Depois de solicitação de Trump, Coreia do Sul assina contrato para pagar mais pelas tropas dos EUA

Por Ivan Pentchoukov

A Coreia do Sul pagará US$ 60 milhões a mais pela manutenção das tropas norte-americanas em seu território – isso depois que o presidente Donald Trump exigiu que Seul aumentasse sua contribuição. Os dois países fecharam um acordo de curto prazo em 10 de fevereiro, aumentando o faturamento anual da Coreia do Sul em 6,75%, ou seja US$ 890 milhões.

Na campanha eleitoral, Trump prometeu aos eleitores dos Estados Unidos que ele lutaria para garantir acordos justos para os Estados Unidos no cenário mundial. Os aliados da OTAN nos Estados Unidos aumentaram os gastos militares em US$ 100 bilhões, após demandas similares de Trump.

O Parlamento sul-coreano tem que aprovar o acordo antes que ele se torne definitivo. Ao contrário de acordos anteriores, que duraram cinco anos, o assinado em 10 de fevereiro expira em um ano. A negociação para o financiamento de 2020 deve recomeçar em meses.

“Foi um processo muito longo, mas, no final, um processo muito bem-sucedido”, disse a ministra das Relações Exteriores da Coreia do Sul, Kang Kyung-wha, em uma reunião antes de outro funcionário do Ministério das Relações Exteriores assinar o acordo.

O assessor sênior do Departamento de Estado dos Estados Unidos para negociações e acordos de segurança, Timothy Betts, conheceu Kang antes de assinar o acordo em nome dos Estados Unidos e disse a ela que o dinheiro representava uma parte pequena, mas importante, do apoio da Coreia à aliança.

Timothy Betts (E), vice-secretário adjunto e conselheiro sênior das negociações de segurança e acordos do Departamento de Estado dos Estados Unidos e a ministra das Relações Exteriores da Coreia do Sul, Kang Kyung-wha, durante sua reunião no Ministério das Relações Exteriores em Seul, Coreia do Sul, em 10 de fevereiro. 2019 (Lee Jin-man / Pool via Reuters)

“O governo dos Estados Unidos percebe que a Coreia do Sul faz muito pela nossa aliança e pela paz e estabilidade nesta região”, disse ele.

Aproximadamente 70% dos fundos de pagamento da Coreia do Sul financia os salários de cerca de 8.700 trabalhadores sul-coreanos que prestam serviços administrativos, técnicos e outros serviços para as forças armadas dos Estados Unidos. No final do ano passado, os militares norte-americanos haviam alertado os funcionários sul-coreanos em suas bases de que eles poderiam ser demitidos em meados de abril se nenhum acordo fosse alcançado.

Seul e Washington realizaram 10 rodadas de negociações desde março, em meio a pedidos de Trump para que a Coreia do Sul pagasse mais. As autoridades sul-coreanas pressionaram por um acordo de três anos, mantendo sua contribuição anual em torno de US$ 864 milhões. Autoridades dos Estados Unidos exigiram US$ 1,2 bilhão por ano.

Os aliados trabalharam para finalizar um acordo a fim de minimizar o impacto sobre os sul-coreanos que trabalham nas bases militares norte-americanas e se concentrar nas negociações nucleares antes da segunda cúpula entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte, disseram autoridades de Seul.

Timothy Betts (E), vice-secretário adjunto e assessor sênior das negociações de segurança e acordos do Departamento de Estado dos EUA e a ministra das Relações Exteriores da Coreia do Sul, Kang Kyung-wha, em 10 de fevereiro de 2019, em Seul, Coreia do Sul (Lee Jin-man / Pool via Reuters)

Em 10 de fevereiro, o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Sul disse que os Estados Unidos afirmaram que isso não mudaria a escala de sua presença nas tropas.

Durante seu discurso anual do Estado da União em 5 de fevereiro, Trump anunciou que se encontrará com o líder norte-coreano Kim Jong Un pela segunda vez, de 27 a 28 de fevereiro, no Vietnã. Os dois líderes realizaram sua primeira reunião sem precedentes em junho do ano passado em Cingapura.

A cúpula de Cingapura resultou em um acordo conjunto no qual Kim se comprometeu a desnuclearizar sua nação, buscar a paz com a Coreia do Sul, estabelecer relações com os Estados Unidos e repatriar os restos mortais de soldados americanos. Após a reunião, Trump suspendeu grandes exercícios militares conjuntos com a Coreia do Sul. Desde a cúpula, Pyongyang não testou nenhuma arma nuclear ou míssil balístico.

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un (E), com o presidente Donald Trump no início de sua histórica cúpula, no Capella Hotel, na ilha de Sentosa, em Cingapura, em 12 de junho de 2018 (Saul Loeb / AFP / Getty Images)

O presidente sul-coreano Moon Jae-in, planeja discutir a próxima cúpula com Trump em breve, de acordo com um porta-voz da Casa Azul. O porta-voz, Kim Eui-kyeom, também confirmou que autoridades de Pyongyang e Washington planejam se reunir na próxima semana em um país asiático não especificado.

A Reuters contribuiu para este relatório.

Siga Ivan no Twitter: @ivanpentchoukov

 
 
 

Rússia compete com China por vendas de armas ao Paquistão

Rússia compete com China por vendas de armas ao Paquistão
Durante anos, Pequim tem sido o maior fornecedor de armas para Islamabad, possuindo as compras de defesa como ...
Leia Mais >
 

Autoridades chinesas exigem instalação de câmeras de vigilância dentro de casas alugadas

Autoridades chinesas exigem instalação de câmeras de vigilância dentro de casas alugadas
Na China, o medo orwelliano de um Estado "Grande Irmão" está se tornando realidade, já que os cidadãos ...
Leia Mais >
 

Deputado acha que educação em tempo integral é adequada para o Brasil e pede debate

Deputado acha que educação em tempo integral é adequada para o Brasil e pede debate
Nesta terça-feira (23/4), a Comissão de Educação promove seminário para debater educação em tempo integral, na Câmara dos ...
Leia Mais >
 

Misterioso círculo gravado no gelo aparece em lago no planalto tibetano (Vídeo)

Misterioso círculo gravado no gelo aparece em lago no planalto tibetano (Vídeo)
Um círculo com um estranho desenho apareceu durante a noite no gelo do lago Qinghai, no planalto tibetano ...
Leia Mais >