Maduro utiliza COVID-19 para intensificar controle sobre a população, afirmou a Human Rights Watch

Por Alicia Marquez 

A Human Rights Watch (HRW) em um relatório divulgado na quinta-feira denunciou que o líder venezuelano Nicolás Maduro utiliza o estado de emergência decretado pela chegada da COVID-19 para intensificar seu controle sobre a população.

O relatório afirma que tanto o regime de Maduro quanto suas forças de segurança “são responsáveis ​​por execuções extrajudiciais, desaparecimentos forçados de curto prazo, prisão de opositores, julgamento de civis em tribunais militares, tortura de detidos e repreção de manifestantes”.

“Eles utilizaram o estado de emergência imposto em resposta à COVID-19 como pretexto para aumentar seu controle sobre a população”, afirma o relatório.

E acrescenta que “a falta de independência judicial contribuiu para a impunidade de seus crimes. As autoridades judiciais participaram ou foram cúmplices dos abusos”.

Isso ocorre enquanto a Venezuela vive uma emergência humanitária complexa e extensa, onde o país começou o ano superando 446.000 casos da COVID-19 e 5.345 mortes desde o início da pandemia, enquanto há milhões de venezuelanos que não têm acesso à saúde básica ou mesmo à nutrição adequada.

“O acesso limitado à água potável em residências e centros de saúde e um plano de vacinação prejudicado pela falta de transparência do governo certamente contribuíram para a disseminação da COVID-19”, afirma o relatório da HRW.

A entidade indica que o colapso do sistema de saúde tem contribuído para o aumento do reaparecimento de doenças infecciosas, de outras doenças que poderiam ser prevenidas com vacinas e aponta que “centenas de pessoas estão morrendo por obstáculos para realizar transplantes”.

Além disso, “a escassez de medicamentos e insumos, as interrupções nos serviços de água e eletricidade e a emigração de profissionais de saúde” reduziram a capacidade dos serviços de saúde no país.

O relatório aponta em torno da pandemia da COVID-19 que a vacinação contra a COVID-19 no país tem sido prejudicada pela corrupção e falta de transparência, além do fato do regime ter realizado o fornecimento de vacinas utilizando “o ‘Carnet de la Pátria’, documento exigido desde 2017 para acessar os benefícios públicos que o governo tem usado para exercer o controle social e político, especialmente em períodos eleitorais”.

Em outubro, o regime afirmou que 61,6% dos venezuelanos haviam recebido pelo menos uma dose da vacina contra a COVID-19. No entanto, segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), apenas 21,6% dos venezuelanos haviam completado o esquema de vacinação até aquele momento. E em agosto, entre 25% e 28% dos profissionais da saúde ainda esperavam pela segunda dose, relatou a agência.

Em meados de dezembro, o sindicato de enfermagem na Venezuela considerou a demissão coletiva se o regime de Maduro não aumentasse os salários. Na semana passada, a presidente do Colégio de Enfermeiras de Caracas, Ana Rosario Contreras, afirmou que há escassez de pessoal e que a equipe de enfermagem continua “sem equipamentos de biossegurança e sem salários suficientes”, além do fato de 65% do pessoal estar procurando outras formas de renda para sobreviver.

Além disso, a HRW em seu relatório lembrou que o promotor do Tribunal Penal Internacional (TPI), Karim Khan, decidiu em novembro passado abrir formalmente uma investigação sobre a prática de possíveis crimes contra a humanidade cometidos na Venezuela, que por meio de um documento escrito publicado em agosto, a Promotoria concluiu que as autoridades venezuelanas não estavam dispostas a investigar e processar casos relevantes.

Também apontou para o êxodo maciço de venezuelanos “fugindo da repressão e da emergência humanitária” que faz parte da maior crise migratória recente da América Latina.

Com informações da EFE. 

Siga Alicia Marquez no Twitter: @AliceMqzM

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

EXCLUSIVO: estados investigam aumento na taxa de mortalidade entre 18 a 49 anos – maioria não relacionada à COVID-19

EXCLUSIVO: estados investigam aumento na taxa de mortalidade entre 18 a 49 anos – maioria não relacionada à COVID-19
Departamentos de saúde em vários estados confirmaram ao Epoch Times que estão analisando um aumento acentuado na taxa ...
Leia Mais >
 

“MADE IN CHINA”

“MADE IN CHINA”
Por NTD Notícias “Made in China”. Essas palavras aparecem em tudo, de computadores a brinquedos e imensas peças ...
Leia Mais >
 

China impõe duras medidas de controle da pandemia

China impõe duras medidas de controle da pandemia
Os EUA dizem que não se deterão com as últimas sanções da China. Pequim penalizou 4 oficiais americanos ...
Leia Mais >
 

Senador americano pede cooperação com Brasil para conter China

Senador americano pede cooperação com Brasil para conter China
Um senador americano pede ao líder da defesa de seu país que aprofunde a cooperação com o Brasil. ...
Leia Mais >