Dr. Peter McCullough afirma que ‘crianças saudáveis ​​não precisam ser vacinadas contra COVID-19’

Por Massoma Haq & Jan Jekielek 

O Dr. Peter McCullough acredita que crianças saudáveis não devem receber a vacina contra a COVID-19 porque a porcentagem dessas crianças que morrem do vírus é pequena, mas os efeitos adversos da vacina no mesmo grupo são muito preocupantes.

McCullough, um proeminente cardiologista e epidemiologista, afirmou ao Epoch Times que em 2021, 600 crianças morreram pela COVID-19 (no ano anterior cerca de 600 morreram de outros vírus respiratórios, como vírus sincicial respiratório ou gripe), mas também sabia-se que eles sofriam outras doenças graves, como fibrose cística, doença pulmonar, doença cardíaca congênita ou câncer.

Ele citou um estudo do Dr. Marty Makary da Universidade Johns Hopkins. “Eles acham que talvez possam encontrar uma criança que morreu pela COVID-19 e estava saudável primeiro”, afirmou McCullough.

Makary escreveu na MedPage Today: “Minha equipe de pesquisa na Johns Hopkins fez parceria com a FAIR Health para estudar mortes pediátricas pela COVID-19 usando aproximadamente metade dos dados de seguro de saúde do país. Descobrimos que 100% das mortes pediátricas pela COVID-19 ocorreram em crianças com uma doença pré-existente”.

“E assim, por essas razões, bons médicos nunca considerariam vacinar uma criança”, declarou McCullough.

Na sua opinião, faz sentido vacinar contra doenças “horríveis” como a poliomielite, ou doenças altamente contagiosas como varicela ou caxumba e sarampo, mas não contra um vírus como o SARS-CoV2, que causa pouco ou nenhum dano às crianças. “Nós nunca vacinaríamos contra o resfriado comum”, relatou ele. Mas recomenda-se vacinar crianças contra a COVID-19 se tiverem outras doenças graves.

McCullough explicou que não temos dados suficientes sobre os efeitos adversos e de longo prazo das vacinas em crianças saudáveis, e que os dados disponíveis mostram que vacinar jovens resulta em maiores danos do que benefícios.

“Neste caso, nunca iríamos expor crianças a uma vacina que não tivesse um perfil de segurança duradouro. As diretrizes da FDA para uma vacina somente de antígenos devem ter um perfil de segurança de dois anos. Precisamos de muitas garantias de que não cause defeitos e crescimento, que cause um risco potencial a longo prazo de autoimunidade ou câncer”, afirmou ele. Especialmente para a tecnologia de transferência de genes, o perfil de segurança é de cinco anos, relatou.

McCullough declarou que os ensaios clínicos da vacina contra a COVID-19 em crianças de 12 a 17 anos não forneceram dados para apoiar a vacinação de crianças saudáveis. Dr. Ron Kostoff publicou um estudo no PubMed sugerindo que não vale a pena vacinar crianças.

O estudo de Kostoff afirma: “A maioria das mortes per capita oficiais atribuídas à COVID-19 ocorre em idosos com altas comorbidades, e as mortes atribuídas à COVID-19 per capita são insignificantes em crianças”. O documento afirma ainda que “o risco de morte pela COVID-19 diminui drasticamente à medida que a idade diminui, e os efeitos a longo prazo das inoculações nas faixas etárias mais baixas aumentarão sua relação risco-benefício, talvez substancialmente”.

McCullough criticou o Dr. Eric Rubin, editor do New England Journal of Medicine (NEJM) e membro do painel consultivo para avaliar a segurança das vacinas para crianças, por suas declarações que parecem ignorar os riscos das vacinas às crianças.

Dr. Eric Rubin (E) explica por que ele votará para aconselhar a FDA a autorizar a vacina contra a COVID-19 da Pfizer para crianças pequenas durante uma reunião da comissão consultiva da FDA, no dia 26 de outubro de 2021 (Epoch Times via FDA)
Dr. Eric Rubin (E) explica por que ele votará para aconselhar a FDA a autorizar a vacina contra a COVID-19 da Pfizer para crianças pequenas durante uma reunião da comissão consultiva da FDA, no dia 26 de outubro de 2021 (Epoch Times via FDA)

“Então, em sua mente como editor do NEJM e membro influente do comitê consultivo, o teste de segurança em crianças americanas é absolutamente vacinar as crianças de maneira descontrolada, com monitoramento descontrolado e deixar os pais loucos por segurança”, questionou McCullough.

Rubin atuou em um comitê de conselheiros independentes da Food and Drug Administration (FDA) dos EUA que, em 29 de outubro, concedeu a autorização para uso emergencial da dose da Pfizer para crianças de 5 a 11 anos após seu painel consultivo, com uma abstenção, recomendou fazê-lo. O painel concordou com os próprios dados da Pfizer de que a vacina é 90,7% segura para crianças.

Rubin afirmou a seus colegas que há muito mais a aprender sobre a vacina quando se trata de crianças.

“Concordo com o Dr. Cohn, queremos salvar as crianças que podemos salvar e acho que será útil ter muito mais informações, sim, para determinar a melhor maneira de implementar a vacina. Então acabamos em algum lugar no meio, decidimos votar a favor com muita consciência, mas espero que este seja o começo de aprender mais sobre isso.”

O Epoch Times entrou em contato com Rubin com um pedido para comentar.

Um estudo publicado no dia 2 de dezembro no NJEM ecoou a opinião do comitê consultivo sobre a segurança das vacinas para crianças. O estudo analisou uma das maiores organizações de saúde israelenses e descobriu que “a incidência estimada de miocardite foi de 2,13 casos por 100.000 pessoas; a maior incidência foi em pacientes do sexo masculino entre 16 e 29 anos”. O estudo relata que a maioria dos casos foi leve.

No entanto, McCullough avaliou os dados mostrando que a miocardite é uma grande preocupação ao vacinar crianças. Ele repreendeu o comitê consultivo da FDA por afirmar que os efeitos adversos da vacina em crianças são “leves” e “raros”.

McCullough encontrou evidências de que as vacinas causam miocardite em um número significativo de seus receptores, principalmente homens. Ele citou um estudo da Dra. Tracey Hoeg, da Universidade da Califórnia, descobriu que a taxa desses eventos é maior do que se pensava anteriormente. A miocardite é uma inflamação do músculo cardíaco.

“E quando a FDA e o CDC se reuniram duas vezes em junho, eles realmente usaram esses termos, que eram leves e raros. Agora, leve foi uma conclusão incorreta porque sabemos que a hospitalização é um evento adverso grave de acordo com a lei e os regulamentos”.

A FDA e o CDC não responderam imediatamente a um pedido por comentários.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Rússia corta fornecimento de energia elétrica da Finlândia

Rússia corta fornecimento de energia elétrica da Finlândia
O fornecedor russo de energia RAO A Nordic Oy cortou o fornecimento de eletricidade para a Finlândia no ...
Leia Mais >
 

“RÚSSIA CONSIDERA ESSA UMA ‘GUERRA SANTA’ CONTRA O OCIDENTE”: EX-ASSESSOR DE PUTIN | ENTREVISTA

“RÚSSIA CONSIDERA ESSA UMA ‘GUERRA SANTA’ CONTRA O OCIDENTE”: EX-ASSESSOR DE PUTIN | ENTREVISTA
O que se passa na mente de Vladimir Putin? O Dr. Andrei Illarionov. Andrei foi assessor econômico de ...
Leia Mais >
 

“FINLÂNDIA PRECISA SE CANDIDATAR À OTAN ‘SEM DEMORA’”: PRIMEIRA-MINISTRA

“FINLÂNDIA PRECISA SE CANDIDATAR À OTAN ‘SEM DEMORA’”: PRIMEIRA-MINISTRA
A primeira-ministra da Finlândia disse que o país precisa entrar na OTAN “sem demora”. A nação tem se ...
Leia Mais >
 

ALLAN DOS SANTOS, DO TERÇA LIVRE, FALA SOBRE ÚLTIMO BANIMENTO E LIBERDADE DE IMPRENSA

ALLAN DOS SANTOS, DO TERÇA LIVRE, FALA SOBRE ÚLTIMO BANIMENTO E LIBERDADE DE IMPRENSA
Allan dos Santos, jornalista e fundador do canal Terça Livre, teve uma nova conta no youtube banida nesta ...
Leia Mais >