Coragem moral de uma pintora: jornada de uma artista diante da perseguição à liberdade

Por Daksha Devnani

Cada pincelada sutil da artista tradicional chinesa Zhang Cuiying dá vida às telas com a força orientadora da verdade, compaixão e tolerância, revelando as maravilhas não ditas de seu tranquilo mundo interior.

Por trás da delicada arte da renomada pintora sino-australiana está o trabalho árduo de uma vida inteira e uma determinação inabalável de defender sua fé. É difícil acreditar que uma artista aclamada como Zhang, com exposições individuais em mais de 100 cidades do mundo, tenha enfrentado perseguição em sua terra natal antes que o governo australiano conseguisse resgatá-la.

Zhang, que trocou brinquedos por pincéis quando criança, acredita que a pintura tradicional chinesa é uma arte concedida pelos céus e, portanto, a disciplina é excepcionalmente rigorosa. Uma mistura de literatura, poesia, caligrafia e corte de sinetes, esta arte divina envolve principalmente o “cultivo” do eu interior, levando eventualmente à obtenção da “harmonia entre o homem e a natureza”.

“A pintura é como uma pessoa, já que cada pincelada carrega mensagens do eu interior do pintor, portanto, há grandes demandas sobre o caráter moral do pintor”, disse Zhang, de 59 anos, ao Epoch Times. “Devemos melhorar constantemente nosso caráter moral, tornando nosso estilo artístico muito puro, elegante, delicado e significativo”.

“Eu uso ‘verdade, compaixão e tolerância’ como a ideologia orientadora de minhas pinturas. Acrescenta compaixão e pureza ao meu trabalho. Em uma exposição de pintura no Japão, um membro da National Diet disse que os olhos de todas as figuras que pintei mostravam bondade e compaixão.”

(Cortesia de Zhang Cuiying)
(Cortesia de Zhang Cuiying)

Um artista de nascença

Zhang tinha uma forte inclinação para pintar desde tenra idade. A arte a transporta para um mundo onde ela se sentiria em paz e contente.

Sua jornada para se tornar uma artista profissional começou aos 10 anos, sob a orientação do famoso calígrafo e pintor Shen Zicheng. Com uma forte base nas formas tradicionais de pintura, ela mais tarde teve a oportunidade de aprender com artistas de destaque como Qian Juntao, Xie Zhiliu e Liu Haisu.

A talentosa artista é conhecida por suas pinturas detalhadas sobre temas que variam de paisagens terrenas a paraísos celestiais e à cultura tradicional chinesa. Suas obras de arte foram publicadas em jornais e revistas na China e em todo o mundo, com celebridades de todas as esferas da vida participando de suas exposições.

(Cortesia de Zhang Cuiying)
(Cortesia de Zhang Cuiying)
(Cortesia de Zhang Cuiying)
(Cortesia de Zhang Cuiying)

Visitantes e participantes encontram suas obras de arte irradiando “energia quente e brilhante” e “a força e a calma do espírito interior da pintora”. Ela se lembrou de um desses elogios em que um membro da platéia disse como suas pinturas inspiram “as pessoas a querer fazer coisas boas”.

Zhang ganhou vários prêmios em exposições na China, Japão, Austrália e Estados Unidos. Ela também recebeu prêmios honorários do estado da Geórgia, da cidade de St. Louis no Missouri, do Conselho Estadual da Califórnia e do Conselho Municipal de Columbus, enquanto Springfield em Illinois e Cincinnati em Ohio emitiram proclamações em seu nome: “Dia de Zhang Cuiying”.

(Cortesia de Zhang Cuiying)
(Cortesia de Zhang Cuiying)
(Cortesia de Zhang Cuiying)
(Cortesia de Zhang Cuiying)

Encontrando esperança, cultivando compaixão

Zhang se casou em 1985 e migrou para a Austrália seis anos depois com o marido. Nos anos seguintes, ela teve uma recaída de artrite reumatóide, uma doença que ela sofria na infância; aos poucos, ela lutou até mesmo para pegar suas canetas pincel para pintar.

“Era difícil andar e comer, e quase perdi toda a esperança”, disse Zhang. “Fui aos médicos ocidentais e também aos médicos tradicionais chineses. Passei por raios ultravioleta, raios infravermelhos, tratamentos de fisioterapia. Minha condição não melhorou e piorou dia após dia. Eu ainda era jovem, mas acamada”.

Em 1997, Zhang encontrou um anúncio em um jornal australiano sobre aulas gratuitas de meditação do Falun Gong, uma antiga prática espiritual muito aclamada por seus benefícios à saúde que atualmente é praticada em mais de 80 países. “Afirmava que algumas pessoas se sentiam tão leves depois de aprender a prática que andavam sem esforço, como se estivessem voando”, lembrou ela. “Eu já estava de cama e sofrendo, então pensei por que não tentar, já que é grátis de qualquer maneira – eu não esperava que um milagre acontecesse”.

No entanto, Zhang disse que sua saúde sofreu uma mudança dramática após as aulas. “Toda a dor no meu corpo desapareceu. Era como se eu tivesse me transformado em uma nova pessoa”, disse ela. “A dor desapareceu milagrosamente”.

Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, compreende cinco exercícios meditativos e ensinamentos morais baseados nos princípios de verdade, compaixão e tolerância. Ao tentar se sintonizar com os ensinamentos morais do Falun Gong, ela sentiu seu eu compassivo emergindo e o mundo interior mudando para melhor, aproximando-a de reinos mais elevados de consciência.

“Com a prática meditativa regular e cada pequena melhoria em minha natureza moral, minha arte também gradualmente se tornou extraordinária, como se eu estivesse recebendo ajuda dos deuses”, disse ela. “Minhas pinturas melhoraram ainda mais e isso abriu um novo caminho para mim. Minhas criações foram publicadas em álbuns de arte em chinês, inglês, japonês e russo”.

Zhang Cuiying, de 59 anos, praticando o quinto exercício meditativo do Falun Gong em sua casa na Austrália.
Zhang Cuiying, de 59 anos, praticando o quinto exercício meditativo do Falun Gong em sua casa na Austrália.

‘A vida na prisão era pior que a morte’ 

O Falun Gong foi introduzido na China em 1992 e, no final dos anos 90, mais de 70 a 100 milhões de chineses o praticavam. No entanto, em julho de 1999, o então líder do Partido Comunista Chinês (PCCh), Jiang Zemin, lançou uma propaganda de perseguição nacional para derrubar a opinião pública do Falun Gong, temendo a crescente popularidade do sistema espiritual que não estava sob o controle direto do regime.

“Quando ouvi sobre a supressão do Falun Gong pelo regime chinês, senti como se meu coração tivesse sido perfurado por uma faca. Fiquei com o coração partido com lágrimas escorrendo pelo meu rosto”, disse Zhang.

Ao ouvir os relatos sobre os praticantes do Falun Gong sendo torturados até a morte na China, Zhang escreveu cartas à embaixada chinesa em Sydney para ajudar a impedir essas violações dos direitos humanos. Mas quando nada funcionou, ela – como muitos outros adeptos do Falun Gong – decidiu ir à China para explicar a verdadeira situação diretamente às autoridades.

“Eu não esperava que minha boa intenção resultasse em prisão, tortura e calúnias que duraram oito meses”, disse ela. “Sofri torturas infernais, incluindo dormir no chão de concreto perto do banheiro fedorento, ser espancada, usar algemas e fazer trabalhos forçados por mais de 10 horas por dia, sete dias por semana”.

Recordando aquele dia fatídico de 31 de dezembro de 1999, Zhang disse que foi à Praça Tiananmen de Pequim com um grupo de turistas para assistir ao hasteamento da bandeira nacional e reconheceu outro adepto do Falun Gong de Melbourne, na Austrália. De repente, três policiais à paisana arrastaram Zhang para dentro do veículo policial; pouco depois, ela foi presa e espancada. Pela manhã, vários outros praticantes foram detidos pela Secretaria de Segurança Pública por irem à Praça Tiananmen.

Independentemente de sua célebre carreira de pintura, Zhang se tornou uma “inimiga do estado” e alvo de perseguição, assim como os inúmeros outros adeptos do Falun Gong na China.

Em janeiro de 2000, Zhang foi brevemente detida por praticar exercícios no Rending Lake Park, em Pequim. Um mês depois, no dia 4 de fevereiro de 2000, Zhang e seu marido estavam jantando em um restaurante em Pequim quando uma dúzia de policiais à paisana do Ministério da Segurança Nacional os prenderam “sem qualquer motivo”, disse ela. Os policiais os levaram em dois carros para o Centro de Detenção de Pequim, onde ambos foram detidos junto com prisioneiros políticos e no corredor da morte por uma semana. As autoridades a forçaram a ficar no chão de cimento em invernos gelados, privaram-na de sono e se revezaram para interrogá-la por 24 horas. Eles a assediaram para fazê-la renunciar à cidadania australiana; ela respondeu à brutalidade deles fazendo uma greve de fome. Após a prisão de uma semana, ela foi para Hong Kong, mas apenas para voltar à China em março, pela cidade de Shenzhen.

No dia 5 de março daquele ano, Zhang e alguns outros praticantes do Falun Gong de Hong Kong decidiram ir à China para apelar mais uma vez, esperando que o regime comunista parasse com a perseguição. No entanto, a polícia a prendeu no aeroporto de Shenzhen depois de encontrar sua carta para Jiang Zemin e os livros do primeiro-ministro Zhu e do Falun Gong em sua bolsa. Ela foi detida e torturada no Centro de Detenção Shangmeilin nº 1 da cidade. No dia 16 de março de 2000, ela entrou em greve de fome, que durou mais de 50 dias.

Em agosto de 2000, Zhang foi transferida para o Centro de Detenção nº 3 de Shenzhen e brutalmente torturada. A fim de quebrar seu espírito, por quase dois meses, o centro de detenção a trancou em uma cela em um prédio de prisioneiros do sexo masculino até que o consulado australiano interveio para colocá-la de volta na prisão feminina. Enquanto estava detida, Zhang foi algemada com mais de 13 6 kg de correntes nos tornozelos, teve lancheiras jogadas nela, água fria espirrada e teve seu cabelo puxado.

“A vida na prisão por oito meses foi pior que a morte; eu não suportaria olhar para trás”, disse ela. “Fui cruelmente presa em uma cela escura e úmida e dormi no chão frio de concreto. Eles instigaram vilmente os presos criminosos a me bater, pressionar minha cabeça no chão e pisar nas costas da minha mão, deixando os ossos quebrados”.

“Fui obrigada a dormir no chão frio de concreto com a cabeça ao lado do vaso sanitário e tive que cheirar a urina e as fezes de mais de uma dúzia de pessoas todos os dias. Eu não tinha permissão para escrever cartas para meus parentes, não podia fazer ligações e não vi a luz do sol por oito meses.”

Ao longo de seu tempo na prisão, Zhang se preocupou com sua filha de 12 anos e seu marido na Austrália. Ela não tinha permissão para encontrar seus parentes na China, enquanto o consulado australiano só podia visitá-la uma vez por mês. “Embora o consulado quisesse me visitar toda semana, eles não tinham permissão para isso”, disse ela. “Quando eles me visitaram, também viram o quão ruim era a atitude da polícia. O tradutor não se atreveu a traduzir nossa conversa e os funcionários tiveram que dizer ao intérprete para não se preocupar e continuar”.

“As autoridades australianas sabiam que eu estava sendo perseguida, por isso ficaram preocupadas. Os oficiais queriam que eu fosse solto, mas o governo chinês recusou; eles continuaram chamando o governo para negociar.”

Durante a tortura de oito meses, Zhang permaneceu firme. Ela diz que foi sua fé no Falun Gong que a manteve forte. “Acredito na verdade, na compaixão e na tolerância. Assim, consegui perseverar”, disse ela.

Com os esforços incansáveis ​​do governo australiano, Zhang foi libertada no início de novembro de 2000. Cercada por quase uma dúzia de policiais na sala de espera do aeroporto de Shenzhen no dia 4 de novembro de 2000, Zhang foi à frente uma última vez para expor a perseguição do regime comunista à fé ainda em sua terra natal. Ela tirou o casaco para revelar uma camiseta na qual havia escrito um poema enquanto estava detida. Enquanto os transeuntes a olhavam com surpresa e admiração, os policiais ficaram constrangidos; tudo o que podiam fazer era tentar em vão ameaçar Zhang para cobrir a camiseta com o casaco.

Os versos dizem: “Só por dizer que o Falun Dafa é uma lei justa (Dharma), fiquei preso por oito meses e enfrentei dificuldades. Minha cabeça pode ser cortada, meu sangue pode ser derramado, mas meu nobre espírito continuará vivo na prisão. A China se tornará uma eterna pecadora por perseguir o Falun Gong!”

Zhang Cuiying com uma camiseta com um poema expondo a perseguição do PCCh ao Falun Gong, na sala de espera do Aeroporto de Shenzhen, no dia 4 de novembro de 2000 (Cortesia de Zhang Cuiying)
Zhang Cuiying com uma camiseta com um poema expondo a perseguição do PCCh ao Falun Gong, na sala de espera do Aeroporto de Shenzhen, no dia 4 de novembro de 2000 (Cortesia de Zhang Cuiying)

Em 5 de novembro de 2000, Zhang retornou à Austrália e se reuniu com a família dela. “Os funcionários do Ministério das Relações Exteriores da Austrália choraram quando souberam da minha trágica experiência na prisão chinesa”, disse ela.

Zhang está feliz por poder praticar sua fé abertamente na Austrália, mas seu coração sempre deseja ver seu povo chinês livre do regime comunista.

“Na China, as pessoas não têm liberdade, não têm crença, não podem falar o que pensam e não podem apelar quando são perseguidas”, disse ela. “Espero que os cidadãos chineses possam aprender sobre a bondade do Falun Gong. Os chineses devem ser capazes de ver a maldade do PCCh e ser capazes de ver a luz do mundo”.

Jocelyn Neo e Arshdeep Sarao contribuíram para esta reportagem.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha
Um ex-membro de uma gangue criminosa japonesa disse que testemunhou o comércio de órgãos na China, tendo visto ...
Leia Mais >
 

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva
David Stillwell, é um general de brigada americano reformado. De 2011 a 2013 ele foi diplomata na embaixada ...
Leia Mais >
 

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA
O presidente Jair Bolsonaro discursou a uma multidão em Santa Catarina no sábado. Ele falou em “luta do ...
Leia Mais >
 

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL
Um impasse para o Brasil? Ocorreu a cúpula do BRICS. China e Rússia falam em uma expansão do ...
Leia Mais >