EXCLUSIVO: documento interno do regime chinês revela caminho do dinheiro da campanha difamatória no Canadá

Por Limin Zhou

Um documento interno do regime chinês obtido pelo Epoch Times revela as operações de agentes de uma conhecida organização do Partido Comunista Chinês enviada para realizar uma missão no Canadá e também revela a rota de dinheiro por trás de uma campanha de difamação de quase duas décadas realizadas por uma publicação de Montreal que promove os interesses de Pequim.

O documento é um relatório anual de 2018 do Comitê Político e Judiciário do Distrito de Fangshan de Pequim, um órgão do Partido Comunista Chinês (PCC) que supervisiona a Agência 610 do distrito, que é uma organização secreta do tipo Gestapo, encarregada de realizar a campanha de perseguição do PCC contra os apoiadores do Falun Dafa.

O relatório indica que representantes do escritório do distrito 610 de Fangshan vieram a Montreal, Toronto e Ottawa para realizar sessões para caluniar “religiões heréticas”, aludindo ao Falun Dafa. A operação no Canadá foi realizada com os requisitos do Comitê Central do Partido e do Comitê Municipal do Partido, de acordo com o documento.

“Seminários contra religiões heréticas foram realizadas com as comunidades [chinesas] nas três cidades para aumentar a conscientização sobre as leis e regulamentos chineses relacionados às religiões heréticas e o conhecimento básico contra religiões heréticas”, diz o documento.

O documento acrescenta que a missão teve o efeito desejado.

“Os cidadãos locais têm um entendimento claro do Falun Gong e de outras organizações religiosas heréticas, expressando que não acreditarão nelas, não às promoverão e não participarão de suas atividades”.

Policiais à paisana observam uma praticante do Falun Gong levada à força pela polícia para uma van da polícia na Praça Tiananmen, em Pequim, em 11 de maio de 2000 (STEPHEN SHAVER / AFP via Getty Images)
Policiais à paisana observam uma praticante do Falun Gong levada à força pela polícia para uma van da polícia na Praça Tiananmen, em Pequim, em 11 de maio de 2000 (STEPHEN SHAVER / AFP via Getty Images)

Agências de inteligência, investigadores e oficiais do PCC que desertaram, há muito documentam e falam publicamente sobre o uso da diáspora por Pequim para servir seus interesses no exterior, principalmente no Canadá. Mas este documento mostra o envolvimento direto de uma organização secreta do tipo policia chinesa no Canadá, bem como um vínculo direto entre a organização do PCC e uma publicação chinesa no Canadá que atende aos interesses do regime.

Esta publicação é Les Presses Chinoises, em chinês, com sede em Montreal, que, de acordo com o documento, está cooperando com o a Agência 610 de Fangshan para publicar conteúdo e folhetos anti-Falun Dafa que difamam a prática.

“42 edições e 62 artigos foram publicados e 400.000 folhetos de propaganda contra a religião herética foram impressos”, diz o documento. Ele também acrescenta que até o final de 2018 seriam publicadas 48 edições da publicação, cada uma com uma seção especial que contém artigos que difamam o Falun Dafa.

O documento diz que “todos os fundos já foram pagos” para 2018.

O Falun Dafa, também conhecido como Falun Gong, é uma prática espiritual que consiste em exercícios de meditação e ensinamentos morais. Os adeptos da prática, declarados “crentes protegidos” pelo Tribunal de Direitos Humanos de Ontário, foram alvo de uma severa campanha de perseguição pelo regime chinês desde 1999.

Nova tática

O especialista chinês Yiyang Xia disse que está “revelando” que a filial local da Agência 610 foi além das fronteiras da China, enviando agentes para o Canadá para realizar uma missão de demonização no Falun Dafa no território canadense.

“A operação direta da Agência 610 nas cidades canadenses, no nível da cidade, parece ser uma nova tática para exportar a perseguição ao Falun Dafa para o exterior”, disse Xia, diretor sênior de pesquisa e política da Human Rights Law Foundation, com sede em em Washington.

“Anteriormente, sabíamos apenas que embaixadas e consulados chineses estendiam sistematicamente a perseguição para marginalizar e difamar os seguidores do Falun Dafa nos países ocidentais”.

Xia disse que estava ciente de outra filial da Agência 610 que financiava atividades anti-Falun Dafa em Flushing, Nova Iorque, por anos. De acordo com um relatório anterior na edição chinesa do Epoch Times, o ramo por trás das atividades em Flushing é a Agência 610 de Tianjin.

Este último evento no Canadá demonstra que o esquema incomum em que a Agência 610 de Pequim coordena as atividades no exterior, poderia ser um padrão.

“A penetração do PCC em outros países dessa maneira não é muito perceptível, mas essas operações podem potencialmente envolver muitos agentes da Agência 610 da prefeitura que interferem na sociedade em países fora da China, como Estados Unidos e Canadá” , disse.

“Isso não é apenas uma violação flagrante da soberania dos países ocidentais, mas também mina os direitos constitucionais à liberdade das crenças religiosas das pessoas e mina as liberdades nesses países”.

O advogado de direitos humanos e imigração de Winnipeg, David Matas, disse que se os agentes da Agência 610 que vieram ao Canadá cumprir a diretiva do regime para erradicar o Falun Dafa, tivessem revelado sua verdadeira intenção ao vir ao Canadá, eles não teriam obtido visto porque “viriam com o objetivo de fermentar o incitamento ao ódio”.

Advogado David Matas em uma foto de arquivo (Woody Wu / AFP / Getty Images)
Advogado David Matas em uma foto de arquivo (Woody Wu / AFP / Getty Images)

“Suponho que eles não revelaram o objetivo de sua visita ao fazer solicitações de visto, e isso seria uma violação da lei aqui na medida em que eles sejam falsificados, e certamente vale a pena fazer investigações completas quando as pessoas entrarem”. Disse Matas.

Interferência estrangeira

O especialista em inteligência David Harris disse que as autoridades canadenses devem investigar as atividades da Agência 610 e de seus agentes no Canadá.

“Os relatos de novas variantes das tentativas de Pequim de penetrar no Canadá e influenciar os canadenses são extremamente perturbadores, em parte porque parecem representar uma expansão de operações influentes do Partido Comunista Chinês no território soberano do Canadá” disse Harris, diretor do programa de inteligência da Inisgnis Strategic Research em Ottawa.

“Num sentido profundo, temos o espectro de Pequim; sua manipulação dos canadenses, sua mídia e até seu governo. Isso é inaceitável para qualquer país, muito menos para uma democracia liberal que valoriza os direitos constitucionais de todos os seus cidadãos, incluindo aqueles que podem ser praticantes do Falun Gong. ”

Harris acrescentou que o governo canadense deveria investigar esse assunto “à luz das evidências que surgiram” e tomar “ações apropriadas, decisivas, diplomáticas e políticas contra Pequim”.

Matas disse que este é um caso claro de interferência estrangeira no Canadá.

“Se o governo chinês gastasse esse dinheiro abertamente através de sua embaixada, e este fosse um posto da embaixada, seria uma atividade diplomática inadequada”, disse ele. “Seria interferência estrangeira nos assuntos canadenses, e as pessoas responsáveis ​​por essa publicação seriam expulsas do Canadá como persona non grata”.

No entanto, o Canadá não possui a legislação necessária para lidar com o problema da interferência estrangeira de maneira mais eficaz, disse ele.

“Acho que quando qualquer agência estrangeira está injetando dinheiro no Canadá para fins promocionais, deve haver um requisito de registro para essa promoção. Não deve ser disfarçado como é agora”, disse Matas.

Em algumas jurisdições como a Austrália, existem leis que exigem que entidades que atuam em nome de governos estrangeiros registrem seus nomes publicamente.

“Acho que o Les Presses Chinoises e seu financiamento são um exemplo clássico do fato de que somos impotentes contra esse tipo de manipulação”, disse Matas.

Agência  610

A Agência 610, nomeada após o dia em que foi formada, em 10 de junho de 1999, foi encarregada de coordenar os esforços para erradicar o Falun Dafa, que se tornou muito popular na China para o gosto totalitário do PCC. As estatísticas do governo mostraram que entre 70 e 100 milhões de pessoas na China adotaram a disciplina de meditação nos anos 90, após sua introdução ao público em 1992.

Esse órgão do PCC foi formado sob o comando direto de Jiang Zemin, líder do Partido que iniciou a campanha de perseguição contra o Falun Dafa em 1999, com o objetivo de erradicá-la completamente.

Membros da polícia chinesa montam guarda em Pequim em uma foto de arquivo (Saul Loeb / AFP / Getty Images)
Membros da polícia chinesa montam guarda em Pequim em uma foto de arquivo (Saul Loeb / AFP / Getty Images)

A Agência 610 recebeu poderes extralegais, transcendendo o poder administrativo em diferentes níveis de jurisdição para coordenar todos os aspectos da campanha para eliminar o Falun Dafa através da perseguição de seus adeptos. Isso incluiu prisões, tortura, assassinatos e a difusão de informações difamatórias sobre a prática para virar a opinião pública contra a prática.

Hao Fengjun, um ex-funcionário da Agência 610 que desertou para a Austrália em 2005, disse em entrevistas anteriores que existem Agência 610 em todos os níveis do PCC, desde o Comitê Central até os departamentos do Partido no âmbito de distrito, cidade e província.

Embora tenha havido relatos de algumas mudanças organizacionais na Agência 610, o especialista chinês Xia diz que não houve mudanças fundamentais. Ele diz que a única mudança significativa é que, desde março de 2018, a organização do PCC que supervisiona a Agência 610 passou para o Comitê Central de Assuntos Políticos e Jurídicos do PCC.

Mas, para todos os propósitos práticos, nada mudou para os envolvidos, e a Agência 610 continua sua missão de tentar erradicar o Falun Dafa, provavelmente com um nome diferente, disse Xia.

Les Presses Chinoises

O documento interno mostra os laços financeiros entre A Agência 610  e o Les Presses Chinoises, que publica conteúdo anti-Falun Dafa há anos.

Os arquivos on-line do Les Presses Chinoises mostram que a maioria dos jornais semanais publicados por anos consecutivos tem uma seção intitulada “A Verdade da Justiça”, que repete como um papagaio a difamação e repúdio do PCC contra o Falun Dafa e seus seguidores espalhados pela China. O conteúdo normalmente abrange duas páginas, que não contêm anúncios ou artigos de notícias típicos.

Les Presses Chinoises é de propriedade da Crescent Chau. O Epoch Times entrou em contato com Chau para comentar, mas não recebeu resposta.

O jornal publicou sua primeira edição especial sobre o assunto em novembro de 2001, que incluía um pedido à comunidade chinesa de “unir-se” para “denunciar o Falun Gong”.

A edição especial foi uma acusação do Falun Dafa, e o conteúdo foi uma repetição palavra por palavra da propaganda de ódio do PCC contra a prática divulgada na China.

O professor de história da Universidade de Montreal, David Ownby, que estudou o Falun Dafa, chamou os artigos de “lixo sem fundamento jogado na página” e disse que o conteúdo não é verdadeiro.

Publicações Crescent Chau, distribuídas no Canadá em 2006. Um tribunal encontrou a explicação de como as 100.000 cópias sem anúncios desses jornais pró-comunistas distribuídos gratuitamente não eram convincentes e sustentou que era razoável afirmar que estavam agindo como Agente da China (The Epoch Times)
Publicações Crescent Chau, distribuídas no Canadá em 2006. Um tribunal encontrou a explicação de como as 100.000 cópias sem anúncios desses jornais pró-comunistas distribuídos gratuitamente não eram convincentes e sustentou que era razoável afirmar que estavam agindo como Agente da China (The Epoch Times)

Um grupo de adeptos do Falun Dafa levou Chau ao tribunal e, em dezembro de 2001, três semanas após a primeira edição especial, o tribunal emitiu uma ordem judicial ordenando que Crescent Chau parasse de publicar seu conteúdo contra o Falun Gong.

Em fevereiro de 2002, Chau desafiou a ordem judicial e publicou uma segunda edição especial contra o Falun Dafa do início ao fim, dizendo que os seguidores do Falun Dafa eram “maus” e “inimigos do Estado”, entre outras declarações difamatórias.

De alguma forma, Chau levantou fundos para imprimir 100.000 cópias de outra edição especial de 32 páginas contra o Falun Dafa distribuída em todo o país, tanto em agosto de 2006 quanto em julho de 2007, nas quais o material difamatório era repetido como um papagaio do PCC contra o Falun Dafa que estava se espalhando na China continental. Cópias foram distribuídas em Montreal, Toronto e Ottawa, e em lugares tão distantes quanto Vancouver. Mais uma vez, a edição especial foi livre de anúncios e distribuída gratuitamente. Edições regulares do jornal, que tiveram uma circulação de 3.500 a 4.000 exemplares em Montreal, foram vendidas por 60 centavos.

A mídia estatal chinesa People’s Daily divulgou um relatório elogiando os esforços de Chau, dias após a circulação nacional.

Chau é colaborador regular do Fórum Mundial da Mídia Chinesa, que é realizado a cada dois anos na China pelo governo e pelo Departamento do Trabalho da Frente Unida, a organização do PCC responsável por coletar informações e influenciar a política dos países estrangeiros. A mídia estatal chinesa citou Chau dizendo que Pequim “deveria fortalecer sua conexão com a comunidade chinesa no exterior”.

A edição chinesa do Epoch Times escreveu uma série de relatórios investigativos em 2007 sobre Chau e sugeriu que ele poderia ser um agente do regime chinês.

Os relatórios incluíram entrevistas com Chen Yonglin, um ex-diplomata chinês que trabalhava para uma unidade especializada de erradicação do Falun Dafa, que desertou para a Austrália.

Chen disse que está claro que Les Presses Chinoises “se tornou o capanga e a ferramenta de propaganda do Partido Comunista Chinês”. Ele também disse que “os custos de impressão são muito prováveis” de serem cobertos pelo regime chinês.

“O conteúdo parece ser produzido e fornecido principalmente pelo PCC”, disse ele.

Chau processou o Epoch Times por difamação, mas o caso foi julgado pela juíza da Corte Superior Catherine Mandeville em abril de 2010. “Este é um caso em que o mordedor reclama de ter sido mordido”, disse Mandeville, e enfatizou que “a reputação do Sr. Chau e La Presse Chinoise são (…)  flagrantemente anti-Falun Gong e pró-RPC [República Popular da China]”. La Presse Chinoise é o nome da empresa que imprime a publicação Les Presses Chinoises.

Portanto, ser chamado de agente de Pequim não era um “ataque injusto”, mas uma “opinião legítima”, afirmou o juiz.

“O Sr. Chau (…) acredita que é parte de sua responsabilidade defender a posição do governo da República Popular da China. Os artigos [no Epoch Times] afirmavam que suas opiniões sobre o Falun Gong, mas também sobre o Tibete e muitas outras questões, eram idênticas àquelas que o governo da República Popular da China defende “, disse Mandeville.

Mandeville também disse que as explicações de Chau sobre como ele financiou suas edições especiais denunciando o Falun Dafa eram “para dizer o mínimo, obscuras”.

Durante o processo judicial, Chau admitiu que não havia entrevistado os praticantes do Falun Dafa sobre o conteúdo que publicou e que não havia lido os ensinamentos do Falun Dafa. Ele também disse que aspira erradicar o Falun Dafa.

Chau posteriormente recorreu da decisão da primeira instância sem sucesso. Os três juízes do tribunal de apelação reafirmaram em 2012 que se referir a Chau e à sua empresa jornalística “como agentes que promovem as ideias de um governo, não pode ser considerados difamatório”.

Chau tentou levar o caso ao Supremo Tribunal, mas falhou.

Com informações de Omid Ghoreishi.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

Os EUA exigem total transparência do Partido Comunista da Chinês sobre a COVID-19

 
 
 

Repórteres do Epoch Times são seguidos em meio à repressão em Hong Kong

Repórteres do Epoch Times são seguidos em meio à repressão em Hong Kong
Dois jornalistas da edição de Hong Kong do The Epoch Times disseram que estavam sendo seguidos por supostos ...
Leia Mais >
 

Prisão de pró-democratas

Prisão de pró-democratas
Por NTS Notícias A Famosa Torre de TV de Shanghai, que acidentalmente recebeu o mesmo nome da cidade ...
Leia Mais >
 

Colômbia proíbe teste de produtos cosméticos em animais

Colômbia proíbe teste de produtos cosméticos em animais
A Colômbia tornou-se o primeiro país da América Latina a proibir os testes cosméticos em animais por meio ...
Leia Mais >
 

Polícia de Hong Kong prende pró-democrata

Polícia de Hong Kong prende pró-democrata
Por NTD News A polícia de Hong Kong prendeu um total de dez pessoas, incluindo o magnata da ...
Leia Mais >