Embaixada chinesa pressiona autoridades para impedir apresentações do Shen Yun no México

Embaixada chinesa pressiona autoridades para impedir apresentações do Shen Yun no México

A audiência na chamada de cortina do Shen Yun Performing Arts Touring Company no Auditório Nacional, na Cidade do México, em 5 de maio de 2018 (Ramon Reyna Herrmann/Epoch Times)

2022/05/07

Por Eva Fu 

A companhia de artes cênicas sediada em Nova Iorque com a missão de reviver a cultura tradicional chinesa no cenário mundial continua sendo alvo da campanha de interferência de longo alcance do regime chinês.

Desde o início de 2006, o Shen Yun Performing Arts teve que enfrentar uma série de manobras orquestradas pelo Partido Comunista Chinês (PCCh), desde a aplicação de pressão diplomática em teatros e governos anfitriões até a execução de campanhas publicitárias apoiadas pela mídia estatal, que são projetadas para frustrar ou sabotar sua turnê mundial anual.

Desta vez, com a performance do Shen Yun buscando retratar a “China antes do comunismo”, as atividades de sabotagem do PCCh seguiram a companhia até o México, onde duas semanas de apresentações em cinco cidades devem começar em menos de uma semana.

Autoridades da embaixada chinesa entraram em contato com funcionários mexicanos em pelo menos três cidades por meio de cartas, e-mails, telefonemas ou mensagens nas redes sociais, de acordo com documentos e detalhes compartilhados com o Epoch Times.

Um pedido por e-mail

Depois de inicialmente entrar em contato no Instagram com o gabinete do prefeito da cidade mexicana de Santiago de Querétaro, a Embaixada da China no México enviou uma série de e-mails e cartas na tentativa de aumentar a pressão.

“A Associação do Falun Dafa México… organizará uma turnê do “Shen Yun” no Teatro Metropolitano em Querétaro nos dias 10 e 11 de maio deste ano, um evento ao qual a parte chinesa se opõe firmemente”, escreveu Zhao Heng, funcionário da embaixada, em um e-mail de 4 de maio para a coordenadora da agenda do governo de Querétaro, Alma Izaguirre, cuja cópia foi obtida pelo Epoch Times.

Falun Gong, ou Falun Dafa, é uma prática espiritual originária da China na década de 1990, composta por exercícios meditativos e ensinamentos morais baseados nos princípios da verdade, compaixão e tolerância. Era imensamente popular na época até que o regime chinês, percebendo seus vastos seguidores como uma ameaça, moveu-se para erradicar sistematicamente a fé, lançando uma ampla perseguição contra seus adeptos. Milhões de adeptos foram detidos pelo regime em instalações onde são submetidos a trabalho escravo, tortura, doutrinação e extração forçada de órgãos.

A perseguição de mais de duas décadas ao grupo espiritual foi retratada em segmentos das produções do Shen Yun ao longo dos anos.

Dois policiais chineses prendem um praticante do Falun Gong na Praça Tiananmen, em Pequim, em 10 de janeiro de 2000 (Foto Chien-Min Chung/AP)
Dois policiais chineses prendem um praticante do Falun Gong na Praça Tiananmen, em Pequim, em 10 de janeiro de 2000 (Foto Chien-Min Chung/AP)

Zhao perguntou no e-mail se a Embaixada da China poderia enviar uma “nota” por e-mail ou por outro meio, ao governo da cidade para explicar “o que é o Falun Dafa e a turnê do Shen Yun”.

“Solicitamos ao Governo Local de Querétaro que tome as medidas necessárias para proibir os eventos do ‘Shen Yun’ para evitar que o povo mexicano seja enganado e que tirem vantagem dele”, disse Zhao, acrescentando que “seria um grande prazer e honra” estar conectado no WhatsApp com “pessoas competentes para que possam ser bem informadas”.

As autoridades da cidade contataram os apresentadores locais do Shen Yun depois de receber a carta para ouvir seu lado da história.

Alavancando as relações China-México

O e-mail acabou sendo o início de um esforço de vários dias por parte da embaixada chinesa para influenciar autoridades e teatros mexicanos.

Um dia depois, a Embaixada chinesa enviou uma carta de seis páginas à cidade, em chinês e espanhol, intitulada “nota para Querétaro”, pedindo a Querétaro que proibisse o Shen Yun de se apresentar na cidade.

O Shen Yun está programado para realizar duas apresentações no Teatro Metropolitano de Querétaro nos dias 10 e 11 de maio, marcando a quarta vez que a empresa se apresentará no local após uma pausa de um ano de pandemia. A empresa este ano foi convidada pelo prefeito da cidade que esteve no espetáculo em 2019.

As duas apresentações estão a caminho de ter casa cheia, segundo os organizadores locais.

“As pessoas em Querétaro amam o Shen Yun”, disse Carlos Guzman, membro da Associação Falun Dafa no México, apresentador local do Shen Yun, ao Epoch Times.

“Uma grande porcentagem de pessoas” que comprou ingressos para o show do Shen Yun em 2020, que acabou sendo cancelado devido à pandemia, manteve seus ingressos em vez de reembolsá-los com a expectativa de ver a apresentação quando a empresa voltasse, disse ele.

Anexando um cronograma das apresentações, a embaixada disse que o “lado chinês está gravemente preocupado” com a realização do evento, de acordo com uma cópia da carta de 5 de maio obtida pelo Epoch Times.

Alguns segmentos do programa “atacam o governo chinês”, afirma a carta, que traz um selo vermelho da embaixada. A Embaixada da China lembrou Querétaro das relações diplomáticas de 50 anos entre México e China, afirmando que as apresentações do Shen Yun prejudica tal amizade.

“A Embaixada da China no México solicita sinceramente ao governo de Querétaro que tome as medidas necessárias para proibir o Shen Yun de ser hospedado na cidade e lembre aos funcionários de Querétaro de todos os níveis, membros do conselho, acadêmicos e repórteres que mantenham distância”, dizia a carta.

Mantendo seus valores

Enquanto a embaixada chinesa não especificou quais segmentos específicos despertaram sua ira, Guzman acredita que isso tem algo a ver com os valores do Falun Gong.

“O Falun Dafa promove três pilares importantes: verdade, compaixão e tolerância, mas parece que o consulado chinês e a embaixada chinesa estão do outro lado”, disse ele. “Enquanto o Falun Dafa promove a verdade, eles promovem mentiras”.

A pressão do regime chinês ocorreu no momento em que sua prática de extração forçada de órgãos, uma das piores violações contra os adeptos do Falun Gong, atraiu crescente escrutínio na Europa.

O Parlamento Europeu adotou em 5 de maio uma resolução para marcar “séria preocupação com relatos de extração de órgãos persistente, sistemática, desumana e sancionada pelo Estado de prisioneiros na China e, mais especificamente, de praticantes do Falun Gong”.

Josep Borrell, o principal diplomata da UE, em comentários preparados em 4 de maio, disse que a UE “condena nos termos mais fortes possíveis a prática criminosa, desumana e antiética de extração forçada de órgãos”.

A interferência das autoridades chinesas não parou em Querétaro, como os apresentadores do Shen Yun logo descobriram. Depois de ouvir sobre o episódio de Querétaro, Maru Ruano, porta-voz da Associação Falun Dafa no México que está supervisionando a turnê do Shen Yun na Cidade do México, rapidamente ligou para o Auditório Nacional, local onde o Shen Yun se apresentará a partir de 13 de maio. Ela disse que a embaixada havia ligado para eles duas semanas atrás para cancelar o show.

O teatro recusou de imediato a embaixada, dizendo-lhes que “continuariam com os espetáculos como estavam programados desde o início”, segundo Ruano.

Eles disseram que “o auditório sempre teve as portas abertas para esse tipo de show”, disse Ruano ao Epoch Times.

O público durante a apresentação do Shen Yun Performing Arts Touring Company no Auditório Nacional na Cidade do México, em 6 de abril de 2019 (Ramon Reyna Herrmann/ Epoch Times)
O público durante a apresentação do Shen Yun Performing Arts Touring Company no Auditório Nacional na Cidade do México, em 6 de abril de 2019 (Ramon Reyna Herrmann/ Epoch Times)

O público no auditório votou no Shen Yun como uma das melhores apresentações ao vivo no México por dois anos consecutivos em 2018 e 2019.

“Quando perguntei por que não me contaram, eles me disseram que eu não tinha com o que me preocupar, porque isso está resolvido. O auditório tem uma posição firme para continuar com o show como tivemos nos anos anteriores”, disse Ruano.

O prefeito de San Luis Potosi também recebeu um e-mail da Embaixada da China pedindo à cidade que não promovesse duas apresentações agendadas nos dias 17 e 18 de maio, segundo o apresentador local.

O segredo do sucesso do Shen Yun, apesar da pressão persistente de Pequim, está na mensagem que ele traz às pessoas, segundo Guzmán.

“O Shen Yun apresenta como seria a China se o comunismo não existisse e apresenta um show onde eles mostram a você… toda aquela cultura que foi literalmente aniquilada pelo Partido Comunista Chinês”, disse ele.

Ruano acredita que as atividades de sabotagem chinesas não terão sucesso no México.

“Somos um país livre e temos liberdade de expressão”, disse ela.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também: