Imigração latino-americana no Brasil, uma questão de liderança

Imigracao.latino-americana.no.Brasil.uma.questao.de.lideranca
Um imigrante haitiano aguarda para entrar num abrigo montado na cidade São Paulo, em janeiro de 2012, para refugiados do terremoto que devastou o Haiti (Yasuyoshi Chiba/AFP/Getty Images)

Pesquisas recentes identificaram um expressivo movimento imigratório para o Brasil. O último censo do governo federal contabilizou três milhões de imigrantes bolivianos vivendo em solo brasileiro. O caso mais recente foi o dos haitianos que, fugindo da tragédia humanitária causada pelo terremoto de janeiro de 2010, têm entrado ilegalmente no país em sucessivas levas pelo Acre, via Panamá e Peru. O governo brasileiro e dos estados implicados têm tratado a questão, de modo geral, com benevolência, provendo assistência e permissão para permanecerem no país. No entanto, apenas tolerância e generosidade não bastam para superar o problema, é preciso ainda planejamento e criatividade.

Segundo o governo do estado do Acre, curiosamente, os imigrantes haitianos são profissionais qualificados, como advogados, professores, mestres de obras e carpinteiros, pertencentes à classe média do Haiti. Já no caso dos imigrantes bolivianos, diferentemente, são pessoas de baixa qualificação, que acabam buscando alternativas no trabalho informal, principalmente na área artesanal e cultural, segundo o censo do governo.

Os movimentos imigratórios nos séculos passados provieram de mais de 70 diferentes nacionalidades e etnias. No decorrer da história do país, estes imigrantes não apenas contribuíram com seu trabalho nos engenhos de café e nas primeiras fábricas do nascente processo de industrialização nacional, como também com seus costumes e tradições, enriquecendo e ajudando a constituir a cultura e identidade brasileiras.

Aqui não se aplica a lógica da dívida histórica do colonizador com os povos explorados. Como ex-colônia bem sucedida e potência regional, o Brasil deve ser o primeiro a agir com seus vizinhos, interna e externamente, consciente das sequelas da América Latina advindas do processo de colonização e, hoje, de dependência econômica.

O Brasil acerta ao tratar com tolerância os imigrantes latino-americanos, mas é preciso também planejamento para absorver estas pessoas em regiões de menor densidade populacional, de modo a não agravar o quadro nos grandes centros urbanossaturados. Para isso, o governo pode buscar parcerias externas para realizar investimentos de interesse multilateral. Desta forma, o Brasil, a um só tempo, respeita os direitos humanos e promove o desenvolvimento nacional descentralizado, inovando e fortalecendo sua liderança global.

Epoch Times publica em 35 países em 19 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
 
 

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América
Hoje, as "plataformas de entretenimento" dos EUA estão tão "desesperadas pelo mercado chinês" que agora estão dispostas a ...
Leia Mais >
 

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.
Por NTD Notícias Evidências apontam que a catástrofe das enchentes na China vem das autoridades do Partido Comunista. ...
Leia Mais >
 

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição
O Epoch Times realizou um painel de discussão em 19 de julho entre os principais especialistas na Constituição ...
Leia Mais >
 

Enchentes mortíferas na China

Enchentes mortíferas na China
Por NTD Notícias O senador Marco Rubio na terça-feira disse em tuite que o fechamento do instituto Confúcio ...
Leia Mais >