Giuliani detalha as etapas que executou para autenticar o material de Hunter Biden

Por Ivan Pentchoukov

O ex-prefeito da cidade de Nova Iorque, Rudy Giuliani, diz que passou três semanas autenticando os materiais de uma cópia de um disco rígido que supostamente pertencia a Hunter Biden, filho do candidato democrata à presidência Joe Biden.

O conteúdo do disco é protagonista de uma série de polêmicas matérias do New York Post que permitem aprofundar os negócios de Hunter Biden com a China e a Ucrânia.

Giuliani, advogado pessoal do presidente Donald Trump, disse ao Epoch Times que ele e seu advogado, Robert Costello, verificaram algumas das notas escritas no disco com amostras da caligrafia de Hunter Biden, compararam detalhes sobre reuniões não divulgadas com informações confidenciais que já haviam obtido de outras fontes e verificado os endereços de e-mail no cofre de dados, entre outras etapas. Giuliani disse que o disco contém aproximadamente 800 fotos pessoais de Hunter Biden, incluindo algumas que Giuliani diz mostrar atos ilegais. O Epoch Times não conseguiu verificar de forma independente a afirmação, já que Giuliani se recusou a fornecer uma cópia dos arquivos.

Costello teria recebido uma cópia do disco rígido do proprietário de uma oficina de Mac em Wilmington, Delaware, em agosto e a deu a Giuliani três semanas atrás, de acordo com o ex-prefeito. O ex-chefe de estratégia de Trump, Stephen Bannon, negociou um acordo exclusivo com o Post, e Giuliani entregou uma cópia do disco ao jornal em 10 de outubro. O Post conduziu seu próprio esforço de autenticação, disse Giuliani.

O acordo exclusivo com o Post deu ao jornal uma vantagem na cobertura do material, mas permitiu que Giuliani começasse a liberar o material para outros veículos, disse o ex-prefeito.

Junto com a cópia do disco, o proprietário da oficina de conserto de Mac deu a Costello um recibo datado de 12 de abril de 2019, que supostamente gerou o dia em que Hunter Biden deixou um laptop danificado pela água e solicitou que os dados fossem recuperados. Depois de Biden não ter buscado o laptop por 90 dias e o dono da loja, John Paul Mac Isaac, não ter conseguido entrar em contato com ele, Mac Isaac tomou posse do laptop e revisou seu conteúdo. Mac Isaac também deu a Costello uma cópia de uma suposta intimação para o laptop, datada de 9 de dezembro de 2019, que o FBI teria usado para apreender o laptop no mesmo mês.

Um FBI e o Gabinete do Procurador do Distrito de Delaware se recusaram a confirmar a autenticidade da intimação. O advogado de Hunter Biden não respondeu a um pedido de comentário. Mac Isaac não respondeu a um pedido de entrevista.

Apesar de estar convencido da autenticidade do conteúdo do disco, Giuliani não descartou a possibilidade, no caso de “o dono da loja estar mentindo”, de o laptop ter sido trazido por outra pessoa que não Hunter Biden.

De acordo com um áudio divulgado pelo The Daily Beast, Mac Isaac disse que um problema médico o impediu de reconhecer a pessoa que trouxe o laptop. O proprietário também ofereceu diferentes relatos sobre o que aconteceu com o laptop e evitou perguntas sobre o cronograma dos eventos. Houve um intervalo de cinco meses entre Mac Isaac tomar posse do laptop e entregá-lo ao FBI; e um intervalo de oito meses entre a entrega ao FBI e o primeiro contato com o advogado de Giuliani.

A primeira história do Post sobre Hunter Biden rapidamente se tornou o artigo mais popular no site do jornal e, depois que o Twitter e o Facebook tomaram medidas sem precedentes para impedir que as pessoas compartilhassem o artigo, ele se tornou o centro das atenções nacionais quando figuras proeminentes expressaram sua indignação com a censura aparente antes das eleições. O artigo descreveu supostos e-mails de Hunter Biden que sugeriam que no final de março ou abril de 2016 ele apresentou seu pai, Joe Biden, que era o vice-presidente na época, a um executivo sênior da empresa de gás ucraniana Burisma. Na época, Hunter Biden ocupava um cargo remunerado no conselho de administração da Burisma.

“Caro Hunter, obrigado por me convidar para DC e me dar a oportunidade de conhecer seu pai e passar [sic] tempo juntos. É realmente [sic] uma honra e um prazer”, diz o suposto email.

O executivo, Vadym Pozharskyi, estava em Washington pouco antes do suposto e-mail de 17 de abril de 2015 ter sido enviado, de acordo com um itinerário publicado pelo Comitê de Segurança Interna do Senado. A campanha de Biden disse ao Politico que não há registro formal de uma reunião, mas não descartou que Biden e Pozharskyi se encontraram informalmente.

O trabalho de Hunter Biden pelo Burisma chamou a atenção durante o processo de impeachment contra Trump em 2019, que surgiu de uma ligação entre o Presidente dos Estados Unidos e o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky. Na ligação, Trump pediu a Zelensky que investigasse a demissão do principal promotor da Ucrânia, Victor Shokin. Foi registrado publicamente que Joe Biden se gabou de forçar a demissão de Shokin ao ameaçar reter US$ 1 bilhão em garantias de empréstimos dos EUA à Ucrânia. Em uma declaração juramentada, Shokin disse que foi demitido devido à pressão de Biden porque estava investigando o Burisma.

Em 15 de outubro, um dia após o primeiro artigo sobre os supostos e-mails da Ucrânia, o Post publicou um artigo detalhando os supostos e-mails entre Hunter Biden e seus associados sobre um empreendimento envolvendo uma empresa de energia chinesa que desde então desapareceu. Um dos supostos e-mails, datado de 13 de maio de 2017, lista uma possível posição para Biden como “Presidente / Vice-Presidente dependendo do acordo com a CEFC”, uma sigla que se refere ao antigo conglomerado CEFC China Energy Co., com sede em Xangai. O suposto e-mail, intitulado “Expectations”, também lista o que parece ser uma proposta de quebra de participação entre Biden, seus associados e uma participação mantida por Hunter Biden para “o grandalhão”.

Em outro suposto e-mail datado de 2 de agosto de 2017, Hunter Biden descreve um acordo de $ 30 milhões que ele negociou com Ye Jianming, o então presidente da CEFC que desde então desapareceu na China. Ye rapidamente ganhou destaque na China e no exterior nos anos anteriores a 2017, mas suas perspectivas ruíram em 2018 após as autoridades dos EUA acusarem sua empresa e seus associados de subornar funcionários africanos de alto escalão. A CEFC pediu concordata no início deste ano.

O Post também publicou uma suposta carta de comprimisso do advogado entre Hunter Biden e Patrick Ho, um dos principais tenentes de Ye. Biden deveria receber US$ 1 milhão por “consultoria sobre questões relacionadas à lei dos EUA e consultoria relacionada à contratação e análise jurídica de qualquer escritório de advocacia ou advogado dos EUA”, afirma a carta. Posteriormente, Ho cumpriu pena de três anos como parte de um caso de suborno na África e foi deportado para Hong Kong. Hunter Biden disse ao The New Yorker que concordou em representar Ho depois que Ye disse a ele que estava preocupado com o fato de que “a polícia dos EUA estava investigando” Ho.

Com informações do repórter do Epoch Times Zachary Stieber.

Siga Ivan no Twitter: @ivanpentchoukov

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
 
 

Epstein e Bill Clinton viajaram juntos, Maxwell confirma em novo comunicado divulgado

Epstein e Bill Clinton viajaram juntos, Maxwell confirma em novo comunicado divulgado
Ghislaine Maxwell, associada de longa data do falecido criminoso sexual Jeffrey Epstein, confirmou em uma declaração recentemente divulgada ...
Leia Mais >
 

Trump: conta em banco chinês?

Trump: conta em banco chinês?
Por NTD Notícias A eleição americana se aproximando destaca os negócios de cada candidato, particularmente com a China. ...
Leia Mais >
 

Sócio de Hunter Biden afirma que falou com Joe Biden sobre acordo com China

Sócio de Hunter Biden afirma que falou com Joe Biden sobre acordo com China
O ex-parceiro de negócios de Hunter Biden disse na quinta-feira que se encontrou com o ex-vice-presidente Joe Biden ...
Leia Mais >
 

FDA aprova primeiro tratamento COVID-19 com remdesivir

FDA aprova primeiro tratamento COVID-19 com remdesivir
A Food and Drug Administration dos EUA aprovou o remdesivir, medicamento antiviral da Gilead Sciences, na quinta-feira, para ...
Leia Mais >