Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América

Por John Mac Ghlionn

Já se passaram quase dois meses desde o pedido de desculpas de John Cena. Para quem não conhece, em uma entrevista para Fast and Furious 9, filme no qual estrelou, o lutador e ator profissional cometeu o “erro” ao chamar Taiwan de país.

Cena estava aparentemente se desculpando com o povo da China. Na realidade, porém, ele estava se desculpando com o regime chinês, que essencialmente controla Hollywood.

Como aponta a professora Aynne Kokas, autora de “Hollywood Made in China”, “estúdios de produção chineses como Alibaba Pictures e Tencent Pictures” agora desempenham “um papel importante no financiamento de filmes de Hollywood”.

Hoje, as “plataformas de entretenimento” dos EUA estão tão “desesperadas pelo mercado chinês” que agora estão dispostas a “trabalhar contra seus próprios interesses de longo prazo”. Por exemplo, Netflix, o maior serviço de streaming do mundo, “licenciou seu conteúdo para a plataforma chinesa iQiyi, o que por sua vez fortaleceu a popularidade do iQiyi”, de acordo com Kokas. Hollywood fez um acordo faustiano com Pequim. Em troca de sua alma, Hollywood prometeu continuar produzindo filmes sem entusiasmo e cheios de franquia.

Embora o pedido de desculpas servil de Cena fosse verdadeiramente perturbador, é importante colocá-lo em contexto. Cena responde aos executivos de Hollywood, e esses executivos respondem à China. O fato de o pedido de desculpas de Cena ter sido proferido em mandarim fluente diz tudo. O bilionário não aprendeu a língua para se divertir; você aprende porque é um requisito do trabalho.

O mais preocupante é que a influência chinesa se estende muito além de Hollywood. Um número crescente de empresas apoiadas por Pequim investiu bilhões em terras americanas. Como escreve a autora e agricultora Deborah J. Comstock, o objetivo do regime chinês é simples: “Investir na agricultura no exterior e obter mais controle sobre oleaginosas e produtos de grãos, criar políticas para apoiar instalações, equipamentos e insumos para a produção agrícola e criar grandes conglomerados multinacionais de comercialização de grãos ”. A receita obtida ignora “os mercados de commodities dos Estados Unidos” e “passa pelos canais de distribuição de entidades estrangeiras, diretamente para o país de origem”.

A influência não termina aí também. Uma reportagem condenatória da Fox News descreve as muitas maneiras pelas quais os Estados Unidos se tornaram dependentes da China. Por exemplo, suprimentos médicos. De acordo com o relatório, a China agora “produz 97% dos antibióticos americanos” e “80% dos ingredientes farmacêuticos ativos usados ​​nos medicamentos americanos”. Em outras palavras, o Partido Comunista Chinês (PCC) tem “controle absoluto” sobre “drogas vitais”.

Além disso, “as empresas e investidores apoiados por Pequim têm a maioria do controle” em cerca de 2.400 empresas americanas.

Entre elas estāo a“AMC Entertainment (entretenimento), Complete Genomics (saúde), First International Oil (energia), GE Appliances (tecnologia), divisão IBM-PC (tecnologia), Legendary Entertainment Group (entretenimento), Motorola Mobility (tecnologia), Nexteer Automotivo (automotivo), Riot Games (entretenimento), Smithfield Foods (comida)”, para citar apenas algumas.

Uma placa do lado de fora da fábrica de processamento de suínos da Smithfield Foods em Dakota do Sul em 21 de abril de 2020 em Sioux Falls, Dakota do Sul (KEREM YUCEL / AFP via Getty Images)

As empresas que possui são tão variadas quanto numerosas. Por exemplo, a Smithfield Foods, o maior produtor mundial de carne suína. Em 2013, foi comprada pela Shuanghui International Holdings por US$ 5 bilhões, bem acima do valor de mercado da empresa. A aquisição, assim como o preço pago, causou espanto. O regime chinês estava claramente envolvido na compra. Como disse a senadora Debbie Stabenow : “Esta não é apenas uma aquisição de empresa.”Não, advertiu ele, o regime chinês acabava de comprar “25%” da “indústria de suínos” dos Estados Unidos.

Tem mais

Tanto a MSNBC quanto a NBC, dois dos maiores provedores de notícias dos Estados Unidos, são de propriedade da NBC Universal, que parece ter laços estreitos com a Xinhua, uma agência de propaganda administrada pelo PCC. Outros veículos como ABC e ESPN também parecem ter ligações com o regime chinês. Em 2019, os funcionários da ESPN foram instruídos diretamente a evitar falar sobre a política chinesa a todo custo. Os avisos vieram quando os protestos em Hong Kong começaram a se tornar violentos.

Dois anos depois, alguém se pergunta se a influência de Pequim explica por que o vírus, que provavelmente se originou em um laboratório chinês, foi coberto de forma tão deficiente – mais especificamente, de forma tão cega. Malcolm X certa vez chamou a mídia de “a entidade mais poderosa da Terra”. “Eles têm o poder”, argumentou ele, “de tornar o inocente culpado e de tornar o culpado inocente”. Tudo porque “eles controlam as mentes das massas”. Certamente que sim, e isso porque controlam a fala. O discurso não é apenas tendencioso, é, em geral, incorreto.

É de se admirar que a confiança na mídia tradicional esteja em baixa ? Ou que quando o comediante Jon Stewart teve a audácia de dizer que talvez, apenas talvez, o vírus tenha vindo de um laboratório de Wuhan – você sabe, um laboratório que investiga novos coronavírus – foi ignorado, patrocinado ou fortemente criticado pelo público, como a mídia de esquerda. Stewart falou pelas massas, mas foi tratado como um louco por conspiração. Isso está ficando crítico em sua forma mais pura, na qual o manipulador ou manipuladores fazem o alvo ou alvos questionarem sua própria memória e percepções e, em alguns casos, sua sanidade. Com o PCC ocupado opondo-se a novas investigações sobre as origens do vírus, a mídia americana, e não apenas a propaganda chinesa, tem sido fundamental para evitar que a verdade seja revelada.

Este ano, a revista Time publicou um artigo sobre por que a América está tão dividida hoje. A incapacidade de tantos meios de comunicação de reportar objetivamente é, sem dúvida, um fator contribuinte. O que estamos testemunhando hoje é a guerra da informação, que está intimamente associada à guerra psicológica, em sua forma mais pura, e o regime chinês desempenhou um papel fundamental no plantio de inúmeras sementes de dúvida.

Como chegamos aqui? O que se pode fazer? Essas são questões importantes, mesmo existenciais, que devem ser feitas. E o que é mais importante, você tem que respondê-las.

Em uma entrevista recente ao Guancha News, outro meio de propaganda chinesa, o vice-ministro das Relações Exteriores da China, Le Yucheng, alertou os Estados Unidos que “o mundo mudou”. O país, disse ele, “precisa ver essas mudanças, se adaptar a elas e refletir e corrigir seus erros do passado”. Para ver como são a reflexão e a correção aprovadas por Pequim, fique à vontade para assistir ao pedido de desculpas de John Cena novamente. Se o PCC conseguir o que quer, todos nós vamos rastejar diante dele em mandarim.

John Mac Ghlionn é pesquisador e ensaísta. Seu trabalho foi publicado por meios de comunicação como The New York Post, Sydney Morning Herald, The American Conservative, National Review, The Public Discourse e outros veículos importantes. Ele também é colunista da Cointelegraph.

Siga John no Twitter: @@ ghlionn 

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também

 
 
 

ONU adverte que IA pode representar uma ameaça ‘negativa e até mesmo catastrófica’ aos direitos humanos

ONU adverte que IA pode representar uma ameaça ‘negativa e até mesmo catastrófica’ aos direitos humanos
A Organização das Nações Unidas advertiu que os sistemas de inteligência artificial (IA) podem representar uma ameaça "negativa, ...
Leia Mais >
 

Navios de guerra chineses entram em zona americana

Navios de guerra chineses entram em zona americana
Navios de guerra chineses entraram na zona econômica exclusiva americana. A mídia estatal chinesa disse ser uma medida ...
Leia Mais >
 

EUA, Austrália e Reino Unido firmam pacto histórico de defesa contra a China

EUA, Austrália e Reino Unido firmam pacto histórico de defesa contra a China
Estados Unidos, Austrália e Reino Unido anunciaram nesta quarta-feira um pacto de defesa histórico, que inclui o apoio ...
Leia Mais >
 

Investidores de empresa chinesa exigem seu dinheiro de volta

Investidores de empresa chinesa exigem seu dinheiro de volta
Um novo surto do vírus do PCC atinge a China. Um homem testa positivo após 3 semanas em ...
Leia Mais >