Fé e liberdade: como um dançarino do Shen Yun escapou da China

Fé e liberdade: como um dançarino do Shen Yun escapou da China

Zhao Jiheng, dançarino do Shen Yun Performing Arts (Cortesia da NTD)

2021/07/17

A vida de Zhao Jiheng virou de cabeça para baixo quando ele tinha apenas 8 anos de idade.

“Um dia, cheguei em casa e meus pais haviam desaparecido”, disse Zhao. Seus pais, como dezenas de milhões de pessoas na China, foram alvos do Partido Comunista Chinês (PCC) por causa de sua fé religiosa. Da noite para o dia, aproximadamente 70 a 100 milhões de praticantes do Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, deixaram de ser conhecidos do público em geral como pessoas gentis que praticavam meditação e seguiam “Verdade, Compaixão e Tolerância”, para serem rotulados como inimigos dos estado em 1999.

O pai de Zhao foi submetido à tortura e então passou os anos seguintes fugindo, e sua mãe foi ilegalmente presa e detida por vários períodos de tempo, de forma aleatória e frequente. Para Zhao, isso significava que um dia ele poderia voltar para casa da escola e encontrar a porta trancada, então ele percebeu que a polícia havia levado sua mãe novamente. A vida doméstica mudou dramaticamente; Zhao ficava com sua avó deficiente às vezes e também com qualquer membro da família que pudesse hospedá-lo em outras ocasiões.

Zhao, com 8 anos, perguntou: “Por que minha mãe não está aqui? Por que meu pai não está aqui?

“Eles não me contaram porque eu era muito jovem e não conseguia entender”, disse Zhao. “Mas, aos poucos, comecei a entender. Foi porque eles defenderam a verdade e ousaram dizer que ‘Falun Dafa é bom’, que eles foram atacados pelo estado”.

Aqueles que não estão familiarizados com as sociedades comunistas consideram a história de Zhao incompreensível e chocant ao ver o chamado governo de uma nação poder virar um povo inteiro contra um determinado grupo de bons cidadãos em um piscar de olhos. Quando a sociedade começou a repetir as calúnias do PCC sobre o Falun Dafa, Zhao teve que enfrentar intimidação e abusos na escola, e a polícia começou a saquear sua casa. Nos momentos em que sua mãe estava em casa, a polícia tentava manipulá-lo para dizer  que ela estava sendo cruel com o filho ao não desistir de sua fé para que ele pudesse ter uma vida mais fácil.

O PCC usou todo o aparato de Estado para atingir seu objetivo de arruinar a reputação, a vida e o sustento desses crentes espirituais, pensando que poderia erradicar um sistema de crenças em apenas alguns anos. Mas a verdade e a bondade do coração humano prevaleceram.

Segunda chance na vida

Hoje você não acreditaria, mas Zhao era uma criança muito doente. Ele ficava doente com frequência e apresentava um quadro recorrente de convulsões aleatórias e desmaios que resultavam em visitas ao pronto-socorro. No hospital, médicos confusos sugeriram uma lobotomia. Quando a medicina moderna não pôde fornecer respostas, a mãe de Zhao recorreu aos médicos da medicina tradicional chinesa, que eram igualmente limitados.

A mudança milagrosa na vida de Zhao em direção à saúde foi um de seus primeiros encontros com o Falun Dafa. A prática espiritual inclui cinco exercícios de meditação, além de seguir os princípios de “Verdade, Compaixão e Tolerância” e, quando foi apresentada ao público chinês no início da década de 1990, alastrou como um incêndio. O Falun Dafa proporciona benefícios para a saúde mental, espiritual e física, e Zhao foi um dos muitos que relataram que as doenças que o atormentavam por muito tempo quase desapareceram.

Certamente não era uma vida fácil, ele sabia que poderia desmaiar e bater a cabeça no chão a qualquer momento. Sinceramente, Zhao disse: “Falun Dafa me deu uma segunda chance na vida”.

Quando seus pais adotaram a prática espiritual, ele também o fez, porque os três princípios do Falun Dafa deixaram claro para ele que se tratava de ensinar as pessoas a serem boas e gentis.

“O PCC é um regime ateu e seu lema é lutar contra o céu, lutar contra a terra e lutar contra os outros”, explicou Zhao. Desde o seu início, o PCC tentou erradicar a religião e as crenças espirituais. “Ele quer que as pessoas sejam materialistas e interessadas apenas em si mesmas. Como resultado, tornou a moralidade da China moderna muito ruim”, disse ele.

Devido à sua fé, os membros da família de Zhao foram colocados na lista negra e não conseguiram obter passaportes. Mas em 2007, quando eu tinha 16 anos, surgiu a oportunidade de sair do país. Sua família seguiu um grupo de pessoas que tentava deixar a China e chegar à Tailândia em busca de uma chance de liberdade.

“Eu sabia que seria perigoso, mas não acho que poderia ter imaginado como seria a experiência”, disse Zhao. Na calada da noite, dezenas de pessoas se amontoaram na parte de trás de um caminhão, esticaram-se sob a carga e partiram no meio do nada para esperar sabe-se lá quanto tempo até que o próximo veículo as pegasse. Ele deveria ter ficado com medo, Zhao reconheceu em retrospecto, mas sentiu, de alguma forma, que estava sendo protegido por Deus. Mesmo quando estava esperando no escuro no meio da natureza, sem saber se a próxima pessoa que os encontraria seria a polícia ou os contrabandistas, ou se a próxima etapa da viagem continuaria, ele achou que o risco valia a pena. A vida sem a liberdade de praticar sua fé não é vida de forma alguma, disse ele.

As horas se passaram e a viagem continuou. A família de Zhao e vários outros cruzaram a fronteira e depois para a Tailândia, prontos para começar uma nova vida.

O banner de 2020 da Shen Yun Performing Arts (Cortesia de Shen Yun Performing Arts)

Uma missão

Na Tailândia, Zhao ia regularmente a atrações turísticas com panfletos contendo informações sobre o Falun Dafa e dizia aos chineses do continente a verdade sobre a perseguição em curso. Ele queria que eles soubessem que “Falun Dafa é bom”, disse Zhao, e cada pessoa que mostrou uma centelha de compreensão lhe deu mais esperança.

Foi na Tailândia que Zhao teve seu primeiro encontro com o Shen Yun Performing Arts, a maior companhia de dança clássica chinesa do mundo, por meio de um programa especial de dança clássica chinesa de Ano Novo. Lá, ele viu uma dança que conta histórias sobre a China moderna.

Imagine as emoções que Zhao sentiu ao ver uma história que poderia ter sido sua no palco.

Na história de uma família que acreditava na verdade, na compaixão e na tolerância e foi dilacerada pelo PCC, a criança ficou sem os pais. Zhao não se surpreendeu com as semelhanças, ele sabia que a crueldade do regime comunista se estendia às famílias em toda a China, mas ficou profundamente comovido porque outros estavam usando a arte para contar ao mundo a verdade sobre essa perseguição brutal. Fazer parte desse esforço tornou-se o objetivo de Zhao.

O Shen Yun, de Nova Iorque, está cheio de artistas cujas histórias são semelhantes às de Zhao. Muitos deles deixaram a China e foram para os Estados Unidos em busca de liberdade para praticar sua fé e expressar suas crenças sobre a vida e a arte. E ao contrário do que se poderia esperar, a missão do Shen Yun não é política. É restaurar a cultura tradicional. Os princípios da Verdade, Compaixão e Tolerância guiam os artistas, e as danças e histórias no palco mostram a autêntica cultura da China, desde quando se acreditava que a civilização era inspirada por Deus e a sociedade focada na ideia de harmonia entre o céu e a terra e humanidade.

Era uma cultura com o mandato de que existem deuses um metro acima da cabeça de alguém, disse Zhao, o que significa que os céus estão sempre vigilantes e, portanto, as pessoas se esforçavam por um alto padrão moral.

“Da música ao estilo e movimentos da dança, dos painéis à coordenação de cores e figurinos – a produção está enraizada na estética da cultura tradicional”, disse Zhao. “Apresentamos algo brilhante e cheio de esperança”.

“A cultura tradicional promove um coração compassivo e acredito que essas artes enraizadas na cultura tradicional fazem o mesmo”, disse ele. “E isso também é bom para a sociedade.”

Hoje, Zhao é um dos dançarinos das sete companhias de turismo do Shen Yun e pode se apresentar em todo o mundo, exceto na China, onde o Shen Yun e o Falun Dafa ainda estão proibidos.

Ele até participou de uma das danças que fala da perseguição aos praticantes do Falun Dafa na China, mas não em um papel que se assemelha à sua própria vida.

“Na verdade, eu interpretei um dos policiais maus”, disse Zhao levemente. Aqueles que aparecem nas apresentações do Shen Yun são antagonistas comuns, ele explicou, e não tão maus quanto aqueles que ele encontrou na vida real. Na época em que o papel apareceu, ele há muito havia deixado de nutrir má vontade para com eles. Ele falou sobre como  foi capaz de ajudar a dançarina a retratar uma jovem perdendo o pai para a perseguição brutal, compartilhando sua própria experiência na esperança de contribuir para a equipe.

Houve um tempo em que ele odiava a polícia e os agentes do PCC que destruíram sua família, disse Zhao. Mas os princípios da Verdade, Compaixão e Tolerância, e seu encontro com o Shen Yun, transformaram esse ódio em algo mais, algo além do perdão. Zhao disse que percebeu que esses policiais que tentaram confrontar a ele e a sua mãe, que saquearam sua casa e roubaram o dinheiro que ele cuidadosamente economizou, e que perseguiram a família durante as férias, foram enganados. Eles haviam se afogado na propaganda do PCC e estavam apenas cumprindo ordens, sem saber a verdade de sua situação. Zhao espera profundamente que essas pessoas ainda possam encontrar a verdade. E se eu pudesse, eu os convidaria a ver o Shen Yun.

“Todo mundo tem um lado bom em seus corações, que é simplesmente encoberto pelo malvado PCC. Quando eles entenderem a verdade, acho que irão acordar. Eles não escolherão fazer esse tipo de coisa [a campanha do PCC]”, disse Zhao.

“O público sai de nossas apresentações com alegria e um coração elevado, porque esta cultura divinamente inspirada mostra algo correto e cheio de beleza.”

Com informações da NTD.

O Epoch Times orgulhosamente patrocina o Shen Yun Performing Arts. Para obter mais informações, visite ShenYunPerformingArts.org

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também