Guaidó: “O parlamento vai exercer suas funções seja como for” (Vídeo)

Por Voice of America

O presidente encarregado da Venezuela, Juan Guaidó, disse na terça-feira (13) que está “firme” em seu plano de agir para “cessar a usurpação” e para que sejam realizadas “eleições livres” no país.

Falando a jornalistas, Guaidó disse que a Assembleia Nacional continuará funcionando apesar das ações do regime de Nicolás Maduro, e disse que “continuará a exercer suas funções” e cumprirá a Constituição.

“Se eles querem continuar pelo caminho da perseguição, nós estamos aqui, firmes, de pé”, enfatizou.

Seu comentário responde à decisão da chavista Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela, na segunda-feira, de retirar a imunidade parlamentar de quatro deputados e criar uma comissão para avaliar o avanço das eleições parlamentares.

El presidente interino de #Venezuela, Juan Guaidó, rechaza allanamiento de inmunidad a diputados opositores. http://ow.ly/wuRu50vwsox

تم النشر بواسطة ‏‎Voz de América‎‏ في الثلاثاء، ١٣ أغسطس ٢٠١٩

“Hoje eles estão no seu pior momento”, disse Guaidó sobre a ditadura. “O parlamento exercerá suas funções, seja como for”, disse ele, indicando que estão dispostos a continuar até que o país esteja livre.

Ele adiantou que novos embaixadores na Grécia e em Israel serão nomeados. Este e outros anúncios eram esperados durante a sessão regular da Assembleia Nacional.

Até agora, este ano, o Supremo Tribunal de Justiça acusou 17 deputados e dois suplentes pelos mesmos crimes contra o Estado, segundo os a mídia local, e com estes últimos parlamentares seriam um total de 19.

Guaido disse que “a perseguição tem sido muito séria não apenas para os deputados, mas para o povo”.

“Mensagem clara ao regime”

O presidente encarregado da Venezuela disse que Nicolás Maduro foi advertido sobre o que acontecerá se avançar as eleições, como ele sugeriu.

Ele disse que a mesma coisa acontecerá a eles como quando “tentaram roubar” as eleições no passado: “Eles vão se afogar em ignorância, isolamento, falta de financiamento”.

Guaidó explicou que eles continuarão “sem qualquer apoio internacional, (ou) acesso a qualquer tipo de crédito porque não representam o Estado da Venezuela”.

Os Estados Unidos, juntamente com dezenas de países da região e do mundo, permanecem ao lado do presidente encarregado Juan Guaidó e dos venezuelanos que querem a saída de Maduro do poder.

O regime ditatorial da Venezuela disse que a medida de segunda-feira foi uma retaliação ao apoio dado por Guaidó e pela Assembleia Nacional às sanções norte-americanas que prejudicam seu mandato, começando com fontes de financiamento e acesso a mercados.

 
 
 

Câmara dos EUA aprova projeto de lei para apoiar manifestantes de Hong Kong

Câmara dos EUA aprova projeto de lei para apoiar manifestantes de Hong Kong
Por Eva Fu A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovou por unanimidade, em 15 de outubro, uma ...
Leia Mais >
 

Bolsonaro não vê justa causa para sair do PSL, diz porta-voz

Bolsonaro não vê justa causa para sair do PSL, diz porta-voz
Por Pedro Rafael Vilela, Agência Brasil O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, afirmou nesta segunda-feira (15) ...
Leia Mais >
 

Peste suína na China aumenta exportações de carne de porco no Brasil

Peste suína na China aumenta exportações de carne de porco no Brasil
Por Fernando Lopes, Epoch Times As exportações da carne suína para o país Chinês seguem aumentando. O ritmo ...
Leia Mais >
 

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong
Os Estados Unidos e as autoridades europeias manifestaram alarme ao saber das detenções de vários ativistas pró-democracia de ...
Leia Mais >