Gestapo chinesa deseja ‘erradicar’ grupo espiritual em âmbito mundial, revela relatório

Por Frank Fang

Por quase duas décadas, uma agência secreta trabalhou nas sombras para cumprir a ordem dos principais líderes do Partido Comunista Chinês: “erradicar” um grupo espiritual considerado uma ameaça ao regime ateu.

Conhecido como o “Agência 610”, o grupo foi estabelecido em 1999 como um órgão “extralegal” para alvejar especificamente os praticantes do Falun Gong. Embora haja muito pouca informação pública disponível sobre a Agência, incluindo sua cadeia de comando, o que está claro é que suas atividades não se limitam às fronteiras da China, de acordo com um grupo francês de especialistas militares.

No total, a agência tinha cerca de 15.000 pessoas na China e no exterior com a tarefa de suprimir os praticantes do Falun Gong, disse um relatório de 650 páginas divulgado recentemente pelo Instituto de Estudos Estratégicos das Escolas Militares, um think tank financiado pelo exército francês. O relatório detalha as expansivas atividades de influência global do Partido Comunista Chinês (PCC).

O Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, é uma prática espiritual que consiste em exercícios de meditação e ensinamentos morais baseados na verdade, benevolência e tolerância. A popularidade do grupo aumentou na China durante a década de 1990, e as estimativas colocam o número de seus praticantes entre 70 milhões e 100 milhões no final da década.

Jiang Zemin, o líder do PCC na época, não gostou da popularidade do grupo espiritual.

“Jiang Zemin viu isso como uma ameaça à sobrevivência do Partido, que não podia tolerar a existência de uma estrutura social fora de seu controle”, segundo o relatório.

Como resultado, Jiang estabeleceu a “Agência 610” em 10 de junho de 1999, cujo nome deriva da data de criação. O escritório funcionaria de forma semelhante à Gestapo da Alemanha nazista, com poderes que prevaleceriam sobre os tribunais e a polícia na China.

A Agência 610, junto com os órgãos de segurança pública e judiciários do PCC, realizou uma campanha de perseguição de longo alcance que continua até hoje. De acordo com o Centro de Informações do Falun Dafa, milhões de praticantes do Falun Gong na China foram detidos dentro de prisões, campos de trabalhos forçados e outras instalações na China, com centenas de milhares torturados enquanto encarcerados.

Documentos internos obtidos pelo Epoch Times mostram que a Agência 610 foi dissolvida entre 2018 e 2019  e suas funções foram fundidas com outros órgãos do PCC, incluindo a Comissão Central de Assuntos Políticos e Jurídicos e com a força policial chinesa.

Apesar da mudança organizacional, não há indicação de que o PCC está se afastando de sua repressão. Durante os primeiros seis meses deste ano, pelo menos 674 praticantes do Falun Gong foram condenados ilegalmente. A pena mais longa foi de 14 anos, de acordo com o Minghui.org, um site com sede nos Estados Unidos que monitora a perseguição aos praticantes do Falun Gong.

Perseguição no exterior

O escritório também possui agentes plantados no exterior para realizar uma série de ações destinadas a suprimir e difamar as comunidades do Falun Gong em todo o mundo.

“Há um membro da Agência 610 em cada missão diplomática chinesa, cuja missão é detectar, documentar e perseguir os praticantes do Falun Gong, enquanto conduz atividades de propaganda dirigidas a governos estrangeiros para dissuadi-los de ter relações com eles”, diz o relatório.

O relatório registrou comentários feitos por Chen Yonglin, um ex-diplomata chinês que desertou para a Austrália há mais de uma década, durante uma audiência no Congresso da Câmara dos Representantes dos EUA em 2005. Antes de sua deserção, ele foi cônsul para assuntos políticos do consulado em Sydney e foi responsável pela implementação das políticas de Pequim contra os praticantes do Falun Gong.

O consulado tinha um “grupo especial” liderado pelo consulado geral para “monitorar e perseguir” os praticantes do Falun Gong na Austrália, explicou Chen. Ele acrescentou que o grupo era “parte do sistema 610 de escritórios”.

“Pelo que sei, grupos semelhantes foram estabelecidos em missões chinesas nos Estados Unidos e em outros países onde o Falun Gong está ativo”, disse Chen.

O bairro de Flushing, em Nova Iorque, foi palco de ataques contínuos contra os praticantes do Falun Gong por vários meses em 2008. Multidões de cidadãos chineses agrediram fisicamente, assediaram verbalmente e atiraram pedras contra os praticantes do Falun Gong.

A campanha de violência de um mês estava relacionada ao consulado chinês em Nova Iorque. Peng Keyu, o então Cônsul Geral de Nova Iorque, admitiu que instigou grupos pró-PCC a iniciar uma série de ataques contra os praticantes do Falun Gong no Flushing.

Na Austrália, um grupo local afiliado à Agência 610 foi apoiado por uma unidade de coleta de inteligência chinesa no país, de acordo com Chen.

“Estou ciente de que há mais de 1.000 agentes secretos chineses e informantes na Austrália que desempenharam um papel na perseguição ao Falun Gong e o número nos Estados Unidos deveria ser maior”, disse ele em sua declaração preparada para a audiência de 2005 .

Complementando o trabalho dessa quadrilha de espionagem local, diplomatas chineses pressionaram os políticos australianos a aceitar a posição do Partido contra o Falun Gong. Isso foi feito oferecendo aos funcionários locais benefícios políticos e econômicos, de acordo com Chen. O consulado foi “bem-sucedido” na redução do número de políticos dispostos a se encontrar com os seguidores locais do Falun Gong ou a emitir cartas públicas em seu apoio, acrescentou Chen.

Houve incidentes semelhantes envolvendo consulados chineses nos Estados Unidos. De acordo com uma audiência do Congresso de 2002, os então prefeitos de várias cidades americanas, incluindo Baltimore, Westland, Houston, San Francisco, Saratoga e Seattle, foram pressionados pelo consulado chinês em sua região a não emitir proclamações em apoio ao Falun Gong ou a cancelar aqueles que já foram emitidos. Alguns prefeitos acabaram rescindindo.

Um incidente mais recente ocorreu em agosto de 2017, quando o Comitê Judiciário do Senado do Estado da Califórnia aprovou por unanimidade uma resolução condenando o PCC por perseguir o Falun Gong. No entanto, em poucos dias, o Senado estadual realizou outra votação para devolver o projeto ao comitê de regras, impedindo que a resolução fosse colocada em votação.

Descobriu-se que a mudança de curso estava relacionada a uma carta ameaçadora que o consulado chinês em San Francisco enviou a todos os membros do Senado do Estado da Califórnia.

Na carta, o consulado chinês afirmou que a resolução poderia “prejudicar profundamente as relações cooperativas entre o estado da Califórnia e a China” em áreas como comércio e turismo.

Finalmente, a resolução sobre o Falun Gong nunca chegou ao Senado para votação.

“Embora a Agência 610 não seja um ator importante nas operações de influência chinesa, suas atividades em países com grande número de praticantes do Falun Gong constituem uma interferência real”, afirmou o relatório francês.

Táticas

Uma rede semelhante de agentes chineses, criada para perseguir a comunidade do Falun Gong, operava no Canadá, de acordo com o relatório, citando comentários anteriores feitos por Hao Fengjun, um ex-funcionário do Escritório 610. Hao fugiu da China em 2005 e procurou um político de asilo na Austrália.

Hao disse na época que havia mais de 1.000 espiões no Canadá encarregados de monitorar os praticantes locais do Falun Gong. Os espiões incluíam canadenses chineses, empresários e estudantes, e suas atividades se concentravam principalmente em Vancouver e Toronto, de acordo com o relatório.

Também no Canadá, o PCC era conhecido por implantar outra tática para difamar a prática: pessoas se passando por praticantes do Falun Gong enviavam e-mails insultuosos e às vezes ameaçadores para oficiais do governo, de acordo com o relatório.

A Anistia Internacional do Canadá e a Coalizão Canadense pelos Direitos Humanos também expuseram a mesma tática em seu relatório de 2020, chamando-a de marca registrada da campanha do PCC no exterior contra os praticantes do Falun Gong, que foi projetada para “minar sua reputação” e prejudicar seu relacionamento com funcionários do governo.

O relatório de 2020 nomeou dois políticos canadenses, Judy Sgro e Peter Julian, que receberam esses e-mails falsos.

“Funcionários do governo em todos os níveis em muitos países têm sido repetidamente e sistematicamente assediados por e-mails fraudulentos de pessoas que afirmam ser praticantes do Falun Gong. O remetente é frequentemente obsessivo, irracional e rude, o que dá legitimidade às alegações do regime chinês de que o Falun Gong é uma ameaça à sociedade”, disse o relatório, citando um membro anônimo da Associação Canadense do Falun Gong.

Na Argentina, os agentes do PCC instituíram outra tática destinada a manchar a reputação do Falun Gong: incitar a mídia a postar conteúdo que difamava a prática.

O relatório citou um incidente de 2020, quando um corretor, supostamente ligado ao PCC, ofereceu 20.000 pesos (cerca de US$ 310) a um editor de um pequeno meio de comunicação em troca da publicação de um artigo difamando o Falun Gong. O mesmo corretor também tentou fazer com que os maiores meios de comunicação locais, incluindo Infobae, El Cronista Comercial e Diario Popular, publicassem o mesmo artigo.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 

 
 
 

COVID-19, uma pandemia do medo ‘fabricada’ pelas autoridades, afirma epidemiologista de Yale

COVID-19, uma pandemia do medo ‘fabricada’ pelas autoridades, afirma epidemiologista de Yale
A pandemia da COVID-19 tem sido uma pandemia do medo, fabricada por indivíduos em cargos nominais de autoridade ...
Leia Mais >
 

RISCO: 52% dos americanos vê China como principal ameaça

RISCO: 52% dos americanos vê China como principal ameaça
Os americanos parecem estar, drasticamente, mudando de ideia sobre o Regime comunista chinês. Pela primeira vez, metade dos americanos ...
Leia Mais >
 

EUA: Comunismo na educação

EUA: Comunismo na educação
Maduro vira desenho animado. A União Soviética e a China promoveram o culto à personalidade de tiranos como ...
Leia Mais >
 

EUA: Compromisso “inabalável” com defesa de Taiwan

EUA: Compromisso “inabalável” com defesa de Taiwan
Os EUA reiteraram seu compromisso “inabalável” com a defesa de Taiwan, e o ex-primeiro-ministro japonês disse que o ...
Leia Mais >