A injustiça da justiça social

Por Joshua Philipp, Epoch Times

Na cidade de Nova Iorque, um treinamento ministrado recentemente sobre “preconceito implícito” está sendo criticado por promover o racismo sob o pretexto de combater o racismo e por pressionar a favor da discriminação sob a bandeira da “igualdade racial”. Segundo o The New York Post, os professores do curso foram orientados a favorecer os estudantes negros em relação aos brancos, independentemente dos níveis de pobreza.

As pessoas que participaram do treinamento para supostamente lutar contra o “racismo” chegaram a repreender e humilhar uma mulher judia por contar uma história sobre como sua família sobreviveu ao Holocausto sob o Nacional-Socialismo de Hitler (nazismo). Ela contou sua história como uma analogia de como é perigoso excluir certos alunos por causa da cor de sua pele. Em resposta, de acordo com o Post, ela disse: “Eu fui atacada verbalmente por um superintendente negro na frente de meus colegas. Ele me disse: ‘Isto não é sobre ser judeu! São apenas crianças de cor preta e marrom. Tenha cuidado'”.

“Fiquei traumatizada”, disse a mulher judia, segundo o Post. “Foi como em 1939 novamente. Eu não podia acreditar que isso aconteceu comigo em plena Nova Iorque”.

É claro que incidentes como este poderiam ser considerados como um conflito pessoal comum, se não fosse pelo fato de que, na cidade de Nova Iorque, o governo de Bill de Blasio está criando programas sociais baseados nessa forma idêntica de discriminação racial.

Sob a bandeira da justiça racial, por exemplo, o prefeito de Nova Iorque Bill de Blasio, do Partido Democrata, está pressionando por um novo programa escolar, que enfoque a igualdade de resultados, ao invés de oportunidades iguais, o que significa que as pessoas são forçadas a obter o mesmo resultado, independentemente de quanto esforço é feito para alcançá-lo.

Neste sistema, e em similares, o racismo é praticado sob a bandeira da luta contra o racismo, a desigualdade é praticada sob a bandeira da garantia da igualdade, e a discriminação torna-se a ferramenta para desafiar a “discriminação”.

Esse é um sistema que ensina as pessoas a praticar exatamente aquilo a que dizem se opor e a odiar quem as questiona.

Infelizmente, as pessoas que seguem a ideologia socialista geralmente não conseguem ver a hipocrisia de suas próprias opiniões quando os assuntos são discutidos. A professora judia que foi atacada na frente de seus colegas experimentou um momento de ódio em nome do progresso social.

O ódio e a discriminação são partes centrais do socialismo. O sistema não pode existir sem incitar o ódio entre as massas, já que o ódio é usado para enquadrar seus diferentes tópicos de discussão, e essas questões de debate impulsionam as políticas socialistas da “luta de classes”.

As pessoas que seguem o socialismo são informadas de que estão justificadas em odiar certos grupos de pessoas, especialmente em detrimento da civilização do século passado. Encorajando o ódio, os regimes socialistas têm repetidamente levado as pessoas a cometer genocídio. Isso inclui o Holocausto sob o Nacional-Socialismo de Hitler, os programas de Lênin para matar os ricos camponeses do “kulak”, os programas de Mao para matar os latifundiários e os “direitistas” e genocídios similares.

A “justiça” da qual os socialistas falam é na realidade uma inversão da justiça. Isso remonta às raízes do pensamento comunista.

Em “O Manifesto Comunista”, Karl Marx e Friedrich Engels mencionam a liberdade e a justiça como “verdades eternas” que são “comuns a todos os estados da sociedade”. No entanto, imediatamente depois eles afirmam: “O comunismo suprime verdades eternas”, o que, como eles explicam, inclui liberdade e justiça.

E, em vez de redefinir os valores da liberdade e da justiça, ou tentar criar novos conceitos sobre eles, Marx e Engels afirmam que o comunismo procura abolir esses valores completamente, além de destruir “toda religião e toda moralidade”.

O socialismo é simplesmente o motor para alcançá-lo. Durante o tempo de Marx e Engels, ainda não havia governo socialista ou comunista, e os movimentos socialista e comunista eram sinônimos entre si. O socialismo era visto como o sistema totalitário usado para alcançar os objetivos do comunismo: a ruína da moralidade, das crenças e da cultura tradicional.

O socialismo é o que Marx chamava de “a ditadura do proletariado”, e Lênin o chamava de “o monopólio capitalista do Estado”. A ideia do socialismo era criar um regime totalitário, apropriar-se da capacidade de participar do livre comércio das pessoas comuns e, ao invés disso, colocar essas habilidades exclusivamente sob o controle do Estado.

 
 
 

Câmara dos EUA aprova projeto de lei para apoiar manifestantes de Hong Kong

Câmara dos EUA aprova projeto de lei para apoiar manifestantes de Hong Kong
Por Eva Fu A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovou por unanimidade, em 15 de outubro, uma ...
Leia Mais >
 

Bolsonaro não vê justa causa para sair do PSL, diz porta-voz

Bolsonaro não vê justa causa para sair do PSL, diz porta-voz
Por Pedro Rafael Vilela, Agência Brasil O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, afirmou nesta segunda-feira (15) ...
Leia Mais >
 

Peste suína na China aumenta exportações de carne de porco no Brasil

Peste suína na China aumenta exportações de carne de porco no Brasil
Por Fernando Lopes, Epoch Times As exportações da carne suína para o país Chinês seguem aumentando. O ritmo ...
Leia Mais >
 

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong
Os Estados Unidos e as autoridades europeias manifestaram alarme ao saber das detenções de vários ativistas pró-democracia de ...
Leia Mais >