Líder chinês Xi Jinping usa plataforma da ONU para criticar os EUA

Por Frank Fang

O líder chinês Xi Jinping atacou várias vezes Washington em 21 de setembro, em um discurso pré-gravado na 76ª Assembleia Geral da ONU.

O presidente Joe Biden foi criticado por legisladores republicanos por não usar seu discurso na sede da ONU em Nova Iorque para responsabilizar a China em uma série de questões.

“Desenvolvimentos recentes na situação global mostram mais uma vez que a intervenção militar de fora e a chamada transformação democrática não acarretam nada além de danos”, disse Xi, sem nomear nenhum país, embora a observação seja uma aparente referência à tumultuada retirada dos EUA do Afeganistão em Agosto.

O regime chinês tem usado a retirada caótica dos EUA para realizar uma campanha de propaganda , retratando os Estados Unidos como um aliado não confiável e questionando a democracia norte-americana. Mais recentemente, a mídia estatal chinesa Global Times declarou em um editorial de 18 de setembro que “os EUA e o Ocidente fugiram deixando uma bagunça no Afeganistão”.

Em outra crítica velada sem citar nenhum país, Xi afirmou que o mundo precisava “rejeitar a prática de formar pequenos círculos ou jogos de soma zero”.

Poucos dias antes, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, usou a mesma linguagem durante uma coletiva de imprensa diária. Ele acusou a Austrália, os Estados Unidos e o Reino Unido de terem uma “mentalidade de soma zero da Guerra Fria desatualizada” com sua nova aliança de segurança .

De acordo com o pacto de segurança, os Estados Unidos e o Reino Unido compartilharão tecnologia de submarinos com a Austrália, permitindo que esta última entregue uma frota de pelo menos oito submarinos com propulsão nuclear até 2040.

Xi pediu repetidamente a cooperação e o multilateralismo em seu discurso, incluindo uma melhor “ resposta COVID-19 global coordenada ” entre os países.

No entanto, a comunidade internacional questionou a disposição da China em cooperar na luta global contra a COVID-19, uma doença causada pelo vírus do Partido Comunista Chinês (PCC) , já que o regime decidiu silenciar os médicos denunciantes no início do surto.

Pequim foi criticada por não cooperar com uma equipe de investigação liderada pela Organização Mundial de Saúde que conduziu o trabalho de base em Wuhan, China, no início deste ano. Um relatório da inteligência dos EUA divulgado em agosto afirma que não poderia chegar a uma avaliação conclusiva sobre as origens do vírus, dada a recusa da China em cooperar.

Xi também proclamou que “a China nunca invadiu ou intimidará outros ou buscará hegemonia”. A declaração, no entanto, provavelmente não agradaria aos críticos da China, considerando o comportamento agressivo do regime no Mar da China Meridional e as táticas de coerção contra Taiwan.

O líder chinês fez uma promessa ambiental durante seu discurso, afirmando que Pequim “não construirá novos projetos de energia movidos a carvão no exterior”. No entanto, ele não fez nenhum comentário sobre as usinas de carvão domésticas. A China é o maior produtor e consumidor mundial de carvão.

Theresa Fallon, diretora do Centro de Estudos Rússia Europa Ásia em Bruxelas, acessou o Twitter para dizer que Xi não deveria receber aplausos pela promessa, considerando “quantas [usinas de carvão] eles [a China] construíram anteriormente”, apontando aos dados do Global Coal Public Finance Tracker .

O discurso de Xi é uma boa referência, mas o foco deve ser mais nas ações da China do que nas palavras, disse Su Tzu-yun, analista do Instituto de Pesquisa de Segurança da Defesa Nacional em Taiwan.

“A história de negociações do Partido Comunista Chinês não tem sido muito gloriosa”, disse Su ao Epoch Times, observando que o Partido quebrou suas promessas de liberdade política para o Tibete e Hong Kong. “Eles negociam quando a situação é favorável, mas recorrem à agressão militar e ao bullying quando não é.”

O presidente Joe Biden discursa na 76ª Sessão da Assembleia Geral da ONU na sede da ONU em Nova York em 21 de setembro de 2021 (Eduardo Munoz-Pool / Getty Images)

Biden

Biden, em seu primeiro discurso na Assembleia Geral da ONU desde que assumiu o cargo, declarou que os Estados Unidos estão “de volta à mesa nos fóruns internacionais “. Ele também pediu às nações que “trabalhem juntas como nunca antes ” nas questões globais, incluindo as mudanças climáticas e a propagação do vírus do PCC.

“Não estamos buscando uma nova Guerra Fria ou um mundo dividido em blocos rígidos”, disse Biden, sem nomear nenhum país.

“Os Estados Unidos estão prontos para trabalhar com qualquer nação que se apresente e busque uma solução pacífica para desafios comuns.”

O comentário de Biden veio depois que António Guterres, o secretário-geral da ONU, levantou preocupações sobre uma potencial nova guerra fria entre a China e os Estados Unidos em uma entrevista em 18 de setembro à Associated Press.

Alguns observaram que Biden não disse a palavra “China” em seu discurso. Quando questionado por que durante uma coletiva de imprensa diária em 21 de setembro, o secretário de imprensa da Casa Branca Jen Psaki disse que não mencionar a China diretamente era “indicativo de seu objetivo [de Biden] de estabelecer nossa agenda proativa das grandes questões nas quais podemos trabalhar juntos, incluindo com a China. ”

Alguns legisladores republicanos criticaram a abordagem de Biden em relação à China.

“Ele deve declarar claramente a ameaça que a China representa para o mundo – não fingir que não existe”, escreveu o senador Tom Cotton (R-Ark.)  no Twitter sobre a omissão de Biden.

O senador Bill Hagerty (R-Tenn.) Criticou Biden por recorrer a um “comunicado de política externa” em seu discurso, de acordo com um comunicado.

“Onde estava o apelo do presidente Biden para responsabilizar a China comunista por comportamentos malignos, incluindo a crescente ameaça dos militares chineses contra Taiwan e outros, o roubo maciço de propriedade intelectual de Pequim e a falta de transparência da China sobre as origens do COVID-19?” Hagerty disse.

O senador Rick Scott (R-Flórida) pediu que Biden “acabe com seu fraco apaziguamento” de Xi, de acordo com um comunicado  divulgado em seu gabinete após o discurso do presidente.

“Como o maior farol de liberdade e democracia do mundo, os EUA devem fazer tudo o que pudermos, em conjunto com nossos aliados, para restringir o alcance da China comunista, contrariar suas políticas e fazer com que os culpados paguem pelos constantes abusos dos direitos humanos e ataques à democracia e genocídio contra os uigures ”, disse Scott.

“A recusa do presidente Biden em adotar essa abordagem é nada menos do que um abandono de seu dever e uma demonstração indesculpável de fraqueza.”

Pequim prendeu mais de 1 milhão de uigures e outras minorias muçulmanas em campos de internamento na região de Xinjiang, no extremo oeste da China. 

Eva Fu e Luo Ya contribuíram para este artigo.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 
 
 

COVID-19, uma pandemia do medo ‘fabricada’ pelas autoridades, afirma epidemiologista de Yale

COVID-19, uma pandemia do medo ‘fabricada’ pelas autoridades, afirma epidemiologista de Yale
A pandemia da COVID-19 tem sido uma pandemia do medo, fabricada por indivíduos em cargos nominais de autoridade ...
Leia Mais >
 

RISCO: 52% dos americanos vê China como principal ameaça

RISCO: 52% dos americanos vê China como principal ameaça
Os americanos parecem estar, drasticamente, mudando de ideia sobre o Regime comunista chinês. Pela primeira vez, metade dos americanos ...
Leia Mais >
 

EUA: Comunismo na educação

EUA: Comunismo na educação
Maduro vira desenho animado. A União Soviética e a China promoveram o culto à personalidade de tiranos como ...
Leia Mais >
 

EUA: Compromisso “inabalável” com defesa de Taiwan

EUA: Compromisso “inabalável” com defesa de Taiwan
Os EUA reiteraram seu compromisso “inabalável” com a defesa de Taiwan, e o ex-primeiro-ministro japonês disse que o ...
Leia Mais >