Lembrando a brutalidade do Gulag: as obras de Alexander Solzhenitsyn

Por Gary L. Gregg

A Guerra Fria chegou ao fim há mais de um quarto de século. Quando os ventos da mudança começaram a soprar no bloco oriental, e então o Muro de Berlim finalmente caiu, muitos de nós imaginamos o que o futuro traria.

Lembro que, no verão de 1990, eu estava dirigindo meu carro pelo Vale do Rio Shenandoah, na Virgínia, acompanhado de um líder veterano do movimento anticomunista e falávamos sobre como seria a vida sem a ameaça soviética dominando nossa política externa.

“Iremos esquecer como foi, e aí será mais fácil trazer o socialismo para os Estados Unidos após a dissolução da União Soviética, porque teremos esquecido isso?”, perguntei. Ele concordou que isso seria um grande perigo; os Estados Unidos poderiam esquecer os horrores do socialismo quando esta não fosse mais uma doutrina armada que ameaçava nossa própria existência.

A evidência de que grande parte dos Estados Unidos esqueceu os horrores do socialismo no século XX parece estar aparecendo nos campi universitários e entre os cidadãos. Embora aqueles de nós que cresceram durante a Guerra Fria achassem particularmente difícil acreditar, o socialismo está crescendo como um sistema político-econômico aprovado nos Estados Unidos.

Estudantes universitários, incluindo alguns que eu conheci pessoalmente, agora veem Marx, Lênin e Stálin com uma certa nostalgia e alegria curiosa.

Mais de 100 milhões de pessoas morreram nas mãos de regimes comunistas no século XX. Muitos outros milhões podem ter sobrevivido fisicamente à tortura e à fome nos campos de educação e de trabalho aos quais foram submetidos por seus “crimes” (de pensamento e outros), mas nunca mais serão os mesmos.

Dezembro nos oferece a oportunidade perfeita para rever algumas das lições brutais do século XX, já que este mês marca o centésimo aniversário da maior testemunha do mundo sobre o preço do socialismo manifestado pelo comunismo soviético: Alexander Solzhenitsyn.

Um patriota

Quem foi Alexander Solzhenitsyn? Um gigante intelectual, um escritor com grandes realizações e um patriota russo que resistiu ao que os comunistas tinham feito ao seu povo e ao seu amado país. No entanto, o vencedor do Prêmio Nobel de Literatura foi amplamente esquecido nas salas de aula norte-americanas e em nossa consciência pública de hoje.

Com o desaparecimento de sua figura em nossa memória pública e em seus livros mal lidos, perdemos muito da imaginação que uma vez serviu de arma contra as tentações do poder do governo e de visões políticas exageradas. Hoje, rever seu trabalho traria muita clareza moral ao nosso discurso político.

Solzhenitsyn nasceu em Kislovodsk, na Rússia, em 11 de dezembro de 1918, alguns meses depois de seu pai ter sido assassinado. Ele foi criado por sua mãe e educado em matemática, filosofia e história. Durante sua educação e até a Segunda Guerra Mundial, ele não pareceu questionar a suprema correção do sistema soviético.

No entanto, durante a Segunda Guerra Mundial, Solzhenitsyn começou a questionar o regime, observando como os crimes de guerra contra civis alemães foram levados a cabo.

Seu grande erro foi escrever sobre tais preocupações no que ele achava que seria uma carta particular para um amigo de confiança. Sob governos totalitários, no entanto, não existe correspondência particular (ou pensamentos) e poucos amigos são confiáveis.

Apesar de ser um soldado condecorado a serviço da União Soviética, Solzhenitsyn foi preso por expressar suas preocupações. Finalmente, ele foi condenado a oito anos em um campo de trabalhos forçados e foi colocado em um exílio interno permanente depois de conseguir sair vivo após o tempo passado nos campos.

Ele começou a escrever enquanto estava na prisão, inclusive memorizando longos poemas e prosa porque não tinha caneta nem papel. O que ele por fim produziu foi um conjunto de obras do nível dos grandes nomes da literatura russa e que não tem concorrentes em sua maneira de ser uma janela para a desumanização do terror socialista.

Obras-primas

Sua grande obra-prima, “O Arquipélago Gulag”, publicado em 1973, é um colosso de múltiplos volumes que é frequentemente mencionado com muito mais frequência do que é lido, mas recentemente uma versão reduzida foi republicada em uma edição econômica e acessível, com um prólogo escrito por Jordan Peterson.

Seus livros “Pavilhão do Câncer” e “O Primeiro Círculo” também são observações brilhantes sobre as consequências humanas do governo totalitário. No entanto, se você vai ler Solzhenitsyn pela primeira vez, deixe-me recomendar que comece com seu pequeno romance “Um dia na vida de Ivan Denisovich“, que, como o nome indica, trata-se do relato de um dia na vida de um detento em um campo de prisioneiros soviético.

O leitor acompanha Ivan enquanto ele luta para manter uma certa aparência de humanidade dentro das paredes do sistema penitenciário mais desumano. Nós o vemos se arriscando a uma severa punição por esconder um pedaço de pão em seu colchão, com o qual ele espera raspar o último remanescente de sustento de uma futura tigela de mingau. Nós vemos prisioneiros sendo marcados por números sem sentido, em vez dos nomes que seus pais escolheram para eles ou que seus amigos os apelidaram. Vemos a dureza dos invernos russos enfrentados sem as botas e luvas adequadas, e a luta para dar um sentido à vida além da mera sobrevivência animal em meio à repressão.

Solzhenitsyn foi finalmente expulso de sua terra natal e viveu em Vermont, nos Estados Unidos, durante as duas últimas décadas da existência da União Soviética. Embora ele fosse um solitário, seus escritos contribuíram para a imaginação de muitos que lutaram contra as forças desumanizadas do século XX. Ele também representou um desafio para o Ocidente, repreendendo-nos por nossa própria perda de espírito e nosso crescente materialismo.

Este centenário do nascimento de Solzhenitsyn é o momento certo para lembrar as pessoas da brutalidade desumana do totalitarismo em todo o mundo, e não há melhor maneira de fazê-lo do que ler e compartilhar seu trabalho.

Gary L. Gregg preside a cadeira de Mitch McConnell na Universidade de Louisville, onde também é diretor do Centro McConnell de Liderança Política. Ele é autor ou editor de uma dúzia de livros, incluindo seus romances para jovens adultos publicados como “The Remnant Chronicles

O conteúdo desta matéria é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Epoch Times

 
 
 

As ligações entre a maior empresa de telecomunicações da China e o regime dos talibãs

As ligações entre a maior empresa de telecomunicações da China e o regime dos talibãs
Há relatos de que a Huawei vendeu sistemas de telecomunicações ao talibã, uma organização terrorista que abraçou a ...
Leia Mais >
 

União Europeia impõe restrições às importações de produtos de aço

União Europeia impõe restrições às importações de produtos de aço
A União Europeia decidiu hoje (16) impor restrições sobre as importações de aço brasileiro.
Leia Mais >
 

Novo tratado de extradição Brasil – Argentina agiliza trâmites

Novo tratado de extradição Brasil – Argentina agiliza trâmites
O tratado de extradição assinado hoje (16) pelos governos do Brasil e da Argentina fez alterações que desburocratizam o pedido e ...
Leia Mais >
 

Validade de registro sobe para 10 anos e cidadão poderá ter mais de 4 armas. Veja o que muda

Validade de registro sobe para 10 anos e cidadão poderá ter mais de 4 armas. Veja o que muda
O decreto assinado na manhã desta terça-feira (15) pelo presidente Jair Bolsonaro facilita a posse de armas (direito ...
Leia Mais >