Democratas negam ameaça da China por estarem obsecados com a Rússia

Por Steven Rogers

Comentário

Muitos candidatos presidenciais democratas estão convencidos de que a Rússia é a maior ameaça geopolítica dos Estados Unidos – mas a leitura desatualizada dos assuntos estrangeiros só prova que eles não estão qualificados para estar na Casa Branca.

Durante a Guerra Fria, quando a União Soviética era indiscutivelmente o inimigo mais perigoso dos Estados Unidos, líderes democratas como o senador Ted Kennedy, ignoraram a ameaça e colaboraram com o governo soviético para minar as eleições nos Estados Unidos. Enquanto servia como prefeito de Burlington, Vermont, em 1988, o senador Bernie Sanders – que atualmente está concorrendo à nomeação presidencial democrata – chegou a viajar para a URSS, onde ele teria elogiado seus anfitriões totalitários em termos efusivos.

Agora, quase 30 anos após o colapso da União Soviética, os democratas estão subitamente vendo a Rússia como o adversário mais ameaçador da América.

Notavelmente, quando os moderadores da segunda noite do primeiro debate democrata preliminar pediram aos participantes para identificar o que eles consideram ser a maior ameaça externa dos Estados Unidos hoje, vários dos candidatos insistiram que os esforços da Rússia para influenciar as eleições dos Estados Unidos representam um perigo maior para nosso país. do que o poder, a riqueza e a influência em rápido crescimento da China, que Pequim espera que um dia permita eclipsar os Estados Unidos no topo da ordem internacional.

“A maior ameaça à nossa segurança nacional neste momento é a Rússia, não a China”, disse o senador Michael Bennet (D-Colo.), Insistindo que Moscou representa um desafio maior para a política externa “Por causa do que eles fizeram com a nossa eleição.”

“A Rússia é a nossa maior ameaça geopolítica, porque eles têm hackeado a nossa democracia com sucesso e eles estão rindo … sobre isso nos últimos anos”, concordou o empresário Andrew Yang, argumentando que “devemos nos concentrar nisso antes de começarmos a nos preocupar com outras ameaças. ”

O deputado Eric Swalwell (D-Calif.), também analisou a questão, afirmando que seu primeiro objetivo de política externa consistirá em “romper com a Rússia e fazer as pazes com a Otan”.

Economia e demografia

Na realidade, a China tornou-se de longe a ameaça mais perigosa para os interesses dos Estados Unidos, devido em grande parte à sua economia em rápida expansão, que permitiu ao regime investir pesadamente na modernização militar. Essa realidade também não é segredo secreto – durante anos, especialistas em política externa dos Estados Unidos e especialistas alertaram publicamente sobre a ascensão da China, argumentando que a mentalidade calcificada de Washington sobre a Guerra Fria precisa ser atualizada para lidar com realidades geopolíticas modernas.

O ex-vice-presidente, Joe Biden, não se dirigiu à China durante o debate, mas já havia ridicularizado a noção de que a China representa uma ameaça aos interesses dos Estados Unidos, mesmo alegando que “eles não são concorrentes para nós”.

Pode ser uma surpresa para os democratas, a maioria dos quais passou a Guerra Fria como idiotas e apologistas da União Soviética, mas os anúncios russos no Facebook não são exatamente a maior ameaça contemporânea para a América. A China, com seus esforços hostis para transformar o comércio internacional e o desejo indisfarçado de suplantar os Estados Unidos como o poder preeminente na Ásia, é um adversário muito mais capaz e ambicioso.

Nos últimos anos, a China aumentou dramaticamente suas atividades de espionagem nos Estados Unidos, recrutando analistas de inteligência dos Estados Unidos para ajudar a roubar não apenas segredos do governo, mas também a propriedade intelectual e a pesquisa acadêmica. A Rússia, por outro lado, nem consegue roubar emails de um político democrata ridiculamente ingênuo sem ser pego em flagrante.

A principal razão para esse desequilíbrio é que a economia da China supera a da Rússia.

Em 2018, o PIB da China totalizou impressionantes US$ 13,6 trilhões, enquanto a produção econômica da Rússia foi inferior a US$ 1,7 trilhão – um pouco mais fraca do que o PIB do Texas. As economias de ambos os países também vêm crescendo a taxas drasticamente diferentes – em 2018, o PIB da China cresceu 6,6%, enquanto a economia da Rússia cresceu apenas 2,3%.

A riqueza crescente da China permitiu que ela abocanhasse bilhões de dólares em terras agrícolas nos Estados Unidos, obrigasse as empresas norte-americanas a entregarem tecnologia sensível como condição para fazer negócios na China e convocassem suas corporações multinacionais – como a gigante de telecomunicações Huawei – para servir quase como agentes oficiais do estado.

Enquanto a China almeja ultrapassar o tamanho da economia dos Estados Unidos, a economia da Rússia continua a cair ainda mais, com a Coreia do Sul, a Austrália e até mesmo a humilde Espanha, alcançando seu ritmo.

A Rússia também está enfrentando um problema monumental de despovoamento. Durante anos, o país foi atormentado por baixas taxas de natalidade e alta emigração, forçando Moscou a encorajar a imigração da Ásia Central e outras partes do mundo apenas para evitar um completo colapso demográfico.

Analistas da Stratfor, uma editora de assuntos internacionais e inteligência, advertem que a estratégia da Rússia de mitigar o declínio da população encorajando imigrantes é altamente problemática, prevendo que isso vai fazer com que Moscou enfrente “maiores dificuldades associadas ao gerenciamento de tensões étnicas domésticas e instabilidade política” no futuro.

Embora a China também esteja enfrentando desafios demográficos significativos como resultado de sua política de “filho único”, Pequim tem bastante tempo para desenvolver políticas significativas que estabilizem o crescimento populacional a longo prazo. Moscou, por outro lado, não tem esse luxo.

Modernização militar

Em resumo, uma população em declínio e uma economia instável significam que a Rússia será incapaz de manter sua atual taxa de modernização militar nos próximos anos. Embora, sem dúvida, Moscou tenha feito progressos na atualização de suas capacidades ofensivas estratégicas, incluindo seu arsenal nuclear, o ritmo de inovações militares da Rússia será naturalmente limitado por sua débil perspectiva socioeconômica.

Competir com os militares dos Estados Unidos, tanto em termos de tamanho quanto de avanço tecnológico, é muito mais fácil para a China. Pequim tem usado seu rápido crescimento econômico nas últimas décadas para financiar uma ambiciosa escalada militar, tirar proveito de seus parceiros comerciais e vincular os países menores à sua órbita com investimentos em infra-estrutura que têm linhas estratégicas associadas.

O comportamento belicoso da China no cenário mundial também é muito mais impactante e consequente do que o da Rússia. Durante décadas, Pequim controlou a Coreia do Norte como uma marionete geopolítica, fornecendo ajuda econômica e cobertura diplomática para a busca de armas nucleares por Pyongyang. As forças armadas chinesas também se tornaram cada vez mais agressivas nas disputadas águas do Mar da China Meridional, construindo ilhas artificiais e bases militares em áreas reivindicadas por aliados dos Estados Unidos, como o Japão e as Filipinas.

Nos últimos anos, de fato, a marinha chinesa cresceu e se tornou a maior frota do mundo, medida pelo número total de embarcações de combate, e os especialistas dizem que agora é capaz de superar a Marinha dos Estados Unidos nos três mares adjacentes ao continente chinês. Com a China expandindo sua marinha em um ritmo mais rápido do que qualquer outro país, a situação de segurança dos Estados Unidos continuará a se deteriorar, a menos que os líderes dos Estados Unidos respondam de maneira assertiva à ameaça.

Embora as ambições territoriais da Rússia na Europa Oriental – especialmente a anexação ilegal da Crimeia – devam legitimamente preocupar os Estados Unidos e seus aliados, a OTAN existe especificamente para combater essa mesma ameaça. As tensões de segurança global criadas pela China no Leste Asiático, por outro lado, são verdadeiramente sem precedentes, e não há instituição estabelecida para coordenar a resposta do mundo livre.

A política do presidente Donald Trump de expandir a Marinha dos Estados Unidos para 355 navios é expressamente projetada para conter a ameaça chinesa, mas os democratas que concorrem à presidência aparentemente não estão interessados em enfrentar esse desafio, porque nenhum deles sequer mencionou o aumento militar da China durante os debates presidenciais. Embora alguns candidatos no primeiro debate tenham identificado a China como a maior ameaça geopolítica da América, eles se concentraram exclusivamente no lado econômico da questão e não explicaram como a abordagem deles à China seria diferente da de Trump.

Os formuladores de políticas americanos não podem ignorar totalmente a Rússia, é claro. Mas o presidente tem sido muito mais agressivo em relação a Moscou do que seu predecessor, impondo sanções estratégicas em resposta ao expansionismo e ataques cibernéticos russos, enquanto persuadindo nossos aliados da OTAN a cumprir seus compromissos de gastos de defesa para que a aliança ocidental continue preparada para lidar com qualquer belicosidade futura da Rússia. O presidente também está tentando ativamente impedir que os aliados da OTAN assinem acordos para comprar gás natural da Rússia, à medida que os Estados Unidos se tornem a maior fonte mundial desse recurso estrategicamente crítico.

Muitos democratas parecem pensar que a Rússia é o inimigo geopolítico mais formidável da América, mas essa é apenas outra visão de política externa ingênua, antiquada e perigosa do Partido que tornou a gestão inadequada de relações internacionais sua marca registrada. A China é a verdadeira ameaça aos interesses dos Estados Unidos hoje em dia, e qualquer candidato presidencial que não consiga entender esse fato básico não deve concorrer ao cargo mais alto da terra.

Steven Rogers é um oficial de inteligência aposentado da Marinha dos EUA e ex-membro da Força Tarefa Conjunta Nacional contra o Terrorismo do FBI. Ele é membro do Conselho Consultivo da Campanha Presidencial 2020 de Donald J. Trump.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

 
 
 

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong
Os Estados Unidos e as autoridades europeias manifestaram alarme ao saber das detenções de vários ativistas pró-democracia de ...
Leia Mais >
 

Esconderijos na fronteira: um fenômeno oculto e deplorável

Esconderijos na fronteira: um fenômeno oculto e deplorável
As casas esconderijo são usadas há décadas para manter humanos e contrabando nos dois lados da fronteira sudoeste, ...
Leia Mais >
 

EUA anunciam medida para manter imigrantes ilegais detidos por mais tempo

EUA anunciam medida para manter imigrantes ilegais detidos por mais tempo
O governo dos Estados Unidos anunciou nesta quarta-feira (21) um plano destinado a permitir a detenção das famílias ...
Leia Mais >
 

“Polônia deve resistir ao ‘teatro viajante’ das marchas do orgulho gay”, diz partido governista do país

“Polônia deve resistir ao ‘teatro viajante’ das marchas do orgulho gay”, diz partido governista do país
A Polônia deve resistir ao “teatro viajante” das marchas do orgulho gay, disse neste domingo (18) o líder ...
Leia Mais >