‘Für Elise’: o mistério da peça de piano mais popular do mundo

Por Kenneth Lafave

Partitura musical de Beethoven para “Für Elise” (Domínio público)
Partitura musical de Beethoven para “Für Elise” (Domínio público)

Estou prestes a fechar a tampa do teclado do piano na minha aula de música do 6º ano quando uma aluna, particularmente animada, corre até mim e diz empolgada: “Professor, eu sei tocar ‘Für Elise‘!” Eu a encorajo a tocar, mas o resultado são apenas as famosas quatro primeiras notas, um E e o D sustenido abaixo, repetidas, tocadas para frente e para trás em uma gangorra sem fim.

Digo a ela que acho que há mais do que isso, mas ela está feliz em saber as primeiras notas. Embora não seja particularmente talentosa musicalmente, nem seja fã de muita música fora do pop, ela está hipnotizada por esta pequena peça de piano clássica escrita há mais de 200 anos. Assim como milhões e milhões de outras pessoas.

A popularidade da música de nível intermediário de Beethoven é surpreendente. Posso contar nos dedos de uma mão o número de meus alunos iniciantes de piano que, em algum momento, não perguntaram: “Quando vou tocar ‘Für Elise’?” Em 1º de janeiro de 2020, o Google relatou milhões de pesquisas por “Für Elise” todos os meses. Uma performance dela no YouTube, postada há 14 anos, registrou 59 milhões de visualizações, e um tutorial no YouTube sobre a peça obteve 53 milhões de acessos.

Retrato anônimo de Therese Malfatti, que se acredita ter sido a dedicatória de “Für Elise” (Domínio Público)
Retrato anônimo de Therese Malfatti, que se acredita ter sido a dedicatória de “Für Elise” (Domínio Público)

Qual é a raiz de sua popularidade incomparável? Por que esta peça, e não um prelúdio de Chopin ou um minueto de Bach ou mesmo o primeiro movimento da Sonata “Moonlight” de Beethoven? Isso exige uma análise. Vamos começar com um pouco de história.

Não há muito, e o que há, é embaçado. Sabemos pelo título que foi escrito “para Elise”, mas quem era ela? O manuscrito original diz: “Für Elise am 27 April [1810] zur Erinnerung”. Em português: “Para Elise em 27 de abril como uma recordação” ou “em lembrança” ou “como lembrança”. Meu alemão é muito limitado para fazer um julgamento preciso.

De qualquer forma, essas palavras, que raramente são mencionadas quando a peça é escrita, indicam uma relação passada com “Elise”. Mas que tipo de relacionamento? As duas possibilidades que vêm prontamente à mente são “estudante” e “interesse romântico”. Em 1810, Therese Malfatti, de 18 anos, era as duas coisas, tornando-se a principal candidata.

Que? Achei que estávamos procurando por alguém chamado “Elise”?

Aqui é onde fica complicado

Beethoven aparentemente pensou muito pouco sobre o que, dois séculos depois, se tornaria um “hit” do teclado. Ele nunca se preocupou em publicá-la, apesar de uma grande demanda por sua música. O compositor morreu em 1827, 17 anos depois de compor “Für Elise”, e a peça definhou mais 40 anos antes de sua publicação em 1867 pelo musicólogo Ludwig Nohl. Nohl afirmou que uma Fraulein Babeth Bredl de Munique havia lhe dado um manuscrito assinado da composição, e que Bredl, por sua vez, afirmou que ela havia recebido o manuscrito de Therese Malfatti após a morte desta em 1851.

Retrato de Elisabeth Röckel por Joseph Willibrord Mähler (Domínio Público)
Retrato de Elisabeth Röckel por Joseph Willibrord Mähler (Domínio Público)

Em 1810, Malfatti era aluna de Beethoven. O compositor supostamente se apaixonou por ela (uma de suas práticas mais comuns) e propôs casamento. Ela recusou, Beethoven tendo mais que o dobro de sua idade. Não havia título no manuscrito de Bredl/Malfatti, apenas uma dedicatória. Para Nohl, o rondó para piano (uma obra com a estrutura A B A C A) parecia uma das ‘Bagatelles’ do compositor, da qual ele havia escrito 24. Então ele a nomeou como “Bagatelle nº 25 em lá menor”. Acima do título, ele inscreveu a dedicatória como ele leu na partitura de autógrafos: “Für Elise”. E o resto é história.

Bem, não exatamente. Alguns especularam que Nohl interpretou mal a dedicatória, que na verdade era “Für Therese”, dando força à teoria de que Therese Malfatti era a dedicatória. (Afinal, o manuscrito estava em sua posse no momento de sua morte.) Embora seja difícil ver como as letras iniciais distintas “Th” poderiam ser perdidas por qualquer leitor, e igualmente desafiador é entender como “r” poderia ser lido como “l” e “e” como “i”, é verdade que a caligrafia de Beethoven era tão notoriamente desleixada quanto suas tarefas domésticas.

Se ao menos pudéssemos examinar o manuscrito original assinado.

Mas não podemos. Está perdido!

‘Für Therese’?

Isso traz dúvidas sobre todo o empreendimento. Como alguém pode perder o rastro de um manuscrito tão importante? Poderia ter sido “perdido” deliberadamente para encobrir a fraude? Um musicólogo contemporâneo, Luca Chiantore, chegou a sugerir que nunca houve uma partitura e que Nohl simplesmente remendou a peça a partir de alguns dos esboços de Beethoven. Apoiando esta tese está o curioso fato de que Therese Malfatti, supondo que de fato havia uma partitura de autógrafos em sua posse, não a publicou por ela mesma. Uma baronesa, ela certamente poderia se dar ao luxo de fazer isso, e imagine o prestígio que acompanha a publicação póstuma de uma obra de Beethoven dedicada a você. Se ela tivesse feito isso, todos nós poderíamos estar tocando “Für Therese”.

Cave mais fundo e as camadas revelam ainda mais mistério. Foi descoberto um esboço de 1808 que é uma versão bastante completa do “Tema em Lá”, a música de abertura que minha aluna conhecia as quatro primeiras notas. Beethoven manteve o esboço até 1810 e depois acrescentou as outras duas seções?

Acontece que o ano de 1810 não pode ser confirmado como o ano de composição da obra, embora seja a melhor aposta com base na bolsa de estudos disponível. Finalmente (mais ou menos), o estudioso de Beethoven, Barry Cooper, desenterrou uma revisão de 1822 de “Für Elise” (se de fato uma versão anterior e completa já existiu) que contém a maioria dos elementos da peça que conhecemos, mas descontroladamente mal colocada. Para as dezenas de milhões de pessoas familiarizadas com a versão conhecida, a revisão de 1822 será extremamente bizarra. O pianista Mark S. Zimmer gravou. Ouça se tiver coragem.

E o vencedor é…

E ainda perguntamos: Quem foi Elise? Mantendo-se no ano aceito (se não 100 por cento confirmado) de 1810, e eliminando Therese Malfatti porque ela não foi nomeada “Elise” e os erros de caligrafia só podem explicar tanto, temos duas candidatas restantes:

Elisabeth Röckel. Em 2010, o musicólogo Klaus Martin Kopitz produziu evidências ligando Beethoven romanticamente a Röckel, uma soprano, na época da composição da peça. A cantora às vezes era chamada de “Elise” pelos amigos.

Elise Barensfeld. Em 2014, a musicóloga Rita Steblin defendeu a única candidata cujo nome verdadeiro era “Elise”. Em 1810, Barensfeld tinha 13 anos, morando perto de Beethoven em uma casa pertencente a Johann Maelzel, um amigo de Beethoven que mais tarde inventou o metrônomo moderno. Considerada um prodígio do piano, Elise pode ter tido aulas com Beethoven. Se assim for, ele pode muito bem ter escrito a peça em memória de seu tempo juntos como professor e aluna.

Pessoalmente, voto em Elise Barensfeld. Não só ela é a única com esse nome, mas “Für Elise” não parece uma composição romântica. Pelo contrário, tem o caráter de um retrato de personalidade.

Minha interpretação: A seção A é um retrato da aluna, Elise. Ele captura sua juventude e seu frescor. A seção B é, talvez, uma peça atribuída à aluna. Quando isso a frustra, ela começa as notas 32 “com raiva” que concluem a seção antes de retornar à seção A. A seção C é certamente o próprio Beethoven, um auto-retrato sorridente de sua reputação irascível. Depois de alguns arpejos estudantis e uma escala cromática, voltamos à seção A pela última vez.

Que “Für Elise” é o retrato de um estudante sem um ângulo romântico é apoiado pelo fato de que é um favorito dos estudantes, não uma música do Dia dos Namorados ou uma canção de namoro. É uma peça de piano sobre tocar piano. Os jovens pianistas ouvem-se e regozijam-se. Temos Beethoven, e quem quer que seja “Elise”, para agradecer por isso.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Putin está aberto à adesão da Finlândia e da Suécia à OTAN

Putin está aberto à adesão da Finlândia e da Suécia à OTAN
Enquanto a Suécia e a Finlândia avançam com seus planos de ingressar na OTAN, o presidente russo, Vladimir ...
Leia Mais >
 

MÉDICO SOBREVIVENTE DE GENOCÍDIO COMUNISTA NO CAMBOJA EXPÕE ATROCIDADES – PARTE 2

MÉDICO SOBREVIVENTE DE GENOCÍDIO COMUNISTA NO CAMBOJA EXPÕE ATROCIDADES – PARTE 2
Na terça-feira você conheceu a história de Nal Oum, um sobrevivente do genocídio comunista no Camboja. Em 1975, ...
Leia Mais >
 

“NÓS SOMOS TODOS COMUNISTAS”: EMPREGADO DO TWITTER; ELON MUSK RESPONDE A VÍDEO VAZADO

“NÓS SOMOS TODOS COMUNISTAS”: EMPREGADO DO TWITTER; ELON MUSK RESPONDE A VÍDEO VAZADO
Vazam mais vídeos de funcionários do twitter afirmando um viés esquerdista na plataforma. Um funcionário fala da Síndrome ...
Leia Mais >
 

ENTREVISTA: MÉDICO SOBREVIVENTE DE GENOCÍDIO COMUNISTA DO KHMER VERMELHO

ENTREVISTA: MÉDICO SOBREVIVENTE DE GENOCÍDIO COMUNISTA DO KHMER VERMELHO
Em 1975, o Khmer Vermelho, uma das mais cruéis facções comunistas da história do planeta conquistou o Camboja, ...
Leia Mais >