COVID-19 veio de laboratório chinês, diz investigadora australiana

Por Frank Fang e Jan Jekielek

A premiada jornalista investigativa australiana Sharri Markson disse que há evidências convincentes de que o vírus que causou a pandemia COVID-19 se originou em um laboratório chinês ligado ao exército do regime comunista.

As descobertas de Markson foram publicadas em seu novo livro “What Really Happened in Wuhan” e essa evidência sugere que o vírus era conhecido em Pequim meses antes do início da pandemia.

“Acho que as evidências apontam claramente para um vazamento (do coronavírus) no Instituto de Virologia de Wuhan, seja em meados de setembro ou pelo menos quando o Instituto de Virologia de Wuhan tomou conhecimento disso em meados de setembro e depois disso, existe a decisão deliberada das autoridades chinesas de encobrir isso ”, disse Markson durante uma entrevista recente ao programa American Thought Leaders, da EpochTV.

O regime chinês negou veementemente que o vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) tenha escapado do Instituto de Virologia de Wuhan, apesar das evidências apontando para essa conclusão. O instituto pesquisa coronavírus de morcegos há mais de uma década e está localizado a uma curta distância de um mercado local em Wuhan, cidade na província chinesa de Hubei, onde surgiu o primeiro surto de casos dessa infecção.

Mais importante ainda, um informativo publicado pelo Departamento de Estado dos EUA em janeiro afirmou que vários pesquisadores do Instituto de Virologia de Wuhan adoeceram com sintomas semelhantes aos da COVID-19 no outono de 2019.

Markson disse que em seu livro ela apresentou mais evidências envolvendo o Instituto de Virologia de Wuhan, incluindo que o banco de dados de um instituto contendo 22.000 vírus foi “misteriosamente desconectado” pela primeira vez em 12 de setembro de 2019, três meses antes da China alertar que o vírus era contagioso.

No mesmo dia, o Instituto de Virologia de Wuhan lançou um concurso para melhorar sua segurança, acrescentou. Nas semanas seguintes, o instituto gastou meio milhão de dólares para reforçar sua segurança, incluindo a compra de novos sistemas de circuito fechado de televisão e a contratação de novos guardas.

Por fim, a compra também incluiu um novo sistema de ventilação, um incinerador de ar medicinal e uma máquina de teste de reação em cadeia da polimerase (PCR) para analisar a presença de coronavírus, de acordo com Markson.

A China estava comprando significativamente mais equipamentos de PCR para a província de Hubei em 2019 em comparação com os anos anteriores, de acordo com um relatório recente da empresa australiana de segurança cibernética Internet 2.0.

Cerca de 67,4 milhões de yuans (cerca de US$ 10,5 milhões) foram gastos em equipamentos de PCR em 2019, um aumento de cerca de 83% em comparação com o total de 2018. Com base nos dados, o relatório concluiu: “Avaliamos com grande confiança que a pandemia começou muito antes de a China relatar a COVID-19 à OMS [Organização Mundial da Saúde].”

“Depois, há os testes que se seguiram à general Chen Wei. Ela foi a principal oficial militar que entrou e assumiu o Instituto de Virologia de Wuhan, a ordem de silêncio e o fato de [o líder chinês] Xi Jinping ter emitido uma nova lei de biossegurança. Portanto, há muitas outras evidências que apontam para um vazamento do laboratório”, disse Markson.

A lei de biossegurança foi aprovada rapidamente em outubro do ano passado, oito meses depois de ter sido proposta por Xi. A lei entrou em vigor em abril deste ano.

Um trabalhador dentro do laboratório P4 em Wuhan, capital da província chinesa de Hubei, em 23 de fevereiro de 2017 (Johannes Eisele / AFP via Getty Images)

Narrativa sobre a origem do vírus

Markson disse que as pessoas foram seriamente enganadas em 2020 sobre a origem do vírus. Na verdade, a narrativa da China – de que o vírus tinha uma origem natural – prevaleceu “à custa da descoberta da verdade”, acrescentou.

“Ficamos com a falsa impressão de que havia um consenso científico de que se tratava de um vírus natural. Na carta do Lancet, fomos informados de que era uma conspiração para sugerir que era um vazamento de laboratório. Descobriu-se que muitos dos cientistas por trás daquela carta tinham incríveis conflitos de interesse”, explicou ela.

Em 19 de fevereiro de 2020 – menos de um mês depois que os Estados Unidos relataram seu primeiro caso local de COVID-19 no estado de Washington – 27 cientistas emitiram uma declaração conjunta que foi publicada na revista médica The Lancet. “Nós nos unimos para condenar veementemente as teorias da conspiração que sugerem que a COVID-19 não tem uma origem natural”, afirmaram.

No entanto, descobriu-se que um dos 27 cientistas tinha um conflito de interesses. Em junho, o The Lancet atualizou a carta, mencionando que Peter Daszak não havia revelado “conflitos de interesses contrapostos”, uma exigência do Comitê Internacional de Editores de Revistas Médicas.

A organização de Daszak, EcoHealth Alliance, uma fundação de pesquisa sem fins lucrativos com sede em Nova Iorque, recebeu milhões de dólares em doações do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID) e parte do dinheiro foi enviado ao Instituto de Virologia de Wuhan.

Antes de o The Lancet fazer a atualização, descobriu-se que a EcoHealth vinha trabalhando com cientistas chineses há mais de 15 anos e que a organização sem fins lucrativos recebia financiamento chinês.

Em vez disso, disse Markson, a pesquisa científica que ia contra a narrativa chinesa sobre a origem do vírus foi rejeitada, citando o que aconteceu com o imunologista australiano Nikolai Petrovsky, que teve problemas para publicar seu trabalho.

“Quando ele não conseguiu publicar seu trabalho, até os servidores de pré-impressão o rejeitaram. Os servidores de pré-impressão são projetados para espalhar a palavra sobre a ciência durante a revisão por pares. Eles até adiaram”, disse Markson.

“Na época em que eu estava escrevendo o livro, essa incrível censura da ciência estava acontecendo para mim”, disse a jornalista.

Petrovsky, um professor da Flinders University da Austrália, acabou postando seu trabalho no servidor de pré-impressão ArXiv. Depois disso, a pesquisa foi revisada por pares e publicada na revista Nature Scientific Reports. Usando um modelo de computador, a pesquisa descobriu que a proteína spike do vírus do PCC pode se ligar mais intimamente a uma proteína chamada ACE2 em células humanas do que à mesma proteína de outras espécies examinadas, incluindo morcegos e pangolins.

“Isso é um argumento contra a transmissão direta do vírus dos morcegos para os humanos. Portanto, se o vírus tem uma origem natural, ele só poderia ter atingido os humanos por meio de uma espécie intermediária que ainda não foi encontrada”, disse Petrovsky em um comunicado.

Seguindo em frente, Markson sugeriu que deveria haver um órgão confiável além da OMS para investigar as origens do vírus. Ela recomendou uma comissão presidencial ou uma investigação bipartidária no Congresso.

“Existem caminhos muito claros a seguir aqui, mesmo que a China se recuse a cooperar e não haja nenhum sinal de que o regime do Partido Comunista se tornará subitamente transparente.”

 

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 
 
 

COVID-19, uma pandemia do medo ‘fabricada’ pelas autoridades, afirma epidemiologista de Yale

COVID-19, uma pandemia do medo ‘fabricada’ pelas autoridades, afirma epidemiologista de Yale
A pandemia da COVID-19 tem sido uma pandemia do medo, fabricada por indivíduos em cargos nominais de autoridade ...
Leia Mais >
 

RISCO: 52% dos americanos vê China como principal ameaça

RISCO: 52% dos americanos vê China como principal ameaça
Os americanos parecem estar, drasticamente, mudando de ideia sobre o Regime comunista chinês. Pela primeira vez, metade dos americanos ...
Leia Mais >
 

EUA: Comunismo na educação

EUA: Comunismo na educação
Maduro vira desenho animado. A União Soviética e a China promoveram o culto à personalidade de tiranos como ...
Leia Mais >
 

EUA: Compromisso “inabalável” com defesa de Taiwan

EUA: Compromisso “inabalável” com defesa de Taiwan
Os EUA reiteraram seu compromisso “inabalável” com a defesa de Taiwan, e o ex-primeiro-ministro japonês disse que o ...
Leia Mais >