Crítica do filme: ‘A Professora’

Por Joe Bendel

Durante a era comunista, os professores deveriam servir como a primeira linha de doutrinação do Estado. É claro que a maioria não acreditava na propaganda que repetiam mecanicamente. No entanto, Maria Drazdechova, professora de história e eslovaco, também serve como presidente do partido local. Isso a torna atipicamente zelosa e decididamente perigosa, então, quando ela deixa claro que espera favores dos pais de seus alunos, a maioria deles simplesmente obedece. Infelizmente, seu abuso de poder causa uma tragédia que forçará os pais a escolherem um lado em “A Professora”, de Jan Hrebejk, que estreiou em 30 de agosto de 2017 em Nova York, no Film Forum.

No primeiro dia de aula, Drazdechova pede que cada aluno fique de pé e diga a ela o que seus pais fazem para viver. O propósito é óbvio. Ela quer saber o que eles podem fazer por ela.

As repercussões também são rapidamente aparentes. Os pais que entregam bens e favores recebem dicas sobre quais problemas de estudo seus filhos devem dar atenção especial. Aqueles que não podem, verão seus filhos punidos, como Danka Kuncerova, uma estudante-ginasta brilhante, que é regularmente envergonhada e menosprezada nas aulas, porque seu pai, um contador de back-office no aeroporto, nāo interessa e não deseja cobrar favores em seu nome.

“Zuzana Maurery é absolutamente arrepiante e enfurecedora como a professora Drazdechova.”

Quando a pressão finalmente vence Danka, isso dá à decente diretora da escola uma oportunidade para convocar uma reunião de pais de emergência. Enquanto eles discutem e deliberam, testemunhamos o comportamento tirânico de Drazdechova em sala de aula em flashbacks.

No entanto, os partidários da professora comunista claramente levam vantagem. Além dos Kuncerovas, seus críticos mais vocais são os pais altamente problemáticos de Filip Binder, o prodígio do wrestling que tem uma queda por Danka.

O improvável curinga pode acabar sendo Vaclav Littmann, um ex-acadêmico reduzido a trabalhos braçais após a deserção de sua esposa. Para seu desconforto, Drazdechova tornou seu interesse romântico muito evidente, mas isso também o colocou em posição de testemunhar sua total manipulação.

A professora” é um filme emocionalmente extenuante, porque mostra como Drazdechova ataca o ponto mais fraco de suas vítimas: seus filhos. Uma coisa é se levantar para fazer a coisa certa quando você será o único a enfrentar as consequências, e outra bem diferente quando seu filho ou filha aguenta o castigo. Eles acabam com um dilema clássico dos prisioneiros—é de seu interesse coletivo se opor a Drazdechova, mas individualmente, cada um deles tem um incentivo para ceder.

Zuzana Maurery é absolutamente arrepiante e enfurecedora como a professora Drazdechova. Um minuto ela adota uma fachada de manteiga derretida e no próximo ela ataca seus jovens pupilos com selvageria emocional que revira o estômago. Francamente, é uma atuação tão perturbadora, porque é muito verdadeira.

Da mesma forma, é verdadeiramente angustiante assistir ao colapso de Tamara Fischer como Danka. No entanto, o verdadeiro coração e alma ética do filme são fornecidos por Martin Havelka como o pai Jaroslav, rude e arrependido de Filip Binder.

Zuzana Mauréry stars in
Zuzana Mauréry estrela em “The Teacher” (Ceská Televize)

Para seu primeiro filme em eslovaco, Hrebejk canaliza “Twelve Angry Men” e peças de moralidade claustrofóbica semelhantes. Essencialmente, ele combina elementos de seus exames críticos da experiência comunista, como “Kawasaki’s Rose”, com seus dramas domésticos, como “Honeymoon” e “Beauty in Trouble”. Embora Hrebejk tenha posicionado “A professora” como uma exploração universal da dinâmica do poder, os aspectos mais espinhosos do roteiro intransigente de Petr Jarchovsky, como a deserção de Littmannova, são muito específicos daquela era sombria.

É um filme extremamente nítido que é quase insuportavelmente emocionante. Altamente recomendado, “A professora” estreia nesta quarta-feira, 30 de agosto de 2017, no Film Forum.

‘A professora’
Diretor: Jan Hrebejk
Estrelas: Zuzana Mauréry, Zuzana Konecná, Csongor Kassai
Duração: 1 hora, 42 minutos
Estreia: 30 de agosto de 2017
Classificado com 4,5 estrelas de 5

Joe Bendel escreve sobre cinema independente e mora em Nova Iorque. Para ler seus artigos mais recentes, visite jbspins.blogspot.com

Estima-se que o comunismo tenha matado cerca de 100 milhões de pessoas, mas seus crimes não foram totalmente compilados e sua ideologia ainda persiste. O Epoch Times procura expor a história e as crenças deste movimento, que tem sido uma fonte de tirania e destruição desde o seu surgimento. Assista toda a série clicando aqui.

As opiniões expressas neste artigo são pontos de vista do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

 

 
 
 

ONU adverte que IA pode representar uma ameaça ‘negativa e até mesmo catastrófica’ aos direitos humanos

ONU adverte que IA pode representar uma ameaça ‘negativa e até mesmo catastrófica’ aos direitos humanos
A Organização das Nações Unidas advertiu que os sistemas de inteligência artificial (IA) podem representar uma ameaça "negativa, ...
Leia Mais >
 

Navios de guerra chineses entram em zona americana

Navios de guerra chineses entram em zona americana
Navios de guerra chineses entraram na zona econômica exclusiva americana. A mídia estatal chinesa disse ser uma medida ...
Leia Mais >
 

EUA, Austrália e Reino Unido firmam pacto histórico de defesa contra a China

EUA, Austrália e Reino Unido firmam pacto histórico de defesa contra a China
Estados Unidos, Austrália e Reino Unido anunciaram nesta quarta-feira um pacto de defesa histórico, que inclui o apoio ...
Leia Mais >
 

Investidores de empresa chinesa exigem seu dinheiro de volta

Investidores de empresa chinesa exigem seu dinheiro de volta
Um novo surto do vírus do PCC atinge a China. Um homem testa positivo após 3 semanas em ...
Leia Mais >