Spygate ajuda Trump a expurgar corrupção de uma só vez

Por Joshua Philipp

Comentário

Os Estados Unidos estão testemunhando a história, uma vez que uma rede corrupta de funcionários de carreira do “Deep State” tem trabalhado ativamente contra o presidente Donald Trump e os interesses do povo americano.

Durante as eleições de 2016, essa rede – ao lado de políticos, da campanha de Hillary Clinton e de autoridades governamentais estrangeiras – ajudou a criar a falsa narrativa que Trump conspirou com a Rússia. O objetivo era primeiro impedi-lo de se tornar presidente e depois conseguir miná-lo tanto quanto possível.

Essas pessoas têm sido a fonte da criação da falsa narrativa de conluio com a Rússia, vazamentos não autorizados e pedidos de “impeachment”. Eles semearam o caos, colocaram os americanos uns contra os outros e reuniram uma base de apoio público por meio de desinformação e agitação emocional.

Este escândalo Spygate, envolveu o governo Obama usando os poderes das agências de espionagem e sistemas legais corruptos para vigiar um adversário político, numa tentativa de alterar o resultado de uma eleição. A espionagem na campanha de Trump envolveu algumas das principais autoridades de Obama, como a conselheira de segurança nacional Susan Rice e o diretor da CIA, John Brennan.

Enquanto isso, os principais participantes da equipe de Clinton e do Comitê Nacional Democrata estavam envolvidos na criação de desinformação e na sua disseminação através de uma rede no governo dos Estados Unidos e em agências de notícias legado.

No entanto, essas tentativas falharam até agora. Em vez disso, eles reuniram todos os elementos corruptos nas agências de inteligência dos Estados Unidos, no Departamento de Justiça, no Departamento de Estado, nos governos municipais, no Senado, no Congresso, no judiciário, em organizações sem fins lucrativos, agências de notícias legado e empresas privadas.

O Spygate, e a conspiração Trump-Rússia que ele ajudou a criar, expuseram toda essa rede corrupta e cada pessoa envolvida. Reuniu em um só lugar as principais figuras de corrupção no governo dos Estados Unidos.

E o número de funcionários envolvidos não é pequeno. Embora importantes autoridades do governo Obama tenham desempenhado papéis cruciais na instigação e execução das investigações sobre a campanha Trump, autoridades do governo parecem ter se envolvido.

Conexão do governo estrangeiro

A força dos elementos corruptos que Trump enfrentou não foi apenas nos Estados Unidos, pois até mesmo governos estrangeiros conspiraram no escândalo Spygate.

Tomemos por exemplo o fato de que o Reino Unido estava compartilhando informações sobre a campanha Trump com membros do comitê de inteligência dos Estados Unidos no final de 2015. Foi então que o diretor da CIA, Brennan, usou inteligência não oficial do Reino Unido para forçar o FBI a abrir uma investigação oficial.

Foi também um ex-funcionário da inteligência britânica, Christopher Steele, que se tornou o principal defensor das falsas alegações de que Trump conspirou com a Rússia. Reivindicações que agora foram definitivamente provadas falsas pela investigação do Conselho Especial Robert Mueller.

E foi o diplomata de maior escalão da Austrália no Reino Unido, Alexander Downer, que impulsionou a afirmação de que George Papadapolous, assessor de campanha de Trump de baixo escalão, disse a ele que ele tinha conhecimento sobre o fato de que a Rússia tinha e-mails de Hillary Clinton – algo que Papadapolous negou a si mesmo. Notavelmente, Downer desempenhou um papel fundamental em 2006 para aprovar uma doação de US$ 25 milhões da Austrália para a Fundação Clinton, que é uma das maiores da história da fundação.

No entanto, a conspiração que foi encenada reuniu todos esses indivíduos corruptos – que ousaram fraudar uma eleição, manchar a presidência e enganar uma nação – e os reuniu em um único escândalo para serem expostos imediatamente.

Joshua Philipp é um repórter investigativo sênior do Epoch Times.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

 
 
 

EUA podem proibir a entrada de oficiais chineses envolvidos na perseguição ao Falun Gong

EUA podem proibir a entrada de oficiais chineses envolvidos na perseguição ao Falun Gong
O Departamento de Estado dos Estados Unidos está procurando aumentar a aplicação dos controles de imigração contra os ...
Leia Mais >
 

Turma da Mônica pode ter personagem gay

Turma da Mônica pode ter personagem gay
O cartunista Maurício de Sousa, criador da Turma da Mônica, anunciou que poderá incluir um personagem homossexual nas ...
Leia Mais >
 

Maconha diminui fertilidade e chances de concepção, alerta relatório médico canadense

Maconha diminui fertilidade e chances de concepção, alerta relatório médico canadense
A maconha pode afetar a fertilidade em mulheres e homens ao diminuir a contagem de espermatozóides, atrasando ou ...
Leia Mais >
 

Facebook acaba de anunciar sua nova moeda virtual, a Libra

Facebook acaba de anunciar sua nova moeda virtual, a Libra
A nova moeda digital chamada Libra foi anunciada nesta terça-feira (18) pelo Facebook, a maior rede social virtual ...
Leia Mais >