Diretora Financeira da Huawei é presa no Canadá por violar sanções contra Irã

Por Henry Jom, Epoch Times

Autoridades canadenses prenderam a diretora financeira da empresa Huawei por suspeita de ter violado as sanções comerciais dos Estados Unidos contra o Irã.

Meng Wanzhou, vice-presidente do conselho de administração da Huawei e filha do fundador da empresa, Ren Zhengfei, foi presa em Vancouver a pedido das autoridades norte-americanas, informou o The Globe and Mail.

A audiência foi marcada para 7 de dezembro.

Segundo o The Globe and Mail, as autoridades afirmam que Meng tentou fugir das sanções comerciais impostas pelos Estados Unidos contra o Irã.

A investigação, iniciada pelo Departamento de Justiça em 2016, indica que a Huawei enviou produtos de origem norte-americana para o Irã e para outros países, violando as sanções e as leis de exportação dos Estados Unidos.

O objetivo da investigação do Departamento de Justiça é impedir que empresas como Huawei e ZTE, que respondem ao Partido Comunista Chinês, acessem a economia norte-americana em meio a acusações de espionagem por meio de seus dispositivos.

Um comunicado da Huawei afirma que Meng, que também usou os nomes ingleses de Cathy e Sabrina, foi presa quando trocava de avião em uma escala no Canadá.

A investigação da Huawei é semelhante à que quase derrubou sua concorrente nacional, a fabricante de smartphones chinesa ZTE.

Foto tirada em 19 de abril de 2018 mostra o logotipo da ZTE em um edifício em Nanjing, na província oriental de Jiangsu, China. A gigante chinesa de telecomunicações ZTE prometeu em 20 de abril lutar contra uma ordem dos EUA que a proíbe de comprar e usar tecnologia norte-americana, uma medida que enfureceu Pequim (AFP/Getty Images)
Foto tirada em 19 de abril de 2018 mostra o logotipo da ZTE em um edifício em Nanjing, na província oriental de Jiangsu, China. A gigante chinesa de telecomunicações ZTE prometeu em 20 de abril lutar contra uma ordem dos EUA que a proíbe de comprar e usar tecnologia norte-americana, uma medida que enfureceu Pequim (AFP/Getty Images)

Em 2017, a ZTE se declarou culpada em um tribunal federal dos Estados Unidos de fugir dos embargos norte-americanos ao Irã, comprando parte de tecnologia norte-americana, incorporando-a aos equipamentos da ZTE e enviando-a ilegalmente para o Irã. O caso foi o resultado de uma investigação federal de cinco anos. A empresa pagou US$ 890 milhões em multas e penalidades.

Por sua vez, no início deste ano, os Estados Unidos proibiram empresas norte-americanas de vender peças e softwares para a ZTE por sete anos, o que colocou a empresa de joelhos. Washington acusou a ZTE de violar um acordo para punir empregados que surgiram do processo judicial.

A proibição foi suspensa pelo presidente Donald Trump em maio, depois de um pedido do regime chinês. Como parte de um novo acordo para suspender a proibição, a ZTE concordou em pagar US$ 1 bilhão em multas, substituir todo o seu conselho de diretores e gerentes e manter uma equipe formada pelo Departamento de Comércio dos Estados Unidos integrada em suas operações.

A prisão de Meng Wanzhou provocou rápida reação em Washington.

O senador norte-americano Ben Sasse elogiou a ação e disse que ela foi devida à “quebra das sanções dos Estados Unidos contra o Irã”. Ele acrescentou que “às vezes a agressão chinesa é explicitamente endossada pelo Estado, e às vezes ela é maquiada através de muitas das chamadas entidades do setor “privado” de Pequim”.

Com informações da Agência Reuters

 
 
 

Trump critica censura de criadores de conteúdo conservadores no Social Media Summit

Trump critica censura de criadores de conteúdo conservadores no Social Media Summit
O presidente Donald Trump reuniu-se com um grupo de criadores de conteúdo conservadores na Casa Branca para discutir ...
Leia Mais >
 

XXV Foro de São Paulo começa dia 25 de julho, na Venezuela; veja o que deverá ser debatido no evento

XXV Foro de São Paulo começa dia 25 de julho, na Venezuela; veja o que deverá ser debatido no evento
Apoiada pelo regime cubano, a Venezuela vai sediar o XXV Encontro do Foro de São Paulo entre 25 ...
Leia Mais >
 

México receberá 6 mil médicos cubanos, apesar dos cortes de AMLO no setor de saúde

México receberá 6 mil médicos cubanos, apesar dos cortes de AMLO no setor de saúde
O México assinou um acordo de cooperação com o regime cubano para levar médicos cubanos ao país como ...
Leia Mais >
 

MPF entra com Ação para impedir que Facebook censure usuários sem motivo

MPF entra com Ação para impedir que Facebook censure usuários sem motivo
Nesta quinta-feira (11), o Ministério Público Federal de Goiás entrou com Ação Civil Pública (ACP) com pedido de ...
Leia Mais >