Mãe fala sobre ‘destransição’ da filha, influenciada a acreditar que era homem e se arrependeu

Por Nina Nguyen 

Uma semana antes de Emma* completar 18 anos, ela contou à família que era um menino.

“Estávamos realmente céticos”, disse sua mãe, Judith Hunter, “ela não tinha histórico de disforia de gênero e estava no final de três anos de saúde mental muito ruim”.

Apesar da objeção da família, Emma visitou uma clínica de gênero em New South Wales, na Austrália, expressando seu desejo de se transformar fisicamente em homem. Os médicos rapidamente aceitaram sua afirmação e com a assinatura de um formulário de consentimento informado e uma consulta de uma hora, Emma recebeu testosterona.

Quando Hunter correu para o hospital pedindo para ver sua filha, os médicos disseram que ela tinha um filho.

“Eu disse, isso é ridículo”, disse Hunter. “[Então] fui chamada de mãe odiosa, preconceituosa, transfóbica. Disseram-me que eu tinha um filho vivo e uma filha morta”.

“Por que a profissão médica iria querer destruir famílias e pais que estão apenas tentando ajudar seus filhos?”

“É simplesmente perverso”, ela acrescentou. “É tudo baseado em gostos e sentimentos pessoais. Nossos gostos e sentimentos não mudam ao longo de nossa vida?”

Uma nova identidade de gênero

Só levou alguns meses para que Hunter mal pudesse reconhecer sua filha. Emma raspou o cabelo, vestiu roupas masculinas e começou a usar seu pronome masculino. Ela se afastou da família.

“Todos os dias, ela nos abusava verbalmente, nos dizendo que éramos pessoas nojentas, como éramos transfóbicos, preconceituosos e odiosos”, disse Hunter frustrada ao lembrar como seu filho de 14 anos se enrolava no chão, implorando a sua irmã para parar seu comportamento fora de controle.

“Nós estávamos basicamente vivendo em uma zona de guerra.”

No final, a família estava à beira do colapso. Finalmente, eles não tiveram escolha a não ser tirar Emma de casa. Ela abandonou o ensino médio no 11º ano e passou três anos morando fora de casa, desempregada e contando apenas com benefícios do governo.

Então, em 2021, Emma disse à família que nunca mais queria falar com eles antes de interromper o contato.

“Durante quase três anos, nossa família foi absolutamente dizimada”, disse Hunter ao Epoch Times. “Éramos simplesmente uma família desfeita”.

“Nós vivemos um inferno porque os profissionais médicos colocaram nossa filha contra nós.”

No entanto, foi só quando Hunter abriu o histórico de navegação de Emma que ela percebeu o que havia empurrado sua filha para o caminho irreversível da medicalização e que destruiu a família.

“Estava cheio de sites sobre transgêneros, vídeos de garotas tomando testosterona, cortando partes do corpo, parabenizando umas as outras, ‘você pode fazer isso, você vai se sentir melhor, esta é a solução para seus problemas de adolescentes’”, Hunter disse em exasperação.

“É como um manual online, o que fazer, o que dizer, como tratar seus pais. Então você diz aos médicos que se seus pais não concordarem com isso, você diz que você é suicida, você vai acabar no hospital onde será confirmada pela equipe do hospital que vai se voltar contra seus pais e ficar do seu lado.”

“E foi exatamente isso que aconteceu.”

Contágio Social

Emma pertence a uma coorte emergente de jovens com disforia de gênero de início rápido (ROGD), uma condição em que aqueles sem histórico de problemas de identidade de gênero acreditam que têm um gênero diferente durante a puberdade devido a influências sociais e mecanismos de enfrentamento fracos.

“É o que chamamos de epidemia psíquica. A pandemia da COVID é uma analogia exata, exceto que ocorre no reino físico”, disse Dianna Kenny, ex-professora de psicologia da Universidade de Sydney e agora psicóloga e psicoterapeuta consultora.

“As pessoas são seres sociais; eles tendem a copiar uns aos outros e se reunir”, disse ela ao Epoch Times. “As pessoas simplesmente se apegam aos influenciadores e acreditam na mensagem que estão propagando, mesmo que a mensagem seja falsa”.

Em 2018, a professora da Brown University, Lisa Littman, cunhou o termo “contágio social”. Segundo seu estudo inovador sobre ROGD, de 256 pais entrevistados que tiveram filhos transidentificados, mais de 86% relataram que seus filhos tiveram um aumento no uso de mídia social/internet, tiveram um ou vários amigos se identificando como trans durante o mesmo período, ou ambos. Nesse grupo, adolescentes do sexo feminino e portadores de transtornos mentais constituíam a maioria.

“O conteúdo online pode encorajar indivíduos vulneráveis ​​a acreditar que sintomas inespecíficos e sentimentos vagos devem ser interpretados como disforia de gênero decorrente de uma condição transgênero”, disse o jornal.

O que é notável, no entanto, é que a maioria dessas crianças (60,7%) teve uma popularidade crescente depois de se declarar transgênero, e 60% dos grupos de amigos eram conhecidos por zombar de pessoas que não eram LGBT.

Esse fenômeno, argumentou o autor, também é observado em pessoas que desenvolvem sintomas de anorexia ao tentar se adequar a certos padrões de imagem corporal, que são estabelecidos por suas panelinhas de amizade. Nessa dinâmica de grupo, os “melhores” anoréxicos – que são os mais magros e apresentam mais complicações médicas – são admirados, enquanto aqueles que querem se recuperar da anorexia são “malditos” e “ridicularizados”.

“Muitos jovens acham que [declarar-se trans] é uma solução porque de repente eles se sentem aceitos e especiais”, acrescentou Kenny.

“[Mas] não importa o quão alto você diga isso, ou o quanto você difame as pessoas que dizem o contrário, isso não muda o fato científico de que o sexo é dimórfico. Cada pedaço de cromossomo e DNA no corpo de alguém tem os cromossomos masculinos ou os cromossomos femininos. É assim que os corpos humanos são construídos, e todo o resto é ficção.”

“Ativistas trans estão tentando derrubar milhares de anos de ciência.”

Uma pessoa segura uma bandeira do orgulho transgênero em uma fotografia de arquivo, em Nova Iorque, em 28 de junho de 2019 (Angela Weiss/AFP/Getty Images)
Uma pessoa segura uma bandeira do orgulho transgênero em uma fotografia de arquivo, em Nova Iorque, em 28 de junho de 2019 (Angela Weiss/AFP/Getty Images)

Esse sentimento foi ecoado pelo psiquiatra Tanveer Ahmed, cuja experiência inclui ajudar pacientes com disforia de gênero. Ele disse ao Epoch Times que “muitos problemas psicológicos surgem quando priorizamos a subjetividade como algum tipo de verdade”.

“O movimento trans é um grande exemplo disso”, observou ele, explicando que normalizou a ideia de identidade de gênero, um conceito “relativamente novo” que enfatiza o senso subjetivo de si mesmo e enfraquece o sexo como socialmente construído.

Ele acrescentou que essas ideias foram baseadas nas “ideologias marxistas” que consideram o “mundo do tipo heterossexual masculino” como “o local do poder que suprime todos os outros grupos”, entre os quais os trans são os mais vulneráveis.

“É um movimento muito problemático.”

O caminho de volta

As coisas começaram a mudar para a família de Hunter em novembro de 2021, quando finalmente conseguiram entrar em contato com Emma pela primeira vez em um ano. Suas interações aumentaram com o tempo até o início de janeiro de 2022, quando Hunter recebeu uma ligação repentina de sua filha. Emma estava em uma ala de saúde mental. Hunter, novamente, correu para o hospital. Mas desta vez, elas não eram mais distantes.

Emma informou sua mãe que ela realmente se arrependeu de sua decisão de fazer a transição médica. Até então, ela havia parado de tomar hormônios do sexo cruzado por mais de um ano.

“Acho que ela começou a perceber que isso não a estava ajudando. Não estava melhorando nada para ela. Ela perdeu basicamente três anos de sua vida”, disse Hunter. “É um grande ajuste psicológico admitir para si mesmo que alguma decisão que você tomou na adolescência mudaria você para o resto da vida”.

Os 18 meses de testosterona afetaram o corpo de Emma. Ele aprofundou a voz feminina de Emma, ​​causou calvície e redistribuiu a gordura corporal. Também levou a pêlos faciais e aumentou o cabelo sobre o resto do corpo. Sua mãe também observa que a forma do seu corpo também mudou significativamente.

“Eu acredito que aumenta significativamente o clitóris das mulheres”, acrescentou Hunter.

“Se você tomar testosterona por tempo suficiente, isso atrofia seu útero, o que causa dor e secura no útero. E às vezes, isso significa que você precisa fazer uma histerectomia. Ou talvez você seja infértil.”

“Ela odeia o que foi feito com seu corpo, as mudanças que foram feitas”, observou Hunter ainda. “Mas elas não são reversíveis”.

A mãe acrescentou que não consegue entender como os médicos são capazes de tomar decisões tão rapidamente e para pessoas tão jovens.

“É simplesmente inacreditável”, ela exclamou. “É um escândalo médico se desdobrando”.

 Hormônios do sexo cruzado podem trazer danos irreversíveis ao corpo, foto de 29 de junho de 2015 (Hastywords/Pixabay)

Hormônios do sexo cruzado podem trazer danos irreversíveis ao corpo, foto de 29 de junho de 2015 (Hastywords/Pixabay)

Longo caminho para a recuperação

O número de pessoas querendo destransicionar vem crescendo nos últimos anos, com um grupo no Reddit para destransicionadores contando com 29.000 membros.

Segundo um estudo transversal exploratório em 2021 que entrevistou 237 participantes, a idade média dos destransicionadores é de 23 anos. A razão mais popular é o entendimento de que a disforia de gênero estava relacionada a outros problemas (70%), preocupações de saúde (62%) e o fato de que a transição não aliviou sua disforia (50%). Enquanto isso, a maioria deles (60%) admitiu lidar com o arrependimento pós-transição.

O psiquiatra Ahmed disse que é um dilema do “ovo ou a galinha”.

“Acho que está sendo formulado ou conceitualizado de forma imprecisa para muitas pessoas, onde ser trans está sendo visto como a solução e não o resultado real de um distúrbio psicológico mais amplo”, explicou Ahmed, revelando que entre 80 e 85 por cento das pessoas transidentificadas já não se identificam como tal depois de alguns anos.

“A realidade é que muitas dessas pessoas precisam trabalhar em seu senso de distúrbio de identidade. Então, os problemas em torno da integração de sua identidade de gênero são resolvidos, mas não o contrário.”

Para ajudar crianças transidentificadas, as pessoas devem encontrar “o meio-termo”, observou ele.

“Você não precisa ser afirmativo de gênero, mas pode ser muito solidário e empático e reconhecer a experiência deles.”

Hunter entende isso profundamente. Nos primeiros meses depois de voltar, Emma mal saiu da cama. Mas a família insistiu em tentar se comunicar. Eles a encorajaram a se reerguer e seguir com a vida. Ainda há altos e baixos, mas Hunter notou alguns sinais positivos. Recentemente, Emma esteve praticando sua direção. Durante a semana da entrevista, Emma ia tirar sua carteira de motorista.

“E isso, para mim, será uma coisa muito, muito positiva na direção de uma nova vida e positividade”, disse Hunter, sua voz ficando quente e suave. “Ela tem 21 anos agora e nunca tentou conseguir, mas ela mesma conseguiu. E então vamos torcer para que ela atinja esse objetivo esta semana”.

Atualmente, Emma ainda está se recuperando de sua experiência e está dando prioridade à sua saúde mental, disse sua mãe, e ela achou que ainda era muito cedo para revisitar sua experiência com o Epoch Times.

“Vai ser um caminho muito, muito longo para a recuperação”, observou Hunter.

Com as eleições federais se aproximando, Hunter se tornou um dos porta-vozes da campanha nacional e apartidária Respeite meu Sexo, que incentiva os australianos a pressionar seus políticos locais em questões como a inclusão de homens em esportes femininos, homens em espaços de mulheres do mesmo sexo, bem como a transição médica dos jovens.

A campanha é liderada por um grupo de mulheres talentosas, incluindo Karyn Lisignoli, ex-CEO da Girl Guides WA; Sall Grover, fundadora do Giggle, o aplicativo de rede social para mulheres; e Bronwyn Winter, professora emérita da Universidade de Sydney.

Enquanto isso, apesar das inúmeras provações pelas quais a família passou nesta jornada, Hunter sabe categoricamente que há uma coisa que não muda, o amor incondicional de uma mãe por seu filho.

“Você nunca deixa de amar seus filhos; você nunca deixa de querer estar lá para eles. Mas você não precisa concordar com tudo o que eles fazem, especialmente se você acha que é prejudicial”, disse ela.

“Mas eu nunca diria a ela, ‘eu avisei’. Só vou dizer: ‘estou aqui e ajudarei você, no que precisar.’”

*O Epoch Times mudou o nome de Emma para proteger sua privacidade

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Putin está aberto à adesão da Finlândia e da Suécia à OTAN

Putin está aberto à adesão da Finlândia e da Suécia à OTAN
Enquanto a Suécia e a Finlândia avançam com seus planos de ingressar na OTAN, o presidente russo, Vladimir ...
Leia Mais >
 

MÉDICO SOBREVIVENTE DE GENOCÍDIO COMUNISTA NO CAMBOJA EXPÕE ATROCIDADES – PARTE 2

MÉDICO SOBREVIVENTE DE GENOCÍDIO COMUNISTA NO CAMBOJA EXPÕE ATROCIDADES – PARTE 2
Na terça-feira você conheceu a história de Nal Oum, um sobrevivente do genocídio comunista no Camboja. Em 1975, ...
Leia Mais >
 

“NÓS SOMOS TODOS COMUNISTAS”: EMPREGADO DO TWITTER; ELON MUSK RESPONDE A VÍDEO VAZADO

“NÓS SOMOS TODOS COMUNISTAS”: EMPREGADO DO TWITTER; ELON MUSK RESPONDE A VÍDEO VAZADO
Vazam mais vídeos de funcionários do twitter afirmando um viés esquerdista na plataforma. Um funcionário fala da Síndrome ...
Leia Mais >
 

ENTREVISTA: MÉDICO SOBREVIVENTE DE GENOCÍDIO COMUNISTA DO KHMER VERMELHO

ENTREVISTA: MÉDICO SOBREVIVENTE DE GENOCÍDIO COMUNISTA DO KHMER VERMELHO
Em 1975, o Khmer Vermelho, uma das mais cruéis facções comunistas da história do planeta conquistou o Camboja, ...
Leia Mais >