Ebola continua a se espalhar no Congo, gerando tensão regional

Por Charles Pensulo, Especial para o Epoch Times

BLANTYRE, Malauí – Centenas de pessoas continuam expostas ao vírus Ebola na República Democrática do Congo (RDC), aumentando os temores de que a doença se espalhe para os países vizinhos e para toda a região.

A equipe da Organização Mundial da Saúde (OMS), na República Democrática do Congo, relatou 70 a 80 casos por semana.

No total, 2.758 casos e 1.819 mortes foram registrados desde agosto de 2018, quando a primeira pandemia eclodiu nas províncias do norte do Kivu do Norte e Ituri.

“A taxa atual de transmissão pode ser descrita como intensa”, disse Margaret Harris, porta-voz da equipe de resposta da OMS na RDC, ao Epoch Times.

Harris disse que o risco de transmissão no país e na região é alto, embora tenha minimizado o risco para o resto do mundo.

Recentemente, um homem morreu em Goma, uma área perto da fronteira com Ruanda, depois de ter sido infectado uma semana antes. Teme-se que sua esposa e um filho também possam ter sido expostos ao vírus. Desde então, Ruanda estabeleceu um posto de triagem em sua fronteira com a RDC.

Desafios da resposta ao surto

O surto atual na RDC – o segundo maior da história após o surto na África Ocidental que matou milhares de pessoas há alguns anos – foi declarado uma emergência internacional de saúde pública pela OMS em julho.

Mas instituições de caridade da área da saúde e funcionários do governo levantaram alarmes sobre os desafios enfrentados pela resposta ao surto, não apenas por causa de uma aguda escassez de financiamento. A instabilidade no país, alimentada pelo conflito entre o governo e a milícia, torna perigoso para as equipes médicas identificarem alguns dos focos da doença.

Os trabalhadores médicos estão constantemente sob ataque.

Harris, no entanto, enfatizou que o conhecimento local do vírus é essencial, citando o exemplo da África Ocidental, onde o vírus se espalhou rapidamente porque “as pessoas não tinham experimentado isso antes”.

“Quanto mais as pessoas locais são treinadas sobre como lidar com isso, mais chances de controlar o vírus”, disse ela.

A RDC tem uma vasta geografia e, enquanto algumas áreas do país com experiência sobre o vírus conseguiram responder rapidamente, o oposto aconteceu em Kivu do Norte.

Como Kivu é uma área com uma cultura diferente, uma longa história de conflito e nenhuma experiência com o Ebola, demorou mais para o vírus ser reconhecido e para a comunidade entendê-lo.

“O maior desafio para a resposta é o medo e o pânico – as pessoas escondem seus sintomas porque têm medo das consequências geradas ao serem  identificadas com Ebola”, disse Harris.

Pânico regional

A pandemia trouxe pânico à região, e alguns países vizinhos montaram verificações de seleção em suas fronteiras.

No início de agosto, o governo moçambicano anunciou a criação de pontos de rastreio nas suas fronteiras com o Malawi, citando um caso “suspeito” mas não confirmado no Malaui.

Isto significa que os viajantes de Malaui – que não faz fronteira direta com a RDC – serão monitorizados para evitar que o surto de Ebola na República Democrática do Congo se alastre para Moçambique, disse a repórteres Hidayate Kassim, diretor provincial de saúde da região da Zambézia.

O governo do Malaui, no entanto, negou o suposto caso reiterando sua posição de que não há Ebola no país.

“No entanto, devido aos recentes desenvolvimentos relacionados ao Ebola na República Democrática do Congo (RDC), o Ministério… continua a tomar medidas para preparar, prevenir, detectar e tratar qualquer caso de Ebola no país”, de acordo com uma declaração do Ministério da Saúde e População do Malaui.

Joshua Malango, porta-voz do ministério, disse que não há restrições atuais de viagem entre o Malaui e seus vizinhos, acrescentando que não há necessidade de “alarmes desnecessários”.

Coincidentemente, o Departamento para o Desenvolvimento Internacional do Reino Unido, através da UNICEF, forneceu 478.000 libras (US$ 581.000) para ajudar nos programas de prevenção do Ebola, de acordo com a declaração do ministério.

“Os fundos vão, entre outras coisas, ser usados para treinar 500 profissionais de saúde nos distritos fronteiriços e nos portos de entrada”, diz o comunicado.

George Jobe, diretor executivo da organização local Malawi Health Equity Network, disse que a questão é algo que o Malaui deveria se preocupar.

“A intervenção de Moçambique, embora tenha sido provado que o caso registrado em Malaui não era verídico, pode apenas fornecer uma lição ao país para conduzir a triagem em seus pontos de entrada na fronteira”, disse Jobe em uma resposta por e-mail.

Ele exortou o governo de Malaui a considerar o envio de trabalhadores de saúde com os conhecimentos relevantes para escoltar os soldados de Malaui que operam na RDC.

“O Malaui não deve ficar apenas preocupado com a possibilidade de um soldado trazer o Ebola para o país, mas podemos reforçar a nossa prevenção, fornecendo apoio adicional de proteção para eles também, já que eles são cidadãos deste país prestando um serviço nobre”, acrescentou.

O Malaui, a Tanzânia e a África do Sul são alguns dos países da região da RDC cobertas pelas missões de manutenção da paz da ONU.

 
 
 

Bolsonaro, COVID-19 e a invasão chinesa no Brasil

Bolsonaro, COVID-19 e a invasão chinesa no Brasil
O agravamento da epidemia de coronavírus no Brasil evidencia a relação próxima e predatória do Partido Comunista Chinês ...
Leia Mais >
 

Gás lacrimogêneo é lançado em manifestantes de Hong Kong que retornaram às ruas contra a lei de ‘Segurança Nacional’ da China

Gás lacrimogêneo é lançado em manifestantes de Hong Kong que retornaram às ruas contra a lei de ‘Segurança Nacional’ da China
Por Frank Fang O ar em Hong Kong se encheu novamente de gás lacrimogêneo em 24 de maio, ...
Leia Mais >
 

Relatório da Casa Branca denuncia ‘comportamento maligno’ de Pequim em meio a tensões elevadas

Relatório da Casa Branca denuncia ‘comportamento maligno’ de Pequim em meio a tensões elevadas
A Casa Branca criticou as práticas econômicas predatórias do Partido Comunista Chinês (PCC), movimentos militares agressivos e violações ...
Leia Mais >
 

Médica levanta preocupação com ensaios humanos canadenses da vacina contra vírus desenvolvida em parceria com militares chineses

Médica levanta preocupação com ensaios humanos canadenses da vacina contra vírus desenvolvida em parceria com militares chineses
Um médico está expressando preocupação com os canadenses que recebem uma vacina experimental COVID-19 desenvolvida com a ajuda ...
Leia Mais >