Fique longe do PCC, é ‘como um veneno’: sobrevivente da tortura na China conta ao mundo

Por Eva Fu

WASHINGTON – O mundo nunca deve confiar no Partido Comunista Chinês (PCC), mas vê-lo pelo que ele é: “o maior grupo terrorista e gangster” do planeta, alertou um ex-prisioneiro de consciência que foi preso e torturado por quase uma década  devido suas crenças.

“Como veneno ou ácido sulfúrico, ele vai machucar você assim que você tocá-lo”, disse o praticante do Falun Gong, Wang Weiyu, ao Epoch Times.

Enquanto encarcerado em uma série de centros de detenção chineses durante os anos 2000, Wang sofreu todos os danos que o regime comunista poderia infligir.

Nesses centros, ele sofreu uma série de torturas físicas e psicológicas, todas destinadas a forçá-lo a renunciar à sua fé na prática espiritual do Falun Gong.

“Toda vez que você quer definir sua base moral, você se arrepende e se considera ingênuo”, disse Wang sobre seus torturadores. “Eles simplesmente não têm uma linha de base. Não há nada que eles não possam fazer”.

É nesses lugares sombrios que o regime comunista “revela sua verdadeira face”, disse o sobrevivente.

Wang, agora na casa dos 40 anos e morando nos Estados Unidos, passou a maior parte dos 30 anos detido na China. Ele compartilhou sua história de perseguição na Cúpula de Liberdade Religiosa Internacional (IRF) realizada em Washington em 13 de julho.

Wang Weiyu, praticante do Falun Gong, fala em um painel durante a Cúpula Internacional sobre Liberdade Religiosa em Washington em 13 de julho de 2021 (Sherry Dong / Epoch Times)

Falun Gong, uma disciplina que inclui exercícios de meditação e um conjunto de ensinamentos centrados nos princípios da “verdade, compaixão e tolerância”, era abertamente praticado em parques e escolas em toda a China na década de 1990. No final da década, a prática somava de 70 a 100 milhões de praticantes, de acordo com estimativas oficiais da época. O PCC, vendo essa popularidade como uma ameaça ao seu controle autoritário, lançou uma ampla campanha de perseguição em julho de 1999.

Logo depois, Wang, então estudante de doutorado, foi alvo de uma campanha de denúncia ao estilo da Revolução Cultural. Por mais de duas horas, dezenas de seus colegas tiveram que condená-lo. Um amigo próximo da universidade de Wang, relembra, levantou-se e ameaçou “matá-lo a facadas” se ele mantivesse sua crença.

“Eu não tinha ideia de que a propaganda pudesse mudar uma pessoa de forma tão dramática”, disse ele em seu discurso na Cúpula do IRF.

Originário da província de Shandong, no leste da China, Wang conheceu a disciplina espiritual na prestigiosa Universidade Tsinghua em Pequim, onde obteve o doutorado em engenharia óptica. Wang se lembra de ter ficado tão cativado pelos ensinamentos morais que terminou o livro de 330 páginas “Falun Gong” em questão de horas sem se sentar. Ele e cerca de 500 alunos e professores de Tsinghua meditavam em grupos no campus diariamente.

Passaram-se apenas três anos antes de sua vida virar de cabeça para baixo como resultado da perseguição. Wang teve que suspender as aulas duas vezes e acabou sendo expulso devido às suas crenças.

Em 2002, um grupo de policiais à paisana tirou os óculos de Wang enquanto ele caminhava pela rua e pisou em sua cabeça. Eles o enviaram a uma instalação oficialmente chamada de “centro de treinamento jurídico”, mas informalmente conhecida como centro de lavagem cerebral entre os dissidentes. No primeiro dia lá, quatro ou cinco “treinadores” lhe deram choques por cerca de 11 horas. Eles aplicaram choques em todas as partes de seu corpo, incluindo todas as pontas dos dez dedos. Um dos guardas, um homem de 1,80 metro de altura, pressionou o bastão em um ponto continuamente até que ele ficasse sem força.

“O solo estava inicialmente seco, mas quando sai estava andando em uma piscina de água”, disse ele. Era tudo por causa do suor de Wang durante a sessão de tortura.

“Você pode ter visto praticantes sendo espancados em documentários ou filmes. Digo-lhe que, por mais realista que seja, não mostra nem cinco por cento do que realmente aconteceu.”

Nos seis meses seguintes, ele foi trancado em uma única cela, onde foi vigiado de perto. Durante o dia, eles o forçaram a sentar-se imóvel em um banco estreito. À noite, ele adormecia ao som de espancamentos e gritos de vítimas de tortura.

Mais tarde, Wang também foi mantido em centros de detenção e prisões. Em todos os centros, o tratamento especialmente cruel foi reservado para os detidos do Falun Gong. Os reclusos, incluindo menores, foram incentivados a praticar atos de violência contra os praticantes. Enquanto isso, mostrar gentileza para com eles corria o risco de punição.

No Centro de Detenção Chaoyang em Pequim, Wang uma vez ouviu médicos falarem sobre um método comum de tortura chamado alimentação forçada, um procedimento frequentemente usado por presidiários em greve de fome inserindo um tubo pelo nariz até o estômago. Uma enfermeira, na casa dos 20 anos, perguntou a um médico como inserir um tubo para causar mais dor nos praticantes.

Wang também notou que alguns guardas do centro estudavam livros sobre pacientes com doenças mentais, mas seu objetivo não era curar detidos, mas encontrar maneiras de “deixá-los loucos”, disse ele.

Durante um período na prisão de Pequim, Wang e seus companheiros se tornaram “escravos modernos”. Eles plantavam rabanetes, embrulhavam doces e faziam forminhas de papel para muffins. Um amigo de Wang, enquanto costurava os painéis de uma bola esportiva, acidentalmente furou seu olho e perdeu definitivamente a visão.

“Se algum grupo internacional vier, o que eles podem ver é uma bela prisão e o que eles podem ouvir são apenas elogios”, Wang lembrou como um diretor se gabou. Durante uma rara visita de inspeção, um inspetor tentou se aproximar de Wang, mas um guarda correu abruptamente na direção deles e os interrompeu.

Depois de fugir para os Estados Unidos em 2013, Wang viu uma oportunidade de fazer a diferença do exterior.

Ele lembrou que um diretor da prisão, que inundado com cartas do exterior pedindo-lhe para parar de perseguir os praticantes do Falun Gong, disse a Wang para fazê-los parar.

Foi um momento revelador para Wang, que percebeu que “afinal, eles têm medo de alguma coisa”, disse ele em seu discurso. “A escuridāo sempre tem medo de ser exposta à luz.”

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também:

 
 
 

Cerca de 3.000 praticantes do Falun Gong foram perseguidos e assediados nos últimos meses

Cerca de 3.000 praticantes do Falun Gong foram perseguidos e assediados nos últimos meses
A polícia chinesa assediou cerca de 3.000 praticantes do Falun Gong nos últimos dois meses, de acordo com ...
Leia Mais >
 

Investidores de empresa chinesa exigem seu dinheiro de volta

Investidores de empresa chinesa exigem seu dinheiro de volta
Um novo surto do vírus do PCC atinge a China. Um homem testa positivo após 3 semanas em ...
Leia Mais >
 

Taiwan serve como ‘fortaleza marítima’ para impedir expansão da China no Pacífico, diz ministro

Taiwan serve como ‘fortaleza marítima’ para impedir expansão da China no Pacífico, diz ministro
TAIPEI, Taiwan - A ilha autônoma é uma "fortaleza marítima" que bloqueia a expansão de Pequim para o ...
Leia Mais >
 

Atentado: 5 mortos, 6 feridos na Colômbia

Atentado: 5 mortos, 6 feridos na Colômbia
Militares colombianos são mortos em um atentado de autoria de duas guerrilhas de extrema esquerda. Oficiais da Colômbia ...
Leia Mais >