Maconha diminui fertilidade e chances de concepção, alerta relatório médico canadense

Por Anastasia Gubin, Epoch Times

A maconha pode afetar a fertilidade em mulheres e homens ao diminuir a contagem de espermatozoides, atrasando ou anulando a ovulação e, portanto, as chances de conceber, relataram pesquisadores através de estudos anteriores publicados no Journal of the Canadian Medical Association em 10 de junho.

A análise conduzida pela Dra. Sara Ilnitsky, da Western University em Ontário, no Canadá, e o Dr. Stan Van Uum, concluem que, considerando a importância de tais efeitos nocivos para a reprodução, “mais pesquisas e de melhor qualidade são necessárias” sobre as implicações para a fertilidade do uso recreativo da maconha”.

As afirmações se baseiam no fato de que o composto psicoativo da maconha, o THC (tetrahidrocanabinol), atua no chamado sistema endocanabinoide do corpo humano, que também é encontrado nos tecidos reprodutivos. Daí seus efeitos.

Segundo a doutora Limitsky, o THC tem uma meia-vida prolongada de 20 a 36 horas. Uma vez no corpo, ativa os receptores canabinóides, que fazem parte do sistema endocanabinoide, que além de afetar os órgãos reprodutivos internos em ambos os sexos, atua no hipotálamo da glândula pituitária do cérebro.

Homem fuma um baseado durante protestos de rua pedindo a legalização da maconha na Avenida Paulista em São Paulo, Brasil, em 1º de junho de 2019 (MIGUEL SCHINCARIOL / AFP / Getty Images)
Homem fuma um baseado durante protestos de rua pedindo a legalização da maconha na Avenida Paulista em São Paulo, Brasil, em 1º de junho de 2019 (MIGUEL SCHINCARIOL / AFP / Getty Images)

Diminui a contagem de espermatozoides nos homens

Pesquisas mostram que fumar maconha mais de uma vez por semana durante os 3 meses anteriores à análise está associado a uma redução de 29% na contagem total de espermatozoides. A motilidade e a morfologia do esperma não foram afetadas.

Limitsky e Van Uum citam a pesquisa realizada com um total de 1.215 jovens dinamarqueses de 18 a 28 anos recrutados entre 2008 e 2012. Eles participaram de um exame médico obrigatório para determinar sua aptidão para o serviço militar. Os resultados foram então publicados no Jornal de Epidemiologia dos Estados Unidos em 2015.

Homem atravessa um campo de cannabis no campus da Universidade das Índias Ocidentais em Kingston, na Jamaica, em 18 de maio de 2019 (ANGELA WEISS / AFP / Getty Images)
Homem atravessa um campo de cannabis no campus da Universidade das Índias Ocidentais em Kingston, na Jamaica, em 18 de maio de 2019 (ANGELA WEISS / AFP / Getty Images)

Atrasa ou inibe a ovulação em mulheres

Ao analisar o efeito em 201 mulheres atendidas na Carolina do Norte, nos Estados Unidos, a ovulação de mulheres fumantes frequentes atrasou em uma média de 1,7 a 3,5 dias em comparação com controles em 29 mulheres.

Nesse estudo, também publicado no Medical Journal, 43% dos ciclos anovulatórios confirmados ocorreram em fumantes de maconha, embora representem apenas 15% da população do estudo. Nesse sentido, a análise canadense alerta que nenhuma análise estatística foi realizada.

Novos estudos são necessários para corroborar essa afirmação.

De acordo com as informações obtidas até agora, os pesquisadores sugerem que “para a maioria dos casais, fumar maconha não afeta sua capacidade de conceber, mas para casais com baixa fertilidade ou infertilidade, isso pode ser um fator contribuinte”.

“Os dados da pesquisa nacional seccional (Estados Unidos) indicam que fumar maconha, desde menos de uma vez por mês até todos os dias, em qualquer um dos casais não afeta significativamente o tempo de gravidez”, diz o relatório dos doutores Limitsky e Van Uum.

“Para casais com infertilidade, alterações na função ovulatória e contagem de espermatozoides associado ao uso de maconha podem agravar sua dificuldade em conceber.”

Organização dos Estados Americanos (OEA) apresentou seu último relatório sobre o uso de drogas na América Latina, que alerta sobre o uso de entorpecentes entre os mais jovens e adverte para o uso crescente de novas substâncias psicoativas (NSP, na sigla em inglês (EFE / Mario Ruiz)
Organização dos Estados Americanos (OEA) apresentou seu último relatório sobre o uso de drogas na América Latina, que alerta sobre o uso de entorpecentes entre os mais jovens e adverte para o uso crescente de novas substâncias psicoativas (NSP, na sigla em inglês (EFE / Mario Ruiz)

Outras análises

Uma análise da Universidade de Harvard em um artigo de fevereiro também confirmou que estudos anteriores sobre a maconha sugeriram que ela está associada a efeitos negativos sobre a saúde reprodutiva masculina.

No entanto, Harvard fez uma análise com 662 pessoas com idade média de 36 anos, brancas, entre os anos de 2000 e 2017. Os resultados não mostraram uma redução, mas, pelo contrário. Neles, os dados reuniam aqueles que já fumaram e pararam, com 11% que eram fumantes atuais. Nem é um grupo homogêneo como no caso dos dinamarqueses.

 
 
 

Câmara dos EUA aprova projeto de lei para apoiar manifestantes de Hong Kong

Câmara dos EUA aprova projeto de lei para apoiar manifestantes de Hong Kong
Por Eva Fu A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovou por unanimidade, em 15 de outubro, uma ...
Leia Mais >
 

Bolsonaro não vê justa causa para sair do PSL, diz porta-voz

Bolsonaro não vê justa causa para sair do PSL, diz porta-voz
Por Pedro Rafael Vilela, Agência Brasil O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, afirmou nesta segunda-feira (15) ...
Leia Mais >
 

Peste suína na China aumenta exportações de carne de porco no Brasil

Peste suína na China aumenta exportações de carne de porco no Brasil
Por Fernando Lopes, Epoch Times As exportações da carne suína para o país Chinês seguem aumentando. O ritmo ...
Leia Mais >
 

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong
Os Estados Unidos e as autoridades europeias manifestaram alarme ao saber das detenções de vários ativistas pró-democracia de ...
Leia Mais >