Diante de desafios à sua autoridade, Xi invoca lealdade

Por Alexander Zhang

Análise

O líder chinês Xi Jinping, cuja autoridade foi severamente afetada devido ao mau uso de seu regime do surto do vírus do PCC, instou as autoridades do Partido Comunista Chinês (PCC) a permanecerem leais à sua liderança.

Durante uma viagem de quatro dias à província de Shaanxi, no noroeste da China, Xi pediu um ressurgimento da absoluta obediência no estilo maoísta ao PCC, alertando as autoridades contra a violação das ordens de Pequim.

A viagem ocorreu em meio a uma repressão contínua aos críticos de Xi e aos suspeitos de serem oponentes dentro do partido, incluindo altos funcionários do sistema de segurança.

O tratamento desastroso do regime contra o surto do vírus PCC enfraqueceu a posição de Xi dentro do partido e pode ter encorajado seus possíveis rivais.

“Siga o partido”

Em 20 de abril, Xi visitou uma reserva nacional nas montanhas Qinling para enfatizar a importância da preservação ecológica, mas sua verdadeira intenção era claramente política.

A área estava no centro de um escândalo de corrupção que cercou os líderes da província de Shaanxi em 2018, quando vários funcionários seniores foram disciplinados por ignorar repetidamente as diretrizes de Xi, exigindo uma investigação completa de centenas de casas de férias construídas ilegalmente em lugares de belas paisagens.

Shaanxi deve aprender com as lições deste caso, disse Xi na segunda-feira, pedindo às autoridades que “tomem nota sobre o que a liderança do Partido Central está preocupada e o que ela enfatiza”.

Claramente impressionado com a atual safra de burocratas comunistas do PCC, Xi reservou seus elogios à geração mais velha.

Visitando o campus da Universidade Xia’an Jiaotong (XJTU) em 22 de abril, ele elogiou os funcionários da universidade que seguiram a ordem do Partido na década de 1950 e se mudaram da área metropolitana de Xangai para o noroeste remoto.

A Universidade de Jiaotong estava sediada em Xangai, mas o regime de Mao transferiu a maioria de seus funcionários e equipamentos para Xi’an para apoiar projetos industriais patrocinados pelos soviéticos na região.

A essência do “espírito de realocação para o oeste”, segundo Xi, é “ouvir as instruções do Partido e seguir o Partido”.

O que ele não mencionou foi o fato de que muitos funcionários da Universidade de Jiaotong que se opunham à mudança foram rotulados de “direita” e sofreram mais de duas décadas de perseguição como resultado.

Em parte devido à sua vontade de ouvir discordâncias sobre a mudança, o primeiro presidente da XJTU, Peng Kang, foi expurgado como um “elemento antipartidário” e espancado até a morte durante a Revolução Cultural.

O vírus aprofunda a ruptura

No momento em que Xi está sob intensa pressão dentro do Partido por lidar com o surto do vírus do PCC, sua demanda por lealdade não é apenas verbalmente emitida, mas também imposta com mão de ferro.

O magnata de propriedades Ren Zhiqiang, um “principezinho” do PCC, foi levado sob investigação em 7 de abril, depois de criticar Xi por lidar mal com a crise.

Em 19 de abril, apenas um dia antes de Xi começar sua turnê em Shaanxi, Sun Lijun, vice-ministro do Ministério de Segurança Pública, foi oficialmente colocado sob investigação. Segundo o ministério, o destino de Sun foi um “resultado inevitável” não apenas por seu desrespeito às regras do partido, mas também por seu “desrespeito e reverência”, um eufemismo por deslealdade a Xi.

Um dia depois, foi relatado que Fu Zhenghua, ministro da Justiça da China, havia renunciado como vice-chefe do partido de seu ministério, uma indicação clara de que ele está enfrentando demissão iminente ou mesmo uma investigação.

Sun e Fu eram anteriormente líderes do “Escritório 610”, uma agência no estilo da Gestapo criada pelo ex-chefe do PCC Jiang Zemin para perseguir o movimento espiritual do Falun Gong.

Os últimos desenvolvimentos, dizem os analistas, podem indicar outra rodada de expurgo no sistema de segurança do PCC, que tem laços estreitos com a facção de Jiang, amplamente conhecida como “gangue de Xangai”.

Circularam rumores em Pequim com especulações de que Meng Jianzhu, ex-chefe de segurança do PCC e membro do Politburo que se aposentou em 2017, também poderia estar envolvido. Sun anteriormente atuou como secretária de Meng.

Pequim tem afirmado que a pandemia exige solidariedade internacional. Mas, como sugere o apelo de Xi por lealdade e expulsão de suspeitos oponentes, a crise do COVID-19 pode ter dividido seu partido ainda mais.

Veja também:

O Método do PCC

 
 
 

COVID-19, uma pandemia do medo ‘fabricada’ pelas autoridades, afirma epidemiologista de Yale

COVID-19, uma pandemia do medo ‘fabricada’ pelas autoridades, afirma epidemiologista de Yale
A pandemia da COVID-19 tem sido uma pandemia do medo, fabricada por indivíduos em cargos nominais de autoridade ...
Leia Mais >
 

RISCO: 52% dos americanos vê China como principal ameaça

RISCO: 52% dos americanos vê China como principal ameaça
Os americanos parecem estar, drasticamente, mudando de ideia sobre o Regime comunista chinês. Pela primeira vez, metade dos americanos ...
Leia Mais >
 

EUA: Comunismo na educação

EUA: Comunismo na educação
Maduro vira desenho animado. A União Soviética e a China promoveram o culto à personalidade de tiranos como ...
Leia Mais >
 

EUA: Compromisso “inabalável” com defesa de Taiwan

EUA: Compromisso “inabalável” com defesa de Taiwan
Os EUA reiteraram seu compromisso “inabalável” com a defesa de Taiwan, e o ex-primeiro-ministro japonês disse que o ...
Leia Mais >