Entrevista com um sobrevivente do comunismo: “O problema é que a elite ocidental é socialista”

Por J.R. Nyquist

Um dos inimigos mais famosos do comunismo soviético é Vladimir Bukovsky. Ele foi torturado pelas autoridades soviéticas e passou muitos anos em prisões. Ele foi até mesmo declarado “louco” e enviado para uma prisão psiquiátrica. Quando Bukovsky foi exilado para o Ocidente, as pessoas o elogiaram por sua coragem, mas poucos ouviram suas advertências sobre a Perestroika de Gorbachev.

Bukovsky lembrou a cada um que todos os líderes soviéticos são mentirosos. Gorbachev, disse ele, não era exceção, e certamente não era democrata. Assim como Lênin, Stálin, Khrushchev e Brezhnev, Gorbachev era um mentiroso e um carrasco. Mas quase ninguém ouviu. Todos queriam acreditar que a Guerra Fria tinha acabado.

Mas como poderíamos ter vencido a Guerra Fria? Essa foi a pergunta desconfortável de Bukovsky. O principal editor da Random House, Jason Epstein, rejeitou completamente a pergunta de Bukovsky. E assim, o livro de Bukovsky sobre a duvidosa “queda do comunismo” não foi publicado em inglês… até agora.

O título do livro é “Julgamento em Moscou”. Foi publicado em edições francesas e alemãs há duas décadas e resistiu ao teste do tempo. Entrevistei Bukovsky em 22 de dezembro, por telefone, perguntando-lhe como as edições francesa e alemã do livro foram recebidas há tantos anos.

Comunismo em toda parte

Vladimir Bukovsky: “Houve alguns comentários corteses na França, mas poucos prestaram muita atenção. Na Alemanha, a recepção foi ainda mais moderada”.

J.R. Nyquist: “E como deverá ser recebida nos países de língua inglesa a história de Bukovsky sobre a cumplicidade ocidental nos crimes comunistas e sua falta de memória e o fracassado ‘fim da Guerra Fria’?”

Bukovsky: “É uma luta solitária que eu travo desde os meus 16 anos de idade. E a luta continuará solitária. O problema real é a elite no Ocidente, as forças da ‘paz e progresso’. A elite ocidental é socialista. Eles nunca levaram a luta contra o poder soviético a sério”.

Nyquist: “E os conservadores? Não estavam falando sério sobre se opor ao comunismo?”

Bukovsky: “Eles não perceberam a verdade. Havia uma ideia equivocada por trás deles. A maioria dos conservadores acreditava que as coisas não estavam tão ruins no Ocidente. O primeiro a se dar conta foi Solzhenitsyn. Ele disse que o comunismo está diante de todos, mas ninguém entende o que é”.

Nyquist: “Se eles não entendiam o comunismo, você não podia ter explicado isso a eles?”

Bukovsky: “Infelizmente não há uma maneira rápida de fazê-lo e, como o problema é complicado, as pessoas rapidamente perdem o interesse. Elas se aborrecem. São preguiçosas e preferem respostas superficiais”.

Nyquist: “Então o Ocidente nunca entendeu o comunismo. Ou talvez tenham pensado que o anticomunismo era uma loucura”.

Bukovsky: “Não, é uma questão de perder o público. As pessoas são preguiçosas. Elas preferem avaliações superficiais. É impossível que elas se aprofundem. Quando se fala sobre o comunismo, seus olhos ficam vidrados. Elas ficam entediadas”.

Nyquist: “Isso é verdade?”

Bukovsky: “Sim, dei muitas palestras sobre o assunto. As pessoas se levantam no meio [da conferência] e vão embora. Os conceitos são muito difíceis para elas. As pessoas querem que seja fácil”.

Nyquist: “O que se espera para o futuro?”

Bukovsky: “Haverá mais sofrimento, mais vidas arruinadas”.

Nyquist: “Os comunistas russos estão reconstruindo a União Soviética?”

Bukovsky: “Sim, eles são ingênuos o suficiente para pensar que podem fazer isso. Mas eles nunca terão sucesso”.

Esperança na Ucrânia?

Nyquist: “E a revolução laranja na Ucrânia? Certamente há esperança na Ucrânia.”

Bukovsky: “A Ucrânia está à beira do precipício. Está pendurada por um fio. Pode acontecer qualquer coisa”.

Nyquist: “E o presidente ucraniano Petro Poroshenko?”

Bukovsky: “Poroshenko é apenas mais um burocrata. Ele é típico. O problema na Ucrânia, como na Rússia, é que não temos líderes. É a mesma velha história, as mesmas velhas biografias. Seu pensamento não é tão diferente do passado soviético”.

Nyquist: “Temos um problema semelhante no Ocidente”.

Bukovsky: “Neste momento, você está certo. A ausência de liderança é aterrorizante. Nossas supostas elites apodreceram. No passado, na história, as elites foram periodicamente destruídas em revoluções. Em nosso tempo, isso não acontece. Somos muito civilizados”.

Nyquist: “No entanto, poderia o ideal de liberdade se estender da Ucrânia à Rússia?”

Bukovsky: “Sim, mas não agora. O nacionalismo ucraniano surgiu de graves erros russos. Moscou cometeu erros terríveis na Ucrânia.”

Nyquist: “Esses erros poderão ser corrigidos depois que Putin deixar o cargo?”

Bukovsky: “Não, eles não podem consertar isso. O Kremlin insultou os ucranianos tratando-os como irmãos mais novos. ‘Você é criança demais para decidir por si mesmo’, disseram eles. ‘Moscou tem que decidir por você.’ Esta foi a razão pela qual o nacionalismo ucraniano emergiu”.

Nyquist: “Então o Kremlin cometeu um grave erro?”

Bukovsky: “Sim, eles têm um problema real. Mas o Ocidente também tem”.

Elites podres

O problema, então, não é o Oriente contra o Ocidente. O problema é que as elites em quase todos os países se tornaram socialistas e podres. Como Bukovsky escreveu em seu livro, “mesmo o eterno James Bond não luta contra a KGB, mas mais frequentemente está em aliança com a KGB, contra alguma super corporação mítica encabeçada, como regra geral, por um capitalista lunático”.

O livro de Bukovsky, “Julgamento em Moscou”, será publicado em breve em inglês. O que ele diz que aconteceu com o suposto fim da Guerra Fria? Bukovsky escreveu: “Foi um desastre total, uma rendição total de suas posições por parte do Ocidente no momento mais crítico de nossa história”.

O Ocidente apressou-se a apoiar o “carrasco, Gorbachev”. E apesar de toda essa ajuda, quando a União Soviética “caiu”, os milhares de carrascos não tiveram que prestar contas. Não houve julgamento do comunismo como um sistema, nem um “julgamento em Moscou”, como houve um “julgamento em Nuremberg”.

Ao contrário, um general da KGB, como Oleg Kalugin, que se gabava de seus assassinatos, aposentou-se e foi morar no Ocidente. Se não houver um estatuto de limitações aos assassinatos, como isso pode não acontecer? Bukovsky escreve que a Glasnost e a Perestroika foram “invenções diabólicas” que ratificaram o que se seguiu em seu rastro. “Das centenas de milhares de políticos, jornalistas e acadêmicos, apenas um punhado manteve sobriedade suficiente para não ceder à tentação, e foi ainda menor o número dos que tiveram a coragem de expressar suas dúvidas em voz alta.”

Mais adiante no livro, Bukovsky caracteriza a elite norte-americana como “criada na mentira e na traição”, condenando-a como “aliada natural da URSS”. E isso continua sendo verdade hoje como sempre.

Vejamos a mudança resultante no equilíbrio global de poder décadas depois: o regime de Putin fortalece os laços com o regime comunista na China, com o regime comunista em Cuba, com a Nicarágua e a África do Sul, Vietnã e Coreia do Norte. As palavras de Bukovsky se mostram verdadeiras. O bloco comunista ergue-se das cinzas, com novas armas, novas tecnologias e nova influência econômica. Acreditamos nas mentiras dos comunistas que investiram nossos “dividendos de paz”. Agora somos ameaçados a partir de dentro e também de fora.

“Tudo está por um fio”, disse Bukovsky.

J.R. Nyquist é colunista e autor dos livros “Origens da Quarta Guerra Mundial” e “O Louco e seu Inimigo”. Também é co-autor de “As Novas Táticas da Guerra Global”

O conteúdo desta matéria é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Epoch Times

 
 
 

EUA podem proibir a entrada de oficiais chineses envolvidos na perseguição ao Falun Gong

EUA podem proibir a entrada de oficiais chineses envolvidos na perseguição ao Falun Gong
O Departamento de Estado dos Estados Unidos está procurando aumentar a aplicação dos controles de imigração contra os ...
Leia Mais >
 

Turma da Mônica pode ter personagem gay

Turma da Mônica pode ter personagem gay
O cartunista Maurício de Sousa, criador da Turma da Mônica, anunciou que poderá incluir um personagem homossexual nas ...
Leia Mais >
 

Maconha diminui fertilidade e chances de concepção, alerta relatório médico canadense

Maconha diminui fertilidade e chances de concepção, alerta relatório médico canadense
A maconha pode afetar a fertilidade em mulheres e homens ao diminuir a contagem de espermatozóides, atrasando ou ...
Leia Mais >
 

Facebook acaba de anunciar sua nova moeda virtual, a Libra

Facebook acaba de anunciar sua nova moeda virtual, a Libra
A nova moeda digital chamada Libra foi anunciada nesta terça-feira (18) pelo Facebook, a maior rede social virtual ...
Leia Mais >