Graduados de West Point desafiam liderança da Academia Militar em uma carta

Por Enrico Trigoso

 

Três oficiais militares aposentados dos EUA — LTG Thomas McInerney; MG Paul Vallely  e Coronel Andrew O’Meara Jr. – assinaram uma carta de autoria dos “Graduados preocupados de West Point e The Long Gray Line”, protestando contra vacinas obrigatórias, aulas de Teoria Crítica da Raça (TCR), condições sanitárias, ativismo político progressivo e outras “ações sociais” na academia militar.

“The Long Gray Line” refere-se ao continuum de graduados da Academia Militar dos Estados Unidos em West Point, Nova Iorque.

“Queríamos desafiar a liderança da Academia e do Departamento de Defesa em suas ações lacradoras, TCR, treinamento em Diversidade e outras discrepâncias na Academia. Vimos que isso está difundido nas Academias Naval e da Força Aérea, então sabíamos que era dirigido pelos mais altos níveis de nossa liderança militar”, disse Vallely ao Epoch Times.

Epoch Times Photo
Paul E Vallely MG US Army (Ret) (Cortesia de Paul E Vallely)

“Todos nós queremos que os militares voltem a treinar e liderar nossas Forças Armadas para proteger a América e seus cidadãos”, acrescentou Vallely, que vem soando o alarme contra uma tomada socialista dos Estados Unidos.

A carta, intitulada “Declaração de traição de West Point e da Long Gray Line”, pede as seguintes informações:

  1. Uma explicação para as irregularidades na aplicação do Código de Honra.
  2. Uma justificativa para a vacinação obrigatória de cadetes contra o vírus que causa a COVID, apesar das reações adversas generalizadas à inoculação, bem como disposições para exceções para cadetes com objeções religiosas.
  3. Uma explicação para o ensino da Teoria Crítica da Raça na Academia que constitui um ataque à Constituição e à nossa República constitucional. Este é um comportamento que constitui conduta inconstitucional, se não sedição.
  4. Uma explicação da má gestão relatada do refeitório de cadetes, resultando em condições insalubres, comida inadequada preparada para a alimentação e comida servida que supostamente era imprópria para consumo.
  5. Ativismo político por parte de membros civis do corpo docente constituindo atividade política que viola a política de longa data da Academia e dos Regulamentos do Exército.
  6. A prática da dependência exclusiva de oradores convidados radicais e progressistas para se dirigir ao Corpo de Cadetes. Essa prática resulta em ativismo político preconceituoso por parte do Estado-Maior e do Corpo Docente em violação ao Regulamento do Exército.
  7. Uma explicação para a falha do Superintendente em responder a correspondência questionando sobre problemas identificados na Academia.

Colocando a verdadeira missão em perigo

Eles acreditam que há uma rejeição dos princípios da academia militar poderia colocar em risco sua missão original de “educar, treinar e inspirar o Corpo de Cadetes para que cada graduado seja um líder comissionado de caráter comprometido com os valores do Dever, da Honra e do País, preparado para uma carreira de excelência profissional e serviço à Nação como oficial do Exército dos Estados Unidos”.

Eles enviaram a carta na esperança de que as autoridades prestem atenção aos seus conselhos sobre os problemas que identificaram.

A carta foi enviada ao Superintendente da Academia, bem como ao Presidente e Diretores da Associação de Graduados (AOG), alegando que a West Point Academy está “conduzindo negócios de uma maneira que ignora princípios consagrados pela história da Academia, Lei e nosso juramento de posse”.

“Quando você tira tempo para ensinar uma teoria crítica de raça e ideologia comunista, você está tirando o tempo que poderia ser usado para aprender a atirar melhor, como operar aviões melhor, cuidar de aviões através da manutenção; e mesmo dentro do corpo médico das forças armadas, afetou muitos médicos e enfermeiros. Então é uma coisa terrível. Eles precisam parar com isso agora. Eles precisam parar de impor esses mandatos”, disse Vallely recentemente ao Epoch Times.

Prazo para o mandato de vacinação

À medida que se aproxima o prazo de 30 de junho para o cumprimento do mandato de vacinação contra a COVID-19 pelos militares dos EUA, oficiais do Exército dos EUA afirmam publicamente que uma porcentagem muito pequena de seus membros não está vacinada, relatando que 96% ou mais de seus membros estão totalmente vacinados.

No entanto, a taxa de vacinação do Exército pode ser muito inferior a 96%, disse  um oficial sênior do Exército em serviço ativo ao The Defender em anonimato.

O Epoch Times entrou em contato com as relações públicas da West Point para comentários.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha
Um ex-membro de uma gangue criminosa japonesa disse que testemunhou o comércio de órgãos na China, tendo visto ...
Leia Mais >
 

Trump: FBI invadiu sua casa na Flórida, propriedade está ‘sob cerco’

Trump: FBI invadiu sua casa na Flórida, propriedade está ‘sob cerco’
O ex-presidente Donald Trump disse que sua casa em Mar-a-Lago na Flórida está "sob cerco" e "ocupada por ...
Leia Mais >
 

Biden se diz “preocupado” com manobras da China, mas não crê em passo além

Biden se diz “preocupado” com manobras da China, mas não crê em passo além
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou nesta segunda-feira estar "preocupado" com o uso de armas pela ...
Leia Mais >
 

Alimentos ultraprocessados podem contribuir para perda cognitiva

Alimentos ultraprocessados podem contribuir para perda cognitiva
Dificuldade de lembrar datas, fazer cálculos ou realizar tarefas básicas do dia a dia. As habilidades cognitivas geralmente ...
Leia Mais >