Guerra da China contra os Cristãos

Por John Mac Ghlionn

Na China, há uma guerra ocorrendo. O Cristianismo está sob ataque. Como avisa Azeem Ibrahim da Política Externa, o regime chinês tem a religião mais popular do mundo em sua mira.

Três anos atrás, o Vaticano assinou um acordo com o Partido Comunista Chinês (PCC). Descrito na época como “fruto de uma reaproximação gradual e recíproca”, o acordo pretendia dar maior liberdade aos religiosos na China. Hoje, porém, a “reaproximação recíproca” foi substituída por hostilidade desenfreada.

“A repressão aos cristãos”, escreve Azeem, “seja qual for sua denominação, está em seu ponto mais alto desde a Revolução Cultural”.

Claro, o total desdém do regime chinês pela religião organizada é visível há décadas. Desde o primeiro Plano Quinquenal de Mao Tsé-Tung, que se baseava na crença de que o socialismo se tornaria a ideologia dominante na China, a religião tem sido um assunto tabu.

Nos últimos tempos, porém, a repressão à religião, especialmente ao cristianismo, foi particularmente brutal. Desde 2018, o mesmo ano em que o Vaticano e o PCC assinaram o acordo, um grande número de igrejas foram fechadas em toda a China; cerca de 10.000 cristãos foram detidos pelo regime chinês. De acordo com Ibrahim, vários membros proeminentes do clero foram condenados a longas sentenças de prisão. Sem outra opção, um grande número de cristãos “recorreram a igrejas clandestinas na tentativa de evitar o assédio policial”.

Com o PCC planejando lançar um sistema “Uma Pessoa, Um Arquivo” em um futuro próximo, os oficiais do governo estão ocupados preenchendo relatórios sobre os adoradores. Esta informação está sendo usada para discriminar pessoas no setor de emprego, escreve Ibrahim.

Além disso, em todo o país, ícones de Jesus Cristo e da Virgem Maria foram substituídos por retratos do atual líder do PCC, Xi Jinping. Isso não é necessariamente surpreendente, já que o culto a Xi parece estar ficando mais forte.

Na China, um país onde faltam significado e esperança, dezenas de milhões de cristãos se encontram sob ataque. A mensagem do PCC é clara: a homenagem deve ser prestada a uma pessoa e apenas a uma pessoa. O nome dessa pessoa é Xi Jinping.

O pilar de uma igreja católica demolida em Puyang, província de Henan, em 13 de agosto de 2018 (Greg Baker / AFP / Getty Images)

Religião Dá Esperança

Por décadas, pesquisas mostraram que a religião dá esperança aos desesperados. Na China, quase metade da população sobrevive com uma renda mensal de 1.000 yuans (cerca de US$ 140). Para essas pessoas, a vida é incrivelmente difícil. Embora o cristianismo não ajude a pagar as contas diretamente, ele fornece às pessoas um maior senso de estrutura. Com uma estrutura maior, a pessoa está em um lugar melhor, tanto espiritual quanto psicologicamente, para lidar com as tensões inevitáveis ​​da vida.

Como escreve a pesquisadora Luna Greenstein, as religiões tradicionais ajudam a fomentar um senso de comunidade. “Essas facetas podem ter um grande impacto positivo na saúde mental – a pesquisa sugere que a religiosidade reduz as taxas de suicídio, alcoolismo e uso de drogas”.

No entanto, aos olhos do regime chinês, uma religião como o cristianismo é uma ameaça ao sistema. De forma bastante previsível, o regime respondeu ao Cristianismo da mesma forma que respondeu ao Bitcoin. As criptomoedas ameaçam a legitimidade do yuan digital, e o cristianismo, pelo menos aos olhos daqueles em Pequim, ameaça a legitimidade do PCC. Ambos devem ser desmontados e finalmente destruídos. Isso é o que acontece quando uma nação é governada por déspotas. A esperança está sempre sufocada. A liberdade de escolha desaparece.

A necessidade da religião

Como observou o escritor Daniel Peterson, “as pessoas religiosas tendem a ser muito mais felizes e mais satisfeitas do que os irreligiosos”. Na China, as crises de saúde mental estão aumentando. Pessoas religiosas, como Peterson descreve, tendem a “lidar melhor com as crises”. Para aqueles 600 milhões de pessoas que vivem com menos de US$ 40 por semana, todo dia é uma crise, e existencial. Além disso, de acordo com Peterson, os religiosos “se recuperam mais rápido do divórcio, luto e demissão”. Além disso, por desfrutar de “taxas mais altas de estabilidade conjugal e satisfação conjugal”, os religiosos tendem a ser pais e membros da comunidade melhores. Não surpreendentemente, eles também são menos propensos a se envolver em atividades criminosas.  Por último, os religiosos idosos, embora não sejam imunes aos efeitos da depressão, têm menos probabilidade de sofrer da doença do que seus colegas céticos.

Considerando que os chineses parecem ter se apaixonado pelo casamento e um número cada vez maior é atraído pela ideia do divórcio, o cristianismo tem o potencial de melhorar a vida de milhões de pessoas. Isso não quer dizer que a religião seja uma panacéia para todos os males da vida. Não é. Então, novamente, nada é. Mas em um país onde a esperança está desesperadamente em falta, o cristianismo oferece às massas uma tábua de salvação legítima. Mas o PCC não está interessado em dar corda de salvamento. Seus membros estão empenhados em jogá-las fora. O regime está interessado em uma coisa e apenas uma coisa: manter seu controle vicioso sobre a sociedade.

Leia também:

Vinte anos atrás, o cientista político Robert D. Putnam lançou “Bowling Alone”, um livro inovador que descreveu os problemas enfrentados pela sociedade em geral. Em uma passagem particularmente notável, Putman se concentrou nos frequentadores da igreja. Eles têm, de acordo com sua pesquisa, “muito mais probabilidade do que outras pessoas de visitar amigos, se divertir em casa, participar de reuniões de clube e pertencer a grupos esportivos; sociedades profissionais e acadêmicas; grupos de serviço escolar; grupos jovens; clubes de serviço; clubes de hobby ou jardim; grupos de literatura, arte, discussão e estudo; fraternidades e irmandades escolares; organizações agrícolas; clubes políticos; grupos de nacionalidade; e outros grupos diversos”. Com este parágrafo, é fácil ver por que o regime chinês reprimiu o cristianismo.

É mais provável que os crentes se reúnam, se envolvam em discussões profundas e honestas e, muito possivelmente, questionem a própria natureza da existência. Na China, questionar a natureza da existência não é permitido e, por isso, os cristãos devem ser silenciados.

As visões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 

 
 
 

Diplomatas dos EUA na Colômbia sofrem da ‘síndrome de Havana’, segundo o WSJ

Diplomatas dos EUA na Colômbia sofrem da ‘síndrome de Havana’, segundo o WSJ
A embaixada dos Estados Unidos na Colômbia está investigando vários casos da chamada " síndrome de Havana " ...
Leia Mais >
 

Taiwan: não nos curvaremos à China

Taiwan: não nos curvaremos à China
Mais de uma dúzia de pessoas estão mortas na China. Severas enchentes no país causaram o transbordamento de ...
Leia Mais >
 

Huawei: entenda preocupações acerca da empresa

Huawei: entenda preocupações acerca da empresa
Durante a 1ª Guerra Mundial, a Grã-Bretanha fez do seu conhecimento de uma tecnologia chave uma arma formidável ...
Leia Mais >
 

Quem realmente foi Che Guevara?

Quem realmente foi Che Guevara?
Um ex-chefe da inteligência venezuelana foi preso na Espanha. À ocasião, uma jornalista espanhola acusou laços de partidos ...
Leia Mais >