Estados Unidos e Reino Unido anunciam aliança 5G após proibir Huawei

Por Frank Fang

Os Estados Unidos e o Reino Unido se unirão para desenvolver soluções para a tecnologia sem fio de próxima geração, após a recente decisão deste último de eliminar equipamentos fabricados pela gigante chinesa de tecnologia Huawei no seu lançamento do 5G.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, discutiu com o secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, Dominic Raab, em 16 de julho, a decisão do Reino Unido de “evitar o uso de tecnologia não segura em suas redes 5G”, de acordo com uma breve declaração emitida pela porta-voz do Departamento de Estado Morgan Ortagus.

A decisão britânica de proibir a Huawei foi anunciada pelo primeiro-ministro Boris Johnson na terça-feira, quando ele ordenou que a equipe da empresa chinesa fosse removida das redes 5G da Grã-Bretanha até o final de 2027.

O governo do Reino Unido permitiu à Huawei construir partes “não essenciais” de sua rede 5G em abril de 2019.

A restrição foi estendida em janeiro deste ano, quando o governo do Reino Unido limitou a Huawei a fornecer 35% da rede 5G não essencial.

Antes do prazo de 2027, as empresas britânicas de telecomunicações também serão proibidas de comprar equipamentos da Huawei a partir do final de 2020.

“Pompeo e o secretário de Relações Exteriores concordaram em trabalhar juntos para promover o desenvolvimento de soluções 5G adicionais confiáveis”, disse Ortagus. A declaração não forneceu outros detalhes.

Na quarta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse a jornalistas que ele era responsável pela decisão de Johnson de proibir a Huawei.

“Convencemos muitos países, muitos países – eu fiz isso na maior parte – não usar a Huawei, porque acreditamos que é um risco de segurança inseguro, é um grande risco de segurança”, disse Trump.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, disse que a China “tomará todas as medidas necessárias” em resposta à decisão britânica, enquanto acusa o governo britânico de “discriminar” uma empresa chinesa, em um briefing na quarta-feira.

O jornal estatal chinês Global Times publicou um artigo de opinião na quinta-feira, listando várias possíveis contramedidas que a China poderia tomar contra o Reino Unido. Entre as medidas sugeridas estavam empresas estatais chinesas que poderiam vender seus ativos britânicos.

O governo dos EUA já proibiu a Huawei das redes 5G do país por razões de segurança.

Desde então, a decisão do Reino Unido foi bem recebida por muitos legisladores nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha.

O representante Michael McCaul (R-Texas) em um comunicado à imprensa divulgado na terça-feira disse: “A determinação do Partido Comunista Chinês de controlar o futuro do 5G por meio de sua empresa proxy Huawei representa uma ameaça significativa. Os dados de nenhum país são seguros se a Huawei ou qualquer empresa vinculada ao PCC tiver controle sobre eles”.

McCaul concluiu: “Eu recomendo fortemente que todos os países europeus e outros países sigam o exemplo do Reino Unido”.

O senador Jim Risch (R-Idaho) também divulgou um comunicado à imprensa na terça-feira, dizendo que ficou aliviado ao ouvir a decisão.

“Como a China continua a esclarecer suas más intenções internacionais, sou encorajado pela determinação dos aliados ocidentais em enfrentar esses novos desafios de maneira clara e unificada”, afirmou Risch.

O parlamentar britânico Tom Tugendhat foi à sua conta do Twitter para dizer: “Nossa estratégia na China deve ser mais do que a Huawei, mas a decisão de proibi-los de usar o 5G é um começo importante”.

Outro deputado britânico, Bob Seely, escreveu um artigo na revista Spectator na Internet, alertando que “a Huawei caiu, mas não saiu”.

“O pior cenário é que a Huawei venderá o maior número possível de kits nos próximos seis meses no Reino Unido e tentará anular a proibição após a próxima eleição por razões de custo; conveniência e geopolítica”, escreveu Seely.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

EUA exigem transparência de regime chinês diante da COVID-19

 
 
 

Repórteres do Epoch Times são seguidos em meio à repressão em Hong Kong

Repórteres do Epoch Times são seguidos em meio à repressão em Hong Kong
Dois jornalistas da edição de Hong Kong do The Epoch Times disseram que estavam sendo seguidos por supostos ...
Leia Mais >
 

Prisão de pró-democratas

Prisão de pró-democratas
Por NTS Notícias A Famosa Torre de TV de Shanghai, que acidentalmente recebeu o mesmo nome da cidade ...
Leia Mais >
 

Colômbia proíbe teste de produtos cosméticos em animais

Colômbia proíbe teste de produtos cosméticos em animais
A Colômbia tornou-se o primeiro país da América Latina a proibir os testes cosméticos em animais por meio ...
Leia Mais >
 

Polícia de Hong Kong prende pró-democrata

Polícia de Hong Kong prende pró-democrata
Por NTD News A polícia de Hong Kong prendeu um total de dez pessoas, incluindo o magnata da ...
Leia Mais >