta segunda-feira (15) ...
Leia Mais >
 

Peste suína na China aumenta exportações de carne de porco no Brasil

Peste suína na China aumenta exportações de carne de porco no Brasil
Por Fernando Lopes, Epoch Times As exportações da carne suína para o país Chinês seguem aumentando. O ritmo ...
Leia Mais >
 

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong
Os Estados Unidos e as autoridades europeias manifestaram alarme ao saber das detenções de vários ativistas pró-democracia de ...
Leia Mais >