Especialistas analisam sanções à China

Por John Mac Ghlionn 

Comentários

O mês de março viu os Estados Unidos, o Reino Unido e a União Europeia atingirem a Rússia com uma série de sanções, e mais sanções provavelmente seguirão. Agora, porém, é hora de voltar nossa atenção para a China.

Afinal, o líder chinês Xi Jinping não descansará até que sua obsessão número um, a reunificação com Taiwan, se torne realidade.

A invasão da Ucrânia despertou o mundo para a crueldade da guerra. Mas a invasão de Taiwan provocaria a mesma reação?

Ian Bond, diretor de política externa do Centro para a Reforma Europeia, não parece pensar assim.

Ele me disse que, embora “a unidade ocidental tenha sido um componente vital na imposição de duras sanções à Rússia”, isso pode não “ser tão evidente no caso de Taiwan – não reconhecido como um estado por nenhum país ocidental e menos importante para a maioria da UE do que a RPC [República Popular da China]”.

Ele acrescentou que a “questão de Taiwan tem alguma ressonância em alguns estados membros da UE (Lituânia por exemplo), mas poucos ou nenhum estariam preparados para agir tão decisivamente contra a RPC em nome de Taiwan quanto contra a Rússia em nome da Ucrânia”.

Bond está certo? Será que menos pessoas realmente se importariam? Eu acho que não.

No entanto, a verdade é esta: para responder a essas perguntas definitivamente, o regime chinês deve invadir Taiwan. Vamos torcer para que nunca tenhamos que, definitivamente, responder a essas perguntas.

Ao sancionar a Rússia, que tipo de mensagem, implícita ou explicitamente, foi enviada à China?

“O que aprendemos com as sanções agora impostas à Rússia é que países e organizações podem agir de forma surpreendentemente decisiva em uma crise”, respondeu ele. Sanções à China que “são improváveis ​​(principalmente, aquelas que resultariam na perda de redes de fornecimento que são importantes para o Ocidente) ainda podem ser impostas”.

Segundo Bond, “também aprendemos que as empresas do setor privado podem responder rapidamente à pressão pública e reduzir ou encerrar suas operações em um mercado para salvar suas reputações”. Mas ele enfatizou: “A Rússia é muito menos importante para a maioria das empresas do que a China (a única exceção são as empresas de energia)”.

Bond terminou fazendo alguns pontos muito pertinentes. A Ucrânia, ele argumentou, “se beneficiou de muita simpatia do público, em parte porque era fácil para os jornalistas ocidentais entrarem no país no início da crise”. Em outras palavras, “sabemos muito sobre o que está acontecendo no terreno”, em parte “por causa da geografia”.

Além disso, “podemos ver refugiados cruzando fronteiras polonesas e outras. Os refugiados de Taiwan achariam muito mais difícil escapar e ainda mais difícil se tornarem visíveis para os jornalistas”.

Também conversei com Richard Nephew, pesquisador sênior e especialista em segurança da Universidade de Columbia. Embora Nephew não saiba se ou quando a China invadirá Taiwan (nenhum de nós sabe), ele “acredita que eles [o Partido Comunista Chinês] estão observando atentamente a atual crise na Ucrânia, particularmente para ver como os Estados Unidos e seus parceiros podem responder”.

Como os Estados Unidos e seus parceiros reagiriam?

Nephew acredita que aqueles em Pequim estão “recebendo uma demonstração clara de que a parceria internacional que eles esperavam ser desgastada após os últimos anos é muito mais forte do que eles suspeitavam”.

Nephew expandiu esse ponto dizendo: “Japão e Coreia do Sul – entre outros – se juntaram à UE e aos Estados Unidos na imposição de sanções significativas à Rússia, às próprias custas”. Isso, ele acredita, “apóia fortemente a afirmação de que os rumores do fim da parceria são muito exagerados”.

Separados por menos de 160 quilômetros de água, é difícil não ver a China invadindo Taiwan. No entanto, como Bond e Nephew apontaram, a união demonstrada pelos Estados Unidos e seus aliados em sua resposta ao presidente russo Vladimir Putin pode muito bem ser suficiente para dissuadir Xi de fazer o que ele quer desesperadamente – invadir o território vizinho.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha
Um ex-membro de uma gangue criminosa japonesa disse que testemunhou o comércio de órgãos na China, tendo visto ...
Leia Mais >
 

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva
David Stillwell, é um general de brigada americano reformado. De 2011 a 2013 ele foi diplomata na embaixada ...
Leia Mais >
 

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA
O presidente Jair Bolsonaro discursou a uma multidão em Santa Catarina no sábado. Ele falou em “luta do ...
Leia Mais >
 

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL
Um impasse para o Brasil? Ocorreu a cúpula do BRICS. China e Rússia falam em uma expansão do ...
Leia Mais >