Inspiração para ensino domiciliar: Uma conversa com a mãe veterana do ensino em casa, Durenda Wilson

Por Barbara Danza 

Pisar no caminho do ensino domiciliar pode parecer um esforço assustador. Graças a Deus muitas mães e pais que já trilharam esse caminho e compartilham de bom grado sua sabedoria.

Durenda Wilson é uma dessas mães que ensina em casa. Mãe de oito filhos e avó de seis, ela educou seus filhos em casa desde o início. Agora, ela compartilha suas ideias por meio de seu livro “The Four-Hour School Day: How You and Your Kids Can Thrive in the Homeschool Life” (As Quatro Horas Diárias de Escola: Como Você e Seus Filhos Podem Trilhar a Vida do Ensino Domiciliar, em tradução livre), seu podcast semanal e seus posts encorajadores nas mídias sociais.

Perguntei a Wilson sobre sua jornada de educação domiciliar e por seus conselhos para os pais que estão começando a própria jornada. Aqui está o que ela disse.

Epoch Times: O que a inspirou a educar seus filhos em casa?

Durenda Wilson: Meu marido e eu costumamos dizer que é porque somos egoístas. Não queríamos compartilhar nossos filhos com outra pessoa tantas horas por semana.

Queríamos ser capazes de criar uma vida para nossa família que nos desse a liberdade de fazer as coisas que nossos filhos estavam interessados ​​e coisas que amávamos fazer juntos. Queríamos que nossos filhos tivessem uma infância. Queríamos oferecer oportunidades para nossos filhos se conectarem com uma variedade de pessoas e desenvolver relacionamentos saudáveis ​​com o aprendizado, para que se tornassem aprendizes ao longo de toda a vida.

Também nos sentimos responsáveis ​​por criar nossos filhos com o sistema de valores que acreditávamos ser o melhor para eles e que realmente os prepararia para serem adultos saudáveis, produtivos e contribuintes. Sabíamos que essas coisas simplesmente não poderiam acontecer se mandássemos nossos filhos para a escola de sete a oito horas por dia, cinco dias por semana.

Vinte e seis anos depois, posso dizer honestamente que o ensino domiciliar foi uma das melhores e mais importantes decisões que já tomamos.

Epoch Times: Quais são os maiores benefícios do ensino domiciliar?

Sra. Wilson: Um dos maiores benefícios do ensino em casa é ter a liberdade de dar aos seus filhos a educação que permite que seus dons sejam descobertos e floresçam. Em vez de gastar muito tempo em coisas em que eles não são bons – uma abordagem corretiva – podemos gastar tempo concentrando-se no que eles são bons.

Não há duas crianças exatamente iguais, então a abordagem de ‘tamanho único’ é essencialmente inútil e ineficaz. Cada criança é dotada de forma única e a educação em casa nos dá a oportunidade de caminhar ao lado deles, ajudá-los a ver seu valor e aumentar a confiança no fato de que suas vidas têm um propósito significativo. Eles são desafiados, mas de uma maneira que os faz crescer, em vez de desencorajá-los.

Outro grande benefício é poder ter uma vida familiar forte e coesa. As famílias em nossa cultura estão desmoronando, e a família é onde as crianças são moldadas para a vida. Quando ensinamos em casa, temos a oportunidade de desenvolver relacionamentos familiares profundos e saudáveis ​​que, por sua vez, criam adultos fortes e saudáveis ​​e produtivos que impactam nosso mundo para o bem. Damos-lhes raízes profundas para que também possamos dar-lhes asas robustas.

Epoch Times: Quais foram seus maiores desafios na educação domiciliar?

Sra. Wilson: Às vezes tenho sido meu maior obstáculo, especialmente se ceder a comparações ou distrações.

Todos os pais que ensinam em casa lutam com o sentimento de serem inadequados, pelo menos, parte do tempo. Eu não tenho um diploma universitário. Eu nunca fui para a faculdade um dia na minha vida. Eu não sinto muito por isso. Eu acho que a faculdade é muitas vezes um desperdício de tempo e dinheiro, mas isso é outra conversa. No entanto, às vezes eu me pergunto se eu estava dando a eles o suficiente do que eles realmente precisavam.

Acontece que a maior coisa que meus filhos precisavam de mim era estar presente e disponível não apenas fisicamente, mas mentalmente, emocionalmente e espiritualmente. Eles precisavam que eu estabelecesse os limites saudáveis ​​que toda criança precisa, em outras palavras, para ser o pai. Eles precisavam de mim para proporcionar uma vida doméstica segura, com ritmos diários saudáveis, refeições regulares e uma rotina previsível.

Eles não precisavam de mim para ser a Mulher Maravilha. Eles não precisavam que eu soubesse de tudo. Eles precisavam que eu estivesse disposta a aprender ao lado deles, ter confiança em sua capacidade de aprender e fazer isso da maneira que funcionasse melhor para eles. Eles precisavam que eu fizesse muitas perguntas para encorajá-los a pensar por si mesmos. Eles não precisavam de mim para ser uma mãe helicóptero do ensino domiciliar ou ter suas vidas diárias planejadas ao minuto por mim. Eles precisavam de mim para ser sua maior líder de torcida e saber quando oferecer orientação e quando deixá-los aprender as coisas por conta própria.

Nós nos poupamos de muita dor desnecessária quando aprendemos a nos sentir confortáveis ​​com o design único de nossa própria família.

Epoch Times: Você se conecta com tantos pais que ensinam em casa por meio de seus livros, seu podcast e mídias sociais. Quais você acredita que são os maiores erros que os novos pais que ensinam em casa tendem a cometer?

Sra. Wilson: O primeiro erro que os pais cometem é pensar que a “escola” (a parte dos livros) tem que levar de sete a oito horas por dia. Ensino domiciliar é eficiente e eficaz, por isso leva muito menos tempo do que a maioria das pessoas pensa. Eu falo muito sobre isso no meu livro, “The Four-Hour School Day”.

Outro grande erro que os novos pais do ensino domiciliar cometem é tentar fazer a escola tradicional em casa. Uma das razões pelas quais geralmente decidimos estudar em casa é porque esse sistema não estava funcionando bem para nossos filhos. Então, por que estamos tentando copiá-lo? Eu acho que, muitas vezes, é porque é tudo o que a maioria de nós sabe, e tudo bem. Podemos pegar qualquer coisa boa do sistema tradicional e usá-lo se estiver realmente funcionando para nossos filhos e para nós, mas o que não for adequado deve ser reconsiderado.

Precisamos pensar em termos do que é útil para nossos filhos em particular. As abordagens curriculares e de aprendizagem existem para servir a nós e aos nossos filhos, e não o contrário. Eles são ferramentas, e nem todas as ferramentas funcionam bem para todos nós. Costumo dizer que o ensino em casa é uma série contínua de experimentos. Nenhum de nós sente que já compreendeu tudo, mas a chave é ser ensinável e realmente conhecer nossos filhos.

Eu aconselharia qualquer novo pai no ensino domiciliar a dar a si mesmo algum tempo para se conectar com seus filhos, observá-los e fazer anotações sobre o que você aprende sobre eles. Tenha muitas conversas. Aprenda o máximo que puder sobre eles; use essas informações para ajudá-lo a decidir qual abordagem você vai adotar.

Acima de tudo, esteja disposto a aprender ao lado de seus filhos, e confie em mim, você vai ficar bem!

Epoch Times: Que conselho você daria para a mãe ou o pai que está lendo isso, que é novo no ensino em casa, que começou este ano ou está prestes a mergulhar?

Sra. Wilson: Meu conselho seria não se sobrecarregar com mais informações do que você pode aplicar de forma ponderada e significativa. Não tome decisões por medo. Tire algum tempo para desafiar suas ideias sobre educação para que você possa ser mais intencional em sua abordagem. Claro, eu recomendaria a leitura do meu livro, “The Four-Hour School Day: How You and Your Kids Can Thrive in the Homeschool Life”.

Ajudou muitos pais a relaxar e encontrar confiança em sua jornada de educação em casa. Essas mensagens são reforçadas no meu podcast.

E pelo amor de Deus, divirta-se com seus filhos! As crianças são incríveis, e podemos aprender tanto ou mais com elas quanto elas aprendem conosco!

Epoch Times: Que conselho você daria aos membros da família de pessoas em ensino domiciliar? Como eles podem apoiar melhor seus parentes que estudam em casa?

Sra. Wilson: Os membros da família podem fornecer apoio muito necessário, lembrando que a responsabilidade de educar as crianças recai sobre os pais. Não tente assumir um papel que não lhe pertence porque, no final das contas, eles não são seus filhos.

Trabalhe duro para não questionar todas as decisões que os pais estão tomando. Os pais cometem erros e precisam de espaço para aprender e crescer também.

Deixe-os saber que você apoia a decisão deles, dizendo-lhes com frequência e, se puder, ofereça-se para ajudar de maneiras que não sejam intrometidas ou insistentes. Um pai encorajado é sempre um pai melhor.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha
Um ex-membro de uma gangue criminosa japonesa disse que testemunhou o comércio de órgãos na China, tendo visto ...
Leia Mais >
 

Trump: FBI invadiu sua casa na Flórida, propriedade está ‘sob cerco’

Trump: FBI invadiu sua casa na Flórida, propriedade está ‘sob cerco’
O ex-presidente Donald Trump disse que sua casa em Mar-a-Lago na Flórida está "sob cerco" e "ocupada por ...
Leia Mais >
 

Biden se diz “preocupado” com manobras da China, mas não crê em passo além

Biden se diz “preocupado” com manobras da China, mas não crê em passo além
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou nesta segunda-feira estar "preocupado" com o uso de armas pela ...
Leia Mais >
 

Alimentos ultraprocessados podem contribuir para perda cognitiva

Alimentos ultraprocessados podem contribuir para perda cognitiva
Dificuldade de lembrar datas, fazer cálculos ou realizar tarefas básicas do dia a dia. As habilidades cognitivas geralmente ...
Leia Mais >