Grande parte dos presos na Venezuela depende de parentes para comer, afirma relatório

Por VOA

Pessoas privadas da liberdade na Venezuela dependem de seus familiares para poderem se alimentar e não possuem infraestrutura adequada nos centros de detenção para fazer suas refeições, denunciou o Observatório Venezuelano de Prisões (OVP), na segunda-feira, em um relatório.

Carolina Girón, diretora do OVP, explicou em entrevista coletiva virtual que, para a reportagem “A fome atinge a população carcerária venezuelana”, foram realizadas pesquisas em 34 presídios do país com detentos, advogados e familiares de presidiários, entre outros.

Os resultados apresentados por Girón indicam que 71,6% dos entrevistados não recebem alimentos do ministério que o preside e dependem principalmente de familiares para se alimentar, outros em menor proporção dependem de outros presidiários e a outra parte não recebe apoio de ninguém.

28,4% dos que recebem alimentação do Estado relataram que a alimentação “não é variada”. A pesquisa determinou que a média de refeição é apenas uma por dia.

Além da questão do acesso à alimentação, Girón destacou que o sistema prisional do país não possui “nem infraestrutura nem políticas para manter as pessoas com dignidade”.

“Não há refeitórios, os poucos refeitórios não estão sendo usados. Não há cozinhas, e a infraestrutura que havia na cozinha também não está sendo utilizada. Por isso, as pessoas privadas da liberdade cozinham e comem na cela”, indicou.

O acesso à água nas prisões também é “deficiente”, afirmou Girón. “64% [dos inquiridos] afirmam não ter abastecimento de água”, afirmou.

O observatório indicou que 97,2% dos entrevistados afirmaram ter perdido peso durante a detenção.

“É normal as pessoas perderem peso quando são presas, mas não é normal perder mais de 40% do seu peso”, relatou o diretor da OVP.

O Observatório Venezuelano de Prisões (OVP) também expressou sua preocupação com o aumento das mortes por problemas de saúde nas prisões. Em 2020 foram registrados 184 e no primeiro trimestre de 2021, cerca de 69.

O estado venezuelano nada declarou sobre esta situação, afirma Girón.

O observatório apresenta mais de uma dezena de recomendações no relatório, entre elas a preparação de um projeto de reativação do abastecimento alimentar em estabelecimentos prisionais ou de saneamento e formação dos espaços destinados ao preparo e armazenamento de alimentos nesses estabelecimentos.

No início deste ano, a ministra das Relações Penitenciárias, Mirelys Contreras, se reuniu com o ministro da Alimentação, Carlos Leal, para “fortalecer as articulações” para garantir a alimentação dos privados de liberdade, publicou em seu Twitter.

Além disso, em junho deste ano, o líder venezuelano Nicolás Maduro anunciou uma comissão especial para realizar uma “revolução profunda e acelerada” no sistema judicial do país.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Rússia corta fornecimento de energia elétrica da Finlândia

Rússia corta fornecimento de energia elétrica da Finlândia
O fornecedor russo de energia RAO A Nordic Oy cortou o fornecimento de eletricidade para a Finlândia no ...
Leia Mais >
 

“RÚSSIA CONSIDERA ESSA UMA ‘GUERRA SANTA’ CONTRA O OCIDENTE”: EX-ASSESSOR DE PUTIN | ENTREVISTA

“RÚSSIA CONSIDERA ESSA UMA ‘GUERRA SANTA’ CONTRA O OCIDENTE”: EX-ASSESSOR DE PUTIN | ENTREVISTA
O que se passa na mente de Vladimir Putin? O Dr. Andrei Illarionov. Andrei foi assessor econômico de ...
Leia Mais >
 

“FINLÂNDIA PRECISA SE CANDIDATAR À OTAN ‘SEM DEMORA’”: PRIMEIRA-MINISTRA

“FINLÂNDIA PRECISA SE CANDIDATAR À OTAN ‘SEM DEMORA’”: PRIMEIRA-MINISTRA
A primeira-ministra da Finlândia disse que o país precisa entrar na OTAN “sem demora”. A nação tem se ...
Leia Mais >
 

ALLAN DOS SANTOS, DO TERÇA LIVRE, FALA SOBRE ÚLTIMO BANIMENTO E LIBERDADE DE IMPRENSA

ALLAN DOS SANTOS, DO TERÇA LIVRE, FALA SOBRE ÚLTIMO BANIMENTO E LIBERDADE DE IMPRENSA
Allan dos Santos, jornalista e fundador do canal Terça Livre, teve uma nova conta no youtube banida nesta ...
Leia Mais >