Coroando o Czar Vermelho

Por Leo Timm

Em 1906, Joseph Stalin de 27 anos foi à igreja e se casou com uma bela mulher chamada Kato Svanidze, que ele conhecera dois anos antes. Segundo os familiares do casal, a relação entre eles era feliz, o que trouxe à tona um lado terno e amoroso do futuro ditador soviético. Para maior deleite de Stalin, logo nasceu um filho.

A tragédia aconteceu no ano seguinte. Kato contraiu tifo e sucumbiu naquele inverno. Stalin ficou tão triste que se jogou em seu túmulo no funeral dela. Temendo o que ele poderia fazer a si mesmo, seus associados confiscaram sua arma.

Um perturbado Stalin (à direita) no funeral de sua primeira esposa Kato Svanidze (Domínio público)
Um perturbado Stalin (à direita) no funeral de sua primeira esposa Kato Svanidze (Domínio público)

Quinze anos depois, o Império Russo entrou em colapso e Stalin tornou-se um importante revolucionário comunista. Em 1922, a facção bolchevique liderada por Vladimir Lenin venceu a guerra civil e estabeleceu uma ditadura comunista em todo o território da Rússia.

Para Lenin, ferido em uma tentativa de assassinato e com a saúde debilitada por causa de seu estilo de vida desenfreado, os últimos dois anos de sua vida foram o processo de sua deterioração física. Delegando mais poder à sua cabala revolucionária, o líder abandonado sofreu seu derrame final e morreu em 1924.

‘Um borrão cinza’

Stalin, que assumiu o poder na luta política após a morte de Lenin, era diferente dos ditadores mais extravagantes de sua época, como o bombástico Adolf Hitler ou Benito Mussolini. Em 1917, um comunista não bolchevique observou que ele era como um “borrão cinza”, e essa visão foi compartilhada por outros revolucionários, que geralmente consideravam Stalin comum.

De acordo com o falecido soviético Robert Conquest, Stalin tinha apenas uma compreensão intermediária da teoria comunista. Ele não foi dado a revelar seus pensamentos e não se destacou entre os “políticos tagarelas da época”.

Mas, embora sua compreensão da teoria marxista fosse medíocre, Stalin possuía uma boa memória e uma compreensão aguçada da psicologia. Em um sistema que rejeitou a moralidade constante ou mesmo noções de utilidade, Stalin atacou e marginalizou seus pares bolcheviques paulatinamente até galgar uma posição de força imprevista. Em sua obra “O Grande Terror”, Conquest chamou isso de “golpe de Estado por centímetros”.

In the second row, starting from second left, are pictured Joseph Stalin, Vladimir Lenin, and Leon Trotsky as they gather for a meeting of the 8th Congress of the Bolshevik (later Soviet Communist) Party. (Public Domain)
Na segunda fileira, começando do segundo à esquerda, estão representados Joseph Stalin, Vladimir Lenin e Leon Trotsky reunidos para uma reunião do 8º Congresso do Partido Bolchevique (posteriormente Comunista Soviético) em 1919 (Domínio Público)

Em suas batalhas com a chamada “Oposição de Direita” liderada por bolcheviques como Nikolai Bukharin, Stalin achou conveniente permanecer fiel às fracassadas políticas econômicas comunistas da guerra civil e criticou a semi-capitalista “Nova Política Econômica” que Lenin tinha temporariamente instituído para se recuperar do desastre.

Em sua insistência em estabelecer uma economia planejada, ou o que o economista do Hoover Institute, Paul Gregory chamou de “sistema de comando administrativo”, Stalin não apenas derrotou as alas opostas da liderança bolchevique, mas também se conformou com o espírito político do movimento marxista.

Ditadura de Manifesto

Em “The Political Economy of Stalinism”, Gregory postula que a posição ideológica central do Partido Bolchevique determinou sua oposição ao capitalismo como uma “anarquia do mercado”.

O desejo de controlar a miríade de aspectos da atividade econômica, aliado ao credo de luta inerente ao marxismo, tornou inevitável a ditadura totalitária.

Foi nesse clima ideológico que Joseph Stalin, um criminoso endurecido e uma tragédia pessoal distorcida romântica intelectualmente talentosa, poderia prosperar. Após a morte de sua amada Kato muitos anos antes, ele havia dito: “com ela morreram meus últimos sentimentos calorosos pela humanidade”.

Onde a maioria dos governos, incluindo regimes autoritários, legitimam seu governo com apelos à lei, tradição, religião ou nação, a ideia marxista de materialismo dialético dispensou esses idealismos, como demonstrado na brutalidade que os bolcheviques haviam causado a milhões de pessoas em seu caminho para o poder.

Karl Marx acreditava que uma revolução proletária só poderia acontecer por meio da violência. Em 1875, o filósofo criticou severamente um programa político em sua Alemanha natal que defendia o desenvolvimento gradual do socialismo, chamando a abordagem de “revisionista”.

Os bolcheviques de Lenin tratavam seus companheiros comunistas e socialistas com desdém semelhante. A chave para a vitória bolchevique foi sua manipulação temporária, usurpação e a erradicação final de esquerdistas menos radicais ou menos bem organizados, incluindo os mencheviques e os socialistas revolucionários.

Na verdadeira forma dialética marxista, Stalin prevaleceu sobre seus inimigos no Partido, incluindo o comandante militar Leon Trotsky, que desempenhou um papel crítico na causa bolchevique. Das figuras centrais da liderança soviética na morte de Lenin em 1924, no final de 1940, cada um deles estava morto por ordem de Stalin.

Leon Trotsky was driven into exile from the Soviet Union, then murdered by an assassin sent by Stalin in 1940. (Public Domain)
Leon Trotsky foi expulso da União Soviética, depois assassinado por um assassino enviado por Stalin em 1940 (Domínio Público)

‘Poupe a causa, não o indivíduo’

Para muitos comunistas e outros revolucionários do final do século 19 e início do século 20, a Revolução Russa representou uma ruptura libertadora com a monarquia czarista autoritária. O marxismo, o igualitarismo e a luta social pareciam-lhes apropriadamente progressivos para a era industrial.

Nos primeiros estágios do governo bolchevique, muitos programas sociais radicais foram lançados em áreas como emprego, arte, educação e sexualidade. Esses primeiros movimentos correspondiam às ideias apresentadas no Manifesto Comunista e em outros textos marxistas. A natureza do homem está em suas relações econômicas. Fora disso, os conceitos tradicionais de fé religiosa ou restrição moral poderiam refletir apenas as construções sociais—na teoria marxista, a “superestrutura” de uma “base” econômica exploradora.

Esses esforços iconoclastas ocorreram ao mesmo tempo em que os comunistas queimaram ativamente igrejas, assassinaram padres e executaram atacadistas que pertenciam a grupos considerados exploradores ou capitalistas.

Sob essa ótica, os frutos da revolução comunista, tanto sob o governo de Lenin quanto de Stalin, são fáceis de entender. Derrubar o governo republicano legal da Rússia levou à Guerra Civil Russa, que ceifou até 12 milhões de vidas. Nas mais de duas décadas do governo de Stalin durante os tempos de paz, entre 20 e 40 milhões de pessoas morreram de causas causadas pelo homem, seja fome, o temido sistema gulag de campos de trabalhos forçados ou uma simples bala na cabeça.

A map entitled "the Gulag Archipelago" showing the locations of Soviet forced labor camps and concentration camps in 1954, a year after Stalin's death.
Um mapa intitulado “Arquipélago Gulag” mostrando os locais dos campos de trabalhos forçados e campos de concentração soviéticos em 1954, um ano após a morte de Stalin

É uma ironia fundamental do comunismo que o destino dos primeiros iconoclastas russos foi, em muitos casos, ser executado pela polícia secreta ou trabalhar até a morte no sistema gulag de Stalin. A ideologia rejeitou as restrições da autoridade abstrata, como Deus ou a família, apenas para erguer a tirania absoluta em nome da revolução e colocar um representante deificado do Partido Comunista no topo da hierarquia. Na União Soviética, essa divindade era Stalin, em torno de quem o Partido Comunista construiu um poderoso culto à personalidade.

“Não poupe o indivíduo; poupe apenas a causa”, disse Stalin certa vez. Esse ditado evidentemente era verdadeiro para ele e sua família, assim como para suas dezenas de milhões de vítimas.

“Escute, você não é Stalin”, disse o líder certa vez a seu filho Vasiliy. “Mesmo eu não sou Stalin. Stalin é o poder soviético. Stalin é o que está escrito nos jornais e nos retratos”.

Estima-se que o comunismo tenha matado cerca de 100 milhões de pessoas, mas seus crimes não foram totalmente compilados e sua ideologia ainda persiste. O Epoch Times procura expor a história e as crenças deste movimento, que tem sido uma fonte de tirania e destruição desde o seu surgimento. Leia toda a série aqui.

As opiniões expressas neste artigo são pontos de vistas do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

 
 
 

Extração forçada de órgãos do regime chinês pode se espalhar para outros países, alerta diretor de ONG

Extração forçada de órgãos do regime chinês pode se espalhar para outros países, alerta diretor de ONG
O regime comunista chinês exportaria sua prática horrível de extração forçada de órgãos assim que fosse capaz de ...
Leia Mais >
 

Luís Roberto Barroso atua como observador das eleições russas

Luís Roberto Barroso atua como observador das eleições russas
Luís Roberto Barroso, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, atua neste final de semana como observador das eleições ...
Leia Mais >
 

Congresso do Peru aprova lei para incinerar fundador do Sendero Luminoso

Congresso do Peru aprova lei para incinerar fundador do Sendero Luminoso
O plenário do Congresso peruano aprovou nesta quinta-feira um projeto de lei que propõe modificações legais para permitir ...
Leia Mais >
 

Navios de guerra chineses entram em zona americana

Navios de guerra chineses entram em zona americana
Navios de guerra chineses entraram na zona econômica exclusiva americana. A mídia estatal chinesa disse ser uma medida ...
Leia Mais >