EUA se compromete a defender Taiwan se China invadir, afirma Blinken

Por Aldgra Fredly

Os Estados Unidos estão “decididamente comprometidos” em defender Taiwan de uma invasão chinesa, declarou o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, ao alertar aos líderes chineses para não “precipitarem uma crise” pois a mesma teria “consequências terríveis”.

Blinken, que se pronunciou na Reuters Next Conference, no dia 2 de dezembro, alertando sobre a crescente assertividade da China em relação à Taiwan, país o qual Pequim afirma ser parte de seu território.

Ele descreveu as tentativas da China de alterar o status quo da ilha como “perigosas” pois aumentaram a pressão sobre Taiwan, isolaram a ilha autônoma do resto do mundo e a envolveram em manobras militares provocativas.

Quando questionado se os Estados Unidos se comprometem a enviar forças militares para Taiwan, caso a ilha fosse invadida, Blinken reiterou a posição do país de “garantir que Taiwan tenha os meios para se defender”, seja por meio de artigos ou serviços de defesa.

“Estamos firmemente comprometidos com Taiwan, para garantir que o país tenha os meios para se defender, mas novamente, espero que os líderes da China pensem com muito cuidado sobre isso e sobre não precipitar uma crise que ocasionaria, eu acredito, em terríveis consequências para muitas pessoas e que não interessa a ninguém, começando pela China”, declarou ele.

Questionado se os Estados Unidos poderiam tranquilizar seus aliados confirmando uma intervenção no caso da China mover-se militarmente contra Taiwan, visto que os Estados Unidos já haviam retirado as tropas do Afeganistão, o que resultou na tomada do controle do país pelo Talibã, Blinken respondeu: “Acho que tudo que aliados e parceiros viram com esta administração é um reengajamento, revigoramento e uma reafirmação muito forte de nossas alianças e parcerias centrais, começando na Ásia e na Europa”.

A China tem aumentado sua força aérea militar perto de Taiwan. Em 1º de outubro, quando a China comemorou o aniversário do regime comunista, Taiwan informou que quase 150 aeronaves militares chinesas entraram em sua zona de defesa aérea durante quatro dias consecutivos.

O ministério da defesa de Taiwan declarou que a missão chinesa inclui 34 caças J-16 e 12 bombardeiros H-6 com capacidade nuclear, todos voando em uma área próxima às Ilhas Pratas.

Em novembro, Taiwan relatou que 27 aeronaves chinesas entraram em sua zona de defesa aérea, o que envolveu 18 caças e cinco bombardeiros H-6, bem como uma aeronave de reabastecimento aéreo Y-20, o que levou Taiwan a decolar aeronaves de combate.

O ministro das Relações Exteriores de Taiwan, Joseph Wu, descreveu a última incursão da China no Estreito de Taiwan como uma “ação coercitiva” que “obviamente tinha como objetivo colocar Taiwan de joelhos” e mantê-la longe de parceiros democráticos.

O governo de Taiwan “nunca” se curvará à pressão da China, afirmou Wu em um comunicado divulgado no Twitter do Ministério das Relações Exteriores de Taiwan.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

EXCLUSIVO: estados investigam aumento na taxa de mortalidade entre 18 a 49 anos – maioria não relacionada à COVID-19

EXCLUSIVO: estados investigam aumento na taxa de mortalidade entre 18 a 49 anos – maioria não relacionada à COVID-19
Departamentos de saúde em vários estados confirmaram ao Epoch Times que estão analisando um aumento acentuado na taxa ...
Leia Mais >
 

“MADE IN CHINA”

“MADE IN CHINA”
Por NTD Notícias “Made in China”. Essas palavras aparecem em tudo, de computadores a brinquedos e imensas peças ...
Leia Mais >
 

China impõe duras medidas de controle da pandemia

China impõe duras medidas de controle da pandemia
Os EUA dizem que não se deterão com as últimas sanções da China. Pequim penalizou 4 oficiais americanos ...
Leia Mais >
 

Senador americano pede cooperação com Brasil para conter China

Senador americano pede cooperação com Brasil para conter China
Um senador americano pede ao líder da defesa de seu país que aprofunde a cooperação com o Brasil. ...
Leia Mais >