Depois do ‘Fora Renan’, próxima marcha exigirá em abril fim do voto secreto

Além do fim do sistema de voto fechado, que elegera Renan Calheiros para o Senado, também constam da pauta de reivindicações do movimento crime hediondo para corrupção e extinção do foro privilegiado e da PEC 37
No Rio de Janeiro a marcha ‘Fora Renan’ partiu do Posto 4 da orla de Copacabana, 24 de fevereiro de 2013 (Joana Ferreira/The Epoch Times)

RIO DE JANEIRO – Depois da manifestação deste domingo em todo o Brasil pela cassação do recém-empossado presidente do Senado Renan Calheiros, uma nova mobilização a nível nacional já tem data. A Marcha Nacional Contra a Corrupção está marcada para os dias 19, 20 e 21 de abril e exigirá, principalmente, o fim do voto secreto no Congresso Nacional, regime de votação fechado através do qual os senadores elegeram seu presidente em 1º de fevereiro. Até o momento, já se inscreveram 65 cidades brasileiras, além de Miami e Dublin.

Cerca de dois mil brasileiros marcharam no domingo (24) em todo o país e no estrangeiro exigindo o impeachment de Calheiros, segundo os organizadores. Participaram do ato 37 cidades brasileiras e cinco estrangeiras: Lisboa (Portugal), Paris (França), Auckland (Austrália) e Dublin (Irlanda) e Melbourne (Nova Zelândia).

Para Gerusa Lopes, coordenadora nacional do movimento, além de ir em direção contrária ao atual ensaio de moralização da política em curso no país com a aprovação da Lei da Ficha Limpa e o julgamento do mensalão pelo STF, a recente eleição de políticos ficha-suja para a presidência do Senado e da Câmara representa um insulto ao povo brasileiro e foi possível devido ao sistema de voto fechado. “Trabalhamos para que cada dia mais pessoas acordem e vão para as ruas lutar pelos seus direitos”, explica.

A estudante Mariana Resende Martinez Araújo, 18 anos, também uma das organizadoras do movimento no Rio, concorda e acrescenta que ainda há muito desconhecimento por parte da população sobre a ficha de Renan Calheiros e os crimes cometidos pelo parlamentar. “Daí a importância de se mobilizar as pessoas; é preciso passar as informações adiante. O movimento ainda está pequeno, mas tem muito a crescer. Eu tenho fé de que as pessoas vão se conscientizar”, afirma Mariana.

Gerusa esclarece que a pauta de reivindicações dos movimentos do Basta à Corrupção e homônimos que também organizam a marcha nacional é mais ampla e transcende a renúncia de Renan e o fim do voto secreto nos Legislativos do país. Os manifestantes também exigem tornar hediondo o crime de corrupção no Brasil, o fim do foro privilegiado para autoridades políticas (direito de serem julgadas por um tribunal especial diferente ao de primeira instância, em que é julgada a maioria dos brasileiros que cometem crimes) e a extinção da proposta de emenda constitucional (PEC) nº 37, que tramita no Congresso Nacional com o objetivo de subtrair do Ministério Público o poder de investigar.

Na semana passada, representantes do movimento realizaram a entrega simbólica para líderes do Senado de uma petição que reuniu 1,6 milhão de assinaturas pela internet exigindo a saída do parlamentar. O grupo também cobra que o STF acate o inquérito aberto pelo procurador geral da República, Roberto Gurgel, contra o político.

Renan Calheiros (PMDB-AL) foi eleito presidente do Senado no início deste mês pela ampla maioria de seus pares através do sistema de voto secreto. Em 2007, renunciou à presidência da casa para evitar processo de cassação após ter sido denunciado pelo Ministério Público por falsidade ideológica, peculato e uso de notas fiscais frias para justificar sua renda pessoal. Também pesaram contra ele, entre outras, uma denúncia da revista Veja de ter tido a pensão de uma filha sua extraconjugal paga pelo lobista de uma empreiteira.

Manifestantes exigem impeachment de Renan Calheiros da presidência do Senado na orla de Copacabana, Rio de Janeiro, 24 de fevereiro de 2013 (Joana Ferreira/The Epoch Times)
Manifestantes exigem impeachment de Renan Calheiros da presidência do Senado na orla de Copacabana, Rio de Janeiro, 24 de fevereiro de 2013 (Joana Ferreira/The Epoch Times)
Marcha contra a eleição de Renan Calheiros para a presidência do Senado na orla de Copacabana, Rio de Janeiro, 24 de fevereiro de 2013 (Joana Ferreira/The Epoch Times)
“Ética, cadê você?”, “Renan, pede pra sair” e  “Choque de ordem no Senado Já” estavam entre os cartazes da marcha que reivindica o impeachment de Renan na orla do Rio em 24 de fevereiro de 2013 (Joana Ferreira/The Epoch Times)
Manifestantes exibem cartazes onde se lê “Acorda Brasil” e “Lugar de bandido é na cadeia. Chega de impunidade”. Orla de Copacabana, 24 de fevereiro de 2013 (Joana Ferreira/The Epoch Times)
Cartazes como “Pede pra sair, fora Renan”, “Senado, vergonha nacional”, “Choque de ordem no Senado Já”, “Chega” e “Renúncia já” se destacaram na marcha que reivindicou o impeachment de Renan na orla do Rio em 24 de fevereiro de 2013 (Joana Ferreira/The Epoch Times)
Manifestantes exigem saída de Renan Calheiros da presidência do Senado Federal no Masp, Avenida Paulista, São Paulo/SP, em 24 de fevereiro de 2013 (Jan Hendriks Júnior/The Epoch Times)
Manifestante levanta cartaz com “Fora Renan” em frente à multidão que exige o impeachment do senador ficha-suja da presidência do Senado Federal. Masp, Avenida Paulista, São Paulo/SP, em 24 de fevereiro de 2013 (Jan Hendriks Júnior/The Epoch Times)
Multidão pede a saída do novo presidente ficha-suja do Senado Federal em frente ao Masp, Avenida Paulista, São Paulo/SP, em 24 de fevereiro de 2013 (Jan Hendriks Júnior/The Epoch Times)
Ato ‘Fora Renan’ na Avenida Paulista, em 24 de fevereiro (Jan Hendriks Júnior/The Epoch Times)
Ato ‘Fora Renan’ na Avenida Paulista, em 24 de fevereiro (Jan Hendriks Júnior/The Epoch Times)
Rapaz estende cartaz onde se lê “Renan não”, ao lado de outros que também se destacaram como “Renão” e “Fora Renan” na manifestação defronte ao Masp, Avenida Paulista, São Paulo/SP, em 24 de fevereiro de 2013 (Jan Hendriks Júnior/The Epoch Times)
Manifestação exigindo a renúncia do presidente do Senado Federal, Renan Calheiros, em Dublin (Irlanda), em 24 de fevereiro de 2013 (Cortesia de AnonymousBrasil)
Brasileiros dizem “Fora Renan” no País Basco, Espanha, em 24 de fevereiro de 2013 (Cortesia de Herbet Filipe)
Ato ‘Fora Renan’ na Avenida Paulista, em 24 de fevereiro (Jan Hendriks Júnior/The Epoch Times)

Epoch Times publica em 35 países em 21 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
 
 

Diplomatas dos EUA na Colômbia sofrem da ‘síndrome de Havana’, segundo o WSJ

Diplomatas dos EUA na Colômbia sofrem da ‘síndrome de Havana’, segundo o WSJ
A embaixada dos Estados Unidos na Colômbia está investigando vários casos da chamada " síndrome de Havana " ...
Leia Mais >
 

Taiwan: não nos curvaremos à China

Taiwan: não nos curvaremos à China
Mais de uma dúzia de pessoas estão mortas na China. Severas enchentes no país causaram o transbordamento de ...
Leia Mais >
 

Huawei: entenda preocupações acerca da empresa

Huawei: entenda preocupações acerca da empresa
Durante a 1ª Guerra Mundial, a Grã-Bretanha fez do seu conhecimento de uma tecnologia chave uma arma formidável ...
Leia Mais >
 

Quem realmente foi Che Guevara?

Quem realmente foi Che Guevara?
Um ex-chefe da inteligência venezuelana foi preso na Espanha. À ocasião, uma jornalista espanhola acusou laços de partidos ...
Leia Mais >