Fabricando Königsberg Kaliningrado: a joia perdida do Báltico

Por Victoria Kulikova

Na Prússia Oriental alemã, os ‘libertadores’ soviéticos destruíram uma rica herança europeia.

Kaliningrado é a região mais ocidental da Rússia, famosa por seu clima ameno, praias e âmbar, dos quais possui 90% do suprimento mundial. A história deste enclave russo como tal é relativamente curta: antes da derrota da Alemanha nazista na Segunda Guerra Mundial, era a Prússia Oriental e tão alemã quanto Hamburgo ou Munique.

Com o fim do Terceiro Reich e a chegada do domínio soviético, no entanto, veio também a brutalidade e a destruição física de uma cultura e de um povo que existia na região desde os tempos medievais.

Em 1946, da velha cidade de Königsberg foi criada Kaliningrado—batizada em homenagem ao falecido Mikhail Kalinin, o impotente chefe de governo soviético sob Stalin.

Os alemães que viviam na Europa Oriental – incluindo a Prússia Oriental – foram totalmente expulsos em uma migração forçada para a Alemanha propriamente dita. A violência desse processo custou milhões de vidas.

O vandalismo arquitetônico cometido pelas novas autoridades soviéticas deixou outras cicatrizes históricas em Kaliningrado.

Königsberg havia sido o maior centro comercial do Báltico e um importante centro cultural; era o lar de imponentes igrejas góticas e castelos medievais. A cidade, bem preservada por cerca de 750 anos, agora só é visível na fotografia pré-guerra.

The state of Königsberg Castle in 1945, after the conclusion of World War II. (Public Domain)
O estado do Castelo de Königsberg em 1945, após o fim da Segunda Guerra Mundial (Domínio público)

Vandalismo arquitetônico

É verdade que Königsberg havia sofrido bombardeios pesados na guerra, fosse por ataques aéreos aliados ou projéteis de artilharia soviética. Mas muitos dos robustos edifícios alemães, incluindo o Castelo de Königsberg, o principal marco da cidade e uma construção de cavaleiros teutônicos que remonta ao século 13, estavam estruturalmente intactos.

As autoridades de Kaliningrado inicialmente planejaram renovar o castelo como um museu de história local, mas Moscou discordou.

Alexei Kosygin, estadista e co-líder soviético na década de 1960, ficou furioso quando ouviu a proposta: “Um museu?! Que tipo de museu? Museu do militarismo prussiano? Eu quero que ele desapareça amanhã!”.

A palavra final veio do primeiro-ministro soviético Leonid Brezhnev, e a relíquia do “militarismo prussiano” foi totalmente demolida. Em seu lugar foi erguida a nunca terminada e nunca aberta Casa dos Soviéticos. Assemelha-se a um cruzamento entre um Cubo Mágico e os hemisférios de um cérebro humano. Os locais se referem a ele como um “robô” por seus dois “olhos”.

Outros prédios, principalmente igrejas, foram tratados de forma semelhante—em vez de serem reformados ou reconstruídos, os soviéticos aproveitaram a oportunidade para demoli-los como vestígios do “militarismo prussiano” e culparam os danos da guerra pelo resultado.

 As ruínas do castelo de Königsberg ficam diante da inacabada Casa dos Soviéticos (Ilya Denbrov/CC-BY 4.0)
As ruínas do castelo de Königsberg ficam diante da inacabada Casa dos Soviéticos (Ilya Denbrov/CC-BY 4.0)

Ironicamente, os tijolos dos edifícios demolidos foram reciclados para uso em outras cidades soviéticas, e operários alemães foram empregados para reconstruir vários edifícios importantes em Moscou.

A Alstadtkirche foi um desses marcos destruídos como resultado de “danos de guerra”—a igreja gótica foi fortemente danificada por um ataque aéreo, mas ainda estava de pé. Inicialmente, o governo local planejou preservá-la porque foi projetada pelo proeminente arquiteto Friedrich Schinkel. No entanto, foi demolida como fonte de tijolos excedentes.

Outras igrejas na Prússia Oriental tiveram um destino semelhante. A Lutherkirche, que sobreviveu ao bombardeio de Königsberg praticamente ilesa, foi explodida em 1976. O Partido Comunista destruiu numerosas igrejas na Rússia e teve ainda menos misericórdia das igrejas alemãs.

An 1840 drawing of the Altstadtkirche in Königsberg. The artist is Karl Friedrich Schinkel, who designed the church. (Kupferstichkabinett, Staatliche Museen zu Berlin/Public Domain)
Um desenho de 1840 da Altstadtkirche em Königsberg. O artista é Karl Friedrich Schinkel, que projetou a igreja (Kupferstichkabinett, Staatliche Museen zu Berlin/Domínio Público)

Nem todo mundo gostou do que estava acontecendo. Uma anedota dos primeiros colonos soviéticos em Kaliningrado condenou aqueles que participaram das demolições.

“Uma igreja foi transformada em centro de cultura… Essa igreja tinha dois sinos. Dois jovens concordaram em retirar os sinos e arquivar os crucifixos. Eles recebem um bom pagamento por este trabalho. Mas algumas mulheres choraram e disseram que esses dois homens não teriam muito tempo de vida. Um dos homens foi atropelado por um trem e o outro morreu em um acidente igualmente brutal. Aqueles homens que derreteram os sinos morreram também. Todas as nossas avós choraram quando as igrejas alemãs foram destruídas”.

A Catedral de Königsberg poderia ter seguido o caminho do castelo Teutônico, não fosse pelo túmulo local do filósofo Immanuel Kant. O governo soviético deixou o prédio danificado intacto e ele foi reformado na década de 1990 após o colapso do comunismo.

Uma foto de 1988 mostra a catedral abandonada de Königsberg (Yuri Syuganov/CC-BY 2.0)
Uma foto de 1988 mostra a catedral abandonada de Königsberg (Yuri Syuganov/CC-BY 2.0)

Blocos orientais

A destruição da herança alemã continuou mesmo fora do território soviético, na Alemanha Oriental ocupada. O palácio da cidade de Berlim, assim como o castelo de Königsberg, foi considerado um símbolo do militarismo e foi destruído em 1950 pelo líder comunista da Alemanha Oriental, Walter Ulbricht. Sua reconstrução foi iniciada em 2013.

Em Kaliningrado, como era típico dos estados do bloco comunista, a necessidade de moradias coletivas inspirou a construção de enormes complexos de apartamentos de concreto, coloquialmente chamados de “khrushchyovkas” na União Soviética pelo líder comunista Nikita Khrushchev, sob cujo mandato foram construídos. Muita arquitetura antiga foi destruída para abrir caminho.

É apropriado comparar a dizimação de Königsberg com outras cidades da região. Danzig (hoje Gdansk), outro porto no Mar Báltico, recebeu 70 a 80 por cento da destruição do centro da cidade por bombardeio aéreo. Após a guerra, Gdansk foi similarmente despovoado de seus habitantes alemães e colocado sob a administração da Polônia.

Mas em vez de demolir a arquitetura antiga, o governo local reconstruiu grande parte dela, até mesmo os edifícios completamente destruídos. A renovação de edifícios antigos continuou no século XXI. Hoje, Gdansk, com cerca de 1.000 anos de história, é o destino turístico mais popular da Polônia e atrai visitantes de toda a Europa.

Panorama view of Gdansk, Poland. (Pjama/CC-BY 3.0)
Vista panorâmica de Gdansk, Polônia (Pjama/CC-BY 3.0)

Estima-se que o comunismo tenha matado cerca de 100 milhões de pessoas, mas seus crimes não foram totalmente compilados e sua ideologia ainda persiste. O Epoch Times procura expor a história e as crenças deste movimento, que tem sido uma fonte de tirania e destruição desde o seu surgimento. Leia toda a série aqui.
As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Estima-se que o comunismo tenha matado cerca de 100 milhões de pessoas, mas seus crimes não foram totalmente compilados e sua ideologia ainda persiste. O Epoch Times procura expor a história e as crenças deste movimento, que tem sido uma fonte de tirania e destruição desde o seu surgimento. Leia toda a série aqui.

As opiniões expressas neste artigo são as pontos de vistas do autor e não refletem necessariamente as visões do Epoch Times.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 

 
 
 

Legisladores, especialistas e organizações condenam ataque a repórter do Epoch Times em Hong Kong

Legisladores, especialistas e organizações condenam ataque a repórter do Epoch Times em Hong Kong
Legisladores, especialistas e organizações em todo o mundo condenaram o ataque mais recente e brutal a uma repórter ...
Leia Mais >
 

O departamento de justiça e a IRS estão investigando a maior transação em criptomoeda do mundo por suspeita de atividades criminosas.

O departamento de justiça e a IRS estão investigando a maior transação em criptomoeda do mundo por suspeita de atividades criminosas.
Por NTD Notícias O departamento de justiça e a IRS estão investigando a maior transação em criptomoeda do ...
Leia Mais >
 

Mais de 280 navios chineses em águas Filipinas; Passeatas protestando a morte misteriosa de um estudante chinês

Mais de 280 navios chineses em águas Filipinas; Passeatas protestando a morte misteriosa de um estudante chinês
Por NTD Notícias Um adolescente chinês foi encontrado morto no campus de seu ensino médio. Milhares de pessoas ...
Leia Mais >
 

O preço da gasolina está subindo e há filas nas bombas, enquanto os oleodutos se recuperam de um ataque cibernético.

O preço da gasolina está subindo e há filas nas bombas, enquanto os oleodutos se recuperam de um ataque cibernético.
Por NTD Notícias A escassez de combustível piora no sudeste. O preço da gasolina está subindo e há ...
Leia Mais >