Hongkongers apreciam cobertura dos protestos contra lei de extradição pelo Epoch Times

Por Nicole Hao

Os protestos em andamento contra um controverso projeto de extradição em Hong Kong são o maior movimento social que a cidade já viu.

O projeto, que permitiria que a China continental busque a extradição de suspeitos de crimes, provocou ampla oposição, com muitos temendo que a proposta permitisse ao regime chinês punir seus críticos por acusações forjadas.

O departamento de Hong Kong do Epoch Times tem coberto os últimos desenvolvimentos ininterruptamente.

“O Epoch Times é a melhor mídia em reportagem sobre a lei de extradição e eventos relacionados”, disse o banqueiro sênior e professor universitário de Hong Kong, Ng Ming Tak, à agência local do Epoch Times, em uma entrevista em 5 de julho. “Vocês dedicaram muitos recursos e equipes profissionais para relatar as notícias de diferentes ângulos, o que inclui política, economia, meios de subsistência das pessoas, sociedade, cultura e até mesmo religião. Vocês apresentam todos os fatos na frente dos leitores e eles podem ver qual é a verdade e analisarem por si mesmos. ”

O panorama midiático de Hong Kong tem se tornado cada vez mais dominado por pontos de venda com uma inclinação pró-Pequim ou pró-establishment.

Por exemplo, em 12 de junho, a polícia de Hong Kong disparou gás lacrimogêneo e balas de borracha para dispersar multidões de manifestantes que se reuniram no complexo do governo. No dia seguinte, as primeiras páginas de três dos principais jornais pró-Pequim de Hong Kong, Wen Wei Po, Ta Kung Pao e Hong Kong Commercial Daily, todos rotularam os manifestantes pacíficos, em grande parte desarmados, como “desordeiros que atacaram Hong Kong”.

O Epoch Times continua sendo um dos poucos meios de comunicação independentes da cidade.

“Acredito que mais e mais meios de comunicação de Hong Kong estão sendo controlados por forças pró-Pequim e vozes cada vez menos independentes podem ser ouvidas”, disse Simon Lau Sai Leung, repórter sênior do Epoch Times em 5 de julho. “O Epoch Times é uma mídia independente que relata a notícia do ponto de vista Hongkongers.”

Mais recentemente, no aniversário da passagem de Hong Kong da soberania britânica à chinesa em 1 de julho, houve simultaneamente uma marcha pacífica acompanhada de 550.000 pessoas, bem como um violento cerco ao prédio da legislatura que viu centenas de manifestantes entrando no prédio tarde da noite.

No dia seguinte, a primeira página da maioria dos jornais de Hong Kong escolheu se concentrar no cerco. Apenas o Epoch Times deu um tratamento de primeira página à passeata pacífica.

“550.000 Hongkongers desfilaram contra a lei de extradição, foi o evento mais importante naquele dia… Alguns manifestantes que invadiram a legislatura desviaram a atenção de todo o protesto. Mas eu sei no que devo me concentrar”, disse Ng.

Relatórios oportunos e objetivos

Desde que os moradores começaram a protestar contra a lei de extradição, os repórteres do Epoch Times de Hong Kong dedicaram muitas horas para cobrir o assunto.

“Neste momento, é muito significativo que o Epoch Times exista em Hong Kong”, disse Kwok Kwan, presidente do escritório do The Epoch Times em Hong Kong.

“Nossos repórteres trabalharam tanto e mal dormiram durante essas semanas. Enquanto informava sobre a dispersão de manifestantes pela polícia que cercou a legislatura [em 12 de junho], alguns de nossos repórteres também foram atingidos pelo spray de pimenta”, acrescentou Kwok.

O Epoch Times também transmitiu ao vivo a marcha de um milhão em 9 de junho e os quase dois milhões de Hongkongers que protestaram em 16 de junho. Em 1 de julho, o Epoch Times transmitiu por mais de 24 horas, começando com o desfile, depois o cerco – a partir do momento em que os manifestantes repetidamente bateram nas portas de vidro com implementos diferentes, até que entraram e invadiram o interior. Às 4 da manhã, quando a principal autoridade de Hong Kong, Carrie Lam, realizou uma coletiva de imprensa para tratar do atentado, o Epoch Times também transmitiu ao vivo.

Escritórios diferentes em todo o mundo também cooperaram com o escritório de Hong Kong para fornecer uma cobertura mais completa da questão. Por exemplo, repórteres de diferentes países entrevistaram seus funcionários locais, economistas e comentaristas para analisar a situação política e seu impacto.

“Depois do protesto de milhões de pessoas, o Epoch Times [idioma chinês] entrevistou muitos funcionários americanos. Suas vozes de preocupação e apoio encorajaram os Hongkongers ”, disse Kwok.

18 anos de compromisso

Em 2001, o Epoch Times começou a produzir um jornal local em chinês. Evoluindo de um jornal bi-semanal a um semanal, o Epoch Times local tornou-se diário em janeiro de 2005.

“Damos cobertugra à cidade há quase 20 anos e nunca desistimos”, disse Kwok.

Kwok trabalha na indústria de mídia há mais de 30 anos, começando como repórter durante a British Hong Kong. Tendo testemunhado tanta mudança na cidade, ela percebeu o quanto era importante para a mídia cobrir essas mudanças de forma verdadeira.

O Epoch Times tem continuamente abordado como Pequim se intrometeu nos assuntos da cidade desde a entrega em 1997, violando suas promessas de preservar a autonomia e as liberdades de Hong Kong sob o modelo “um país, dois sistemas”.

Para tais reportagens, o Epoch Times recebeu ameaças e interferência de organizações locais pró-Pequim.

“Quase não conseguimos encontrar uma gráfica que ouse imprimir nosso jornal. Nossos funcionários foram seguidos por agentes chineses e tiveram sua segurança pessoal ameaçada. Nossos clientes também foram ameaçados pelas autoridades chinesas. O proprietário de um local para conferência que havíamos reservado cancelou nossos contratos depois de ser pressionado pelo regime chinês”, disse Kwok.

Na noite de 28 de fevereiro de 2006, quatro homens invadiram a gráfica de Hong Kong do Epoch Times e destruíram as impressoras recém-compradas, avaliadas em mais de um milhão de dólares de Hong Kong (US$ 12.840). Em 30 de maio de 2013, a imprensa foi atacada novamente.

Até agora, a polícia de Hong Kong não localizou os suspeitos.

Um relatório de 2006 sobre a liberdade de imprensa, da Repórteres Sem Fronteiras, registrou um incidente quando os funcionários do Hong Kong Epoch Times receberam pacotes de bombas.

Louvores dos Hongkongers

No passado, muitos proeminentes hongkonges elogiaram o compromisso do The Epoch Times com reportagens verdadeiras.

“É muito difícil encontrar um meio de comunicação que tenha consciência e tenha sido corajoso o suficiente para relatar a verdade por tantos anos em Hong Kong”, disse o ex-parlamentar Lam Wing Yin em uma entrevista em dezembro de 2015.

“Vocês são um modelo para os Hongkonges que ainda querem ter uma opinião independente”, disse o cardeal de Hong Kong, Joseph Zen Ze-kiun, em uma entrevista em março de 2016.

A cobertura exclusiva do Epoch Times vai além dos assuntos locais.

“O Epoch Times tem conexão com muitos membros de alto nível dentro da China continental. Ele relatou alguns eventos antes de outros meios de comunicação. Por exemplo, a demissão de [ex-altos funcionários do PCC] Wang Lijun e Bo Xilai, então a demissão de Xu Caihou [ex-vice-presidente da Comissão Militar Central da China, a principal agência do Partido encarregada dos militares].”

Joseph Cheng Yu-shek, professor de ciências políticas na Universidade da Cidade de Hong Kong, certa vez descreveu o Epoch Times: “O Epoch Times adere ao espírito da veracidade”.

 
 
 

Jornal Epoch Times é removido de cadeia de lojas em Hong Kong, gerando preocupação sobre a pressão de Pequim

Jornal Epoch Times é removido de cadeia de lojas em Hong Kong, gerando preocupação sobre a pressão de Pequim
Os moradores de Hong Kong estão expressando suas preocupações depois que uma franquia local da popular cadeia de ...
Leia Mais >
 

Governo e empresários planejam campanha para estimular economia

Governo e empresários planejam campanha para estimular economia
Com o objetivo de movimentar a economia e estimular o turismo interno e o varejo, o governo brasileiro ...
Leia Mais >
 

EUA: Comitê Nacional Republicano aprova resolução contra extração forçada de órgãos na China

EUA: Comitê Nacional Republicano aprova resolução contra extração forçada de órgãos na China
O Comitê Nacional Republicano (RNC) dos Estados Unidos aprovou por unanimidade uma resolução em 2 de agosto de ...
Leia Mais >
 

Câmara aprova urgência para projeto que autoriza porte de arma para novas categorias profissionais

Câmara aprova urgência para projeto que autoriza porte de arma para novas categorias profissionais
O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou na tarde desta quarta-feira (14) o regime de urgência para o ...
Leia Mais >