Habilidades básicas para ser um ser humano saudável

Por Emma Suttie 

Quando comecei meus estudos em acupuntura, pensei que ia aprender sobre medicina. Em vez disso, aprendemos sobre saúde, pelo menos como base.

Embora a medicina chinesa tenha uma sólida compreensão da patologia da doença e dos muitos caminhos para seu tratamento e cura, é mais importante que ela tenha uma profunda compreensão do que significa ser saudável – não apenas no corpo, mas também na mente e no espírito.

Esse foco na saúde parece estar tristemente ausente na abordagem ocidental. Na medicina ocidental, o foco está na doença, e os estudantes de medicina passam muitos anos na escola estudando o corpo em estado de doença e as próprias doenças.

Essa diferença de foco também determina a abordagem de cada um. Um trata o ser humano e o outro trata a doença.

Os médicos podem estar interessados ​​na doença, mas os pacientes não. Os pacientes estão interessados ​​em como ser saudáveis ​​para que a doença nunca venha nos visitar. A medicina oriental sempre ensinou as pessoas a viver uma vida saudável, em primeiro lugar. Para conseguir isso, existem algumas práticas fundamentais que devemos estar cientes, entender e, em última análise, viver para ter sucesso.

Neste momento, essa sabedoria parece ser mais necessária do que nunca. As pessoas querem ser empoderadas para participar de sua própria saúde. A medicina chinesa define claramente as necessidades e relacionamentos essenciais de um ser humano (com a natureza, as estações do ano e os alimentos) que devem ser navegados adequadamente para manter a saúde. E chegar lá depende de nós. Às vezes, precisamos de orientação e apoio, mas, em última análise, somos responsáveis ​​por nossa própria saúde e bem-estar, e a medicina chinesa pode nos capacitar nessa jornada.

Sintonize com as emoções

Na visão oriental, somos mais do que nossos corpos físicos. O que sentimos e como processamos essas emoções são essenciais para viver uma vida saudável. As emoções humanas são complexas, e nossa medicina, por causa de sua ênfase em fenômenos físicos quantificáveis, nem sempre reconhece a conexão entre nossas emoções e saúde. (Felizmente, isso parece estar mudando à medida que desvendamos algumas das consequências da depressão, ansiedade, solidão e estresse).

Na cultura ocidental, temos uma tendência a evitar sentimentos desagradáveis ​​e, na superfície, isso é compreensível. Quero dizer, quem quer chafurdar na dor, na ansiedade ou no medo? Alcançar a inteligência emocional é o objetivo. Isso significa desenvolver uma consciência de que as situações em sua vida evocarão respostas emocionais (o que é normal), então tomar consciência da emoção provocada, reconhecê-la e dedicar um tempo para trabalhar com ela. Este processo simples é como começar a classificar nossas emoções de forma saudável. Para ajudar a processar o que você está sentindo, você pode conversar com um amigo de confiança, escrever sobre isso em um diário ou simplesmente tirar algum tempo para sentar com ela. Aproveitar esse tempo é algo que muitas vezes não consideramos, mas é parte integrante da manutenção da saúde.

Harmonize com a natureza

Viver em harmonia com a natureza pode parecer um conceito estranho em nossa era de vida dentro de casa. A natureza se tornou um lugar para onde “vamos” e não algo do qual fazemos parte intrinsecamente. Mas não faz muito tempo, nossos ancestrais viviam em harmonia com o mundo natural, e a vida fluía e refluía com a mudança das estações. A medicina oriental surgiu dessa interação harmoniosa entre os humanos e o mundo natural. Muitas de nossas doenças modernas estão enraizadas em nossa constante exposição a substâncias não naturais e se desconectam da beleza calmante do mundo natural.

Parece senso comum dizer isso, mas à medida que as temperaturas externas, os alimentos disponíveis e a luz do sol mudam – juntamente com a atividade de todas as plantas e animais do mundo – os seres humanos também mudam.

A medicina oriental ensina que devemos adaptar nossos hábitos e comportamentos alimentares a esse fluxo das estações.

A primavera significa um novo despertar, com plantas jovens subindo em direção ao céu. As energias expansivas da primavera tornam o momento perfeito para assumir novos hábitos e objetivos. Você seria sábio até mesmo em adiar a data de início das suas resoluções de Ano Novo até ter a assistência da primavera. A primavera está associada ao fígado e à raiva, tornando a primavera a melhor estação para lidar com quaisquer sentimentos não resolvidos de raiva, ressentimento ou frustração. A primavera é a melhor época para buscar desenvolvimento e crescimento pessoal e fazer planos para o futuro. A cozedura deve ser de duração mais curta e a temperaturas mais elevadas. A cor associada à primavera e ao fígado é verde, então comer alimentos verdes é mais benéfico nesta época do ano.

O verão, associado ao coração e à alegria, é quando as energias estão no auge e é a melhor época do ano para estar ao ar livre e ativo, aproveitando o sol. Acordar mais cedo e ir para a cama mais tarde maximiza o benefício dos raios nutritivos do sol. Comer alimentos mais leves e mais crus, como saladas, nos permite beneficiar de seus efeitos refrescantes, que são importantes nos meses mais quentes do ano.

O outono sinaliza uma virada para dentro e uma desaceleração, preparando-nos para o inverno. A queda está associada aos pulmões e sua energia é “deixar ir”. O outono é o melhor momento para concluir qualquer projeto inacabado para abrir espaço para novas experiências. Limpar, reorganizar e doar são atividades perfeitas para o outono e nos ajudam a deixar de lado tudo o que não precisamos mais.

O inverno está associado aos rins e representa nossas energias mais profundas e fundamentais. Este é o momento de se tornar menos ativo e ser mais reflexivo. O inverno é a estação do descanso, então ir para a cama mais cedo e acordar mais tarde ajuda a economizar energia nesses meses frios. Cozinhar os alimentos por mais tempo em fogo mais baixo, como se faz para sopas e ensopados, confere-lhes mais propriedades de aquecimento, protegendo-nos do frio externo.

Coma seu remédio

Pesquisas modernas mostraram que muitas doenças que atribuímos à genética são agora conhecidas por serem amplamente evitáveis ​​por meio de dieta e estilo de vida. Doença arterial coronariana (DAC), acidente vascular cerebral isquêmico (um acidente vascular cerebral causado por fluxo sanguíneo limitado para uma artéria específica no cérebro), diabetes tipo 2 e muitos tipos de câncer são algumas das causas mais prevalentes e evitáveis ​​de morbidade e mortalidade no mundo todo.

Pesquisas descobriram que a dieta mediterrânea está associada a um menor risco de câncer, diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares. Um estudo do New England Journal of Medicine mostra que as pessoas que comem a dieta mediterrânea tiveram uma incidência 30% menor de eventos cardiovasculares do que o grupo controle. A dieta mediterrânea geralmente se refere a uma dieta rica em frutas, nozes, sementes, vegetais, legumes e cereais, limitando a quantidade de carne e laticínios.

Outro exemplo bem documentado de mudanças no estilo de vida e na dieta que afetam as taxas de doenças vem da Finlândia. Em 1972, a Finlândia tinha a maior taxa de mortalidade por DCV (doença cardiovascular) do mundo. As autoridades examinaram fatores ambientais e fizeram mudanças, como aumentar a disponibilidade de produtos lácteos com baixo teor de gordura, promulgar legislação antifumo e melhorar as refeições servidas nas escolas. Em cinco anos, avanços significativos foram feitos e, em 1992, as taxas de mortalidade por DCV para homens de 35 a 64 anos caíram 57%. Dados recentes mostram uma diminuição de 75 por cento na mortalidade por DCV.

Usar os alimentos como remédio é um dos pilares da medicina oriental. Como consequência, os chineses, ao longo de muitos milênios, documentaram as propriedades curativas dos alimentos, atribuindo também uma natureza térmica a 

eles. Os médicos chineses conheciam bem e ensinavam a seus pacientes as propriedades curativas dos alimentos que cresciam em suas comunidades e como eles poderiam ser usados ​​para curar doenças e fortalecer o corpo contra doenças. Na cultura tradicional chinesa, comer “superalimentos” era um modo de vida.

Ouça seu corpo

Nossos corpos falam uma linguagem que gradualmente esquecemos. Costumamos confundir sede com fome, frustração com fadiga e estresse com desnutrição. As pistas que nossos corpos enviam são um sistema de entrega de informações que pode nos dizer o que precisamos e se algo está errado. Fome, fadiga, músculos doloridos, palmas das mãos suadas ou batimentos cardíacos acelerados são todas as maneiras pelas quais nossos corpos se comunicam conosco.

Algumas dessas comunicações acontecem abaixo do nível de nossa percepção consciente, mas outras não. As dores no estômago indicam que precisamos comer, a fadiga nos diz que precisamos descansar e as palpitações e as palmas das mãos suadas podem nos dizer que a pessoa de quem gostamos está por perto. Se nos sentimos energizados pelo exercício e exaustos pelos doces, essas são as principais lições para navegarmos em direção a uma vida melhor.

Quando se trata de saúde, os sinais que o corpo envia são sutis no início – como uma leve dor de cabeça. Se não prestarmos atenção, eles podem ficar mais altos e a dor pode se tornar intensa até que prestemos atenção. Nossos corpos estão sempre falando conosco; cabe a nós ouvir.

Saúde é uma prática diária

Em nossa sociedade, muitos de nós paramos de ouvir nossos corpos e nos dizem que devemos ouvir os médicos. Isso sugere que não sabemos o que precisamos e devemos deixar nossas decisões de saúde para outra pessoa. Na visão oriental, o médico trabalha com o paciente e confia na sabedoria do corpo para ajudá-lo a se curar quando necessário. Mas a ênfase está sempre em viver um estilo de vida saudável para que possamos evitar doenças sempre que possível.

A medicina oriental nos ensina que a saúde é alcançada quando o corpo, a mente e o espírito estão todos em estado de harmonia. A manutenção desse estado harmonioso é realizada através da atenção plena e cuidando de nós mesmos diariamente. Com essa atenção constante aos detalhes de nossas vidas, podemos fazer pequenos ajustes e corrigir facilmente qualquer coisa que possa estar torta. Esses ajustes tornam desnecessários ajustes maiores e reduzem drasticamente a chance de uma surpresa desagradável. A prática de melhorar gradualmente nosso estilo de vida diário é uma das maneiras mais profundas de cuidar de nós mesmos e garantir uma vida longa, saudável e feliz.

Emma Suttie é médica de acupuntura e fundadora do Chinese Medicine Living, um site dedicado a compartilhar como usar a sabedoria tradicional para viver um estilo de vida saudável no mundo moderno. Ela é uma amante do mundo natural, artes marciais e uma boa xícara de chá.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha
Um ex-membro de uma gangue criminosa japonesa disse que testemunhou o comércio de órgãos na China, tendo visto ...
Leia Mais >
 

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva
David Stillwell, é um general de brigada americano reformado. De 2011 a 2013 ele foi diplomata na embaixada ...
Leia Mais >
 

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA
O presidente Jair Bolsonaro discursou a uma multidão em Santa Catarina no sábado. Ele falou em “luta do ...
Leia Mais >
 

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL
Um impasse para o Brasil? Ocorreu a cúpula do BRICS. China e Rússia falam em uma expansão do ...
Leia Mais >