Maduro ordena  ‘quarentena total’ na Venezuela para interromper o coronavírus

Por Agência EFE

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, ordenou nesta segunda-feira uma “quarentena total” que entrará em vigor a partir desta terça-feira e será aplicada nos 23 estados do país para impedir a expansão do coronavírus.

“Quero anunciar que a partir de amanhã, terça-feira, 17 de março, às 5 horas da manhã, toda a Venezuela entrará em quarentena social, todo o país, os 23 estados e o distrito da capital, todos na quarentena social, a quarentena coletiva” Maduro disse em um discurso em que confirmou 16 novos casos, com os quais já existem 33.

Nesta segunda-feira, a quarentena entrou em vigor em Caracas, assim como nos estados de La Guaira, Miranda, Cojedes, Apure, Zulia e Táchira, estes últimos três na fronteira com a Colômbia, mas Maduro tomou a decisão de expandi-la para todo o país, pois “É a situação mais séria” que a Venezuela enfrentou “nunca antes”.

Maduro afirmou que “uma pandemia desse tipo” nunca havia chegado à Venezuela, então considerou que “é bom falar claramente com a população venezuelana”.

Quarentena começa “com o pé direito”

Em relação ao início da quarentena que incluía um terço dos venezuelanos na segunda-feira, ele garantiu que começou “com o pé direito” e explicou que estava acompanhando ministros, chefes militares, prefeitos e governadores”.

O presidente agradeceu “toda a família e toda a comunidade” dos estados afetados “por sua disciplina, consciência superior e por terem dado esse importante passo na quarentena familiar”.

Maduro estimou o cumprimento da quarentena “quase 85%” e destacou que tanto as forças de segurança do Estado quanto as Forças Armadas Nacionais Bolivarianas (FANB) estavam “nas ruas com as pessoas garantindo sua proteção, sua segurança”.

Aqueles que saíram às ruas, assegurou, eram pessoas que “estavam em regime de exceção”, como trabalhadores nos setores de saúde, cadeia alimentar, serviços públicos e transporte público.

Casos importados

O presidente afirmou que dos 33 casos registrados, 28 são de pessoas que chegaram da Europa e cinco da cidade colombiana de Cúcuta, que abriga a principal passagem de fronteira com a Venezuela.

“O vírus importado está por aí tocando, infectando, adoecendo, multiplicando”, acrescentou Maduro, que esclareceu que, do total de casos, 18 são mulheres e 15 são homens.

Treze foram registrados no estado de Miranda, oito em Caracas, cinco em La Guaira, dois em Anzoátegui, um em Mérida, um em Cojedes e um em Apure.

Destes, 31 são residentes na Venezuela e dois são residentes fora do país, entre os quais “um diplomata de alto escalão de um país da América do Sul”.

Maduro enfatizou a necessidade de “valorizar as recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde)” para “quebrar as cadeias de transmissão”, que é o que ele está fazendo com as medidas de quarentena que considera “inevitáveis” e “Inescapável”.

Em contato com a Colômbia

Depois de criticar o governo colombiano por se recusar a entrar em contato com seu gabinete para implementar medidas comuns, Maduro disse que eles já entraram em contato com o ministro da Saúde do país andino, a quem agradeceu sua ligação e com quem disse que eles estão “prontos e dispostos” a trabalhar juntos.

Além disso, o chefe de estado afirmou que realizou uma reunião com a Federação de Câmaras e Associações de Comércio e Produção da Venezuela (Fedecámaras), a principal organização de associações empresariais, para “garantir o funcionamento da economia”.

Ele pediu aos empresários que contassem com ele para garantir apoio logístico e institucional para que “o aparato produtivo permanecesse de pé”.

Pouco antes da mensagem de Maduro, a Câmara Venezuelana da Indústria de Alimentos (Cavidea) informou que eles lançaram um plano de emergência “projetado para lidar com situações sociais ou naturais”.

“Pedimos às indústrias de alimentos, afiliadas à câmara, que continuem trabalhando normalmente, produzam alimentos e contribuam para a segurança alimentar, bem como cumpram os protocolos estabelecidos pelas autoridades de saúde para proteger e apoiar funcionários e trabalhadores, em suas respectivas áreas de trabalho “, afirmou a câmera

Beneficios sociais

Maduro também disse aos “setores de trabalho” que tenham “apoio especial”, pelo qual garantiu que o governo está estudando e anunciará “nas próximas horas um conjunto de benefícios sociais”.

“Fácil não é e não será, não é e não será fácil, compatriotas. É por isso que é necessário um espírito de luta, de resistência e de grande consciência ia e muita paciência”, concluiu Maduro em uma mensagem aos venezuelanos.

 
 
 

Repórteres do Epoch Times são seguidos em meio à repressão em Hong Kong

Repórteres do Epoch Times são seguidos em meio à repressão em Hong Kong
Dois jornalistas da edição de Hong Kong do The Epoch Times disseram que estavam sendo seguidos por supostos ...
Leia Mais >
 

Prisão de pró-democratas

Prisão de pró-democratas
Por NTS Notícias A Famosa Torre de TV de Shanghai, que acidentalmente recebeu o mesmo nome da cidade ...
Leia Mais >
 

Colômbia proíbe teste de produtos cosméticos em animais

Colômbia proíbe teste de produtos cosméticos em animais
A Colômbia tornou-se o primeiro país da América Latina a proibir os testes cosméticos em animais por meio ...
Leia Mais >
 

Polícia de Hong Kong prende pró-democrata

Polícia de Hong Kong prende pró-democrata
Por NTD News A polícia de Hong Kong prendeu um total de dez pessoas, incluindo o magnata da ...
Leia Mais >